Desmatamento na Amazônia cai, mas patamar continua elevado

O mês de julho apresentou uma redução de 15% do desmatamento na Amazônia em comparação com o mesmo mês do ano passado. Segundo dados do sistema Deter, divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), até o dia 30, foram 1.417 quilômetros quadrados derrubados em 2021, versus 1.659 quilômetros quadrados em 2020.

Com isso, o acumulado entre agosto de 2020 e julho de 2021, referência do governo brasileiro para cálculo do desmate, apresentou uma redução de 5% em relação ao período anterior, conforme o vice-presidente Hamilton Mourão havia adiantado nesta semana. A tendência deve ser confirmada até dezembro, com a divulgação do número oficial do desmatamento anual pelo sistema Prodes, também do INPE. É a primeira queda em três anos.

Ao comparar o acumulado do Deter dos últimos três anos (2019, 2020 e 2021) com o acumulado dos três anos anteriores (2016, 2017 e 2018), houve um aumento de 70% no desmatamento.

“Apesar da redução entre um ano e outro de 5%, seguimos em níveis altíssimos de desmatamento na Amazônia”, afirma o diretor-executivo do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), André Guimarães. “Estamos em um momento crucial para o equilíbrio climático do planeta, e manter as florestas é a principal contribuição que o Brasil pode dar neste momento a esse desafio global”, disse.

Outra questão é o aumento observado do desmatamento nas florestas públicas não destinadas, categoria fundiária sob a responsabilidade da União e dos Estados. No primeiro semestre de 2021, 32% da derrubada registrada pelo Deter aconteceu nessas áreas, enquanto 25% foi registrada em imóveis rurais e 19%, em assentamentos.

“É um indício claro do avanço da grilagem e da ilegalidade”, explica o pesquisador sênior do IPAM, Paulo Moutinho. “As florestas públicas precisam receber ações enérgicas por parte do governo, para coibir o avanço sobre áreas que por lei deveriam ser protegidas. Se não, a redução não vai se manter”, afirma.

CERRADO – Já no Cerrado, a tendência é contrária. Em julho, o desmatamento nesse bioma subiu 84% de um ano para outro: foi de 360 quilômetros quadrados em 2020 para 661 quilômetros quadrados em 2021. Entre agosto de 2020 e julho de 2021, ano-referência do INPE, a taxa foi de 5.102 quilômetros quadrados acumulados, 23% a mais do que o período anterior, quando o Deter viu um acumulado de 4.137 quilômetros quadrados.

Os números do INPE confirmam a tendência de aumento já observada pelo MapBiomas, iniciativa multi-institucional da qual o IPAM faz parte. Em 2020, o desmatamento no Cerrado subiu 9%, segundo relatório divulgado neste ano, com indícios de ilegalidade em 99% dos casos. A elevação foi puxada pelo Matopiba, região que abarca trechos do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, e que concentrou 77% da área derrubada.

Fonte: Ipam

Últimas notícias

Incaper lança revista sobre Indicações Geográficas e Certificação na Agropecuária Capixaba

O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) lançou a ...

Açúcar: demanda fraca pressiona cotação do cristal

Os preços do açúcar cristal recuaram no mercado paulista, enquanto as negociações estiveram ...

Brasil bate recorde histórico em exportação de frutas em 2021

A demanda internacional aquecida, o clima favorável para a produtividade, a qualidade dos ...

Café solúvel quebra de recordes em 2021 e exporta para 98 países

Em mais um ano marcado pelo agravamento da pandemia mundial da Covid-19, que ...

Produtores rurais afetados pela alta temperatura e estiagem recebem orientação em SP

A Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP) está ...