A pandemia nos mostra que é preciso cooperar

Carlos André Santos De Oliveira

Formado em Ciências Contábeis, pós-graduado em Gestão Empresarial e superintendente do Sistema OCB/ES

No Livro IX da “Ética a Nicômaco”, o filósofo grego Aristóteles afirma: o homem é um ser político e está em sua natureza o viver em sociedade. Não é segredo que, para que possamos viver com plenitude, precisamos estar juntos dos nossos semelhantes. Nesse período em que vivemos, onde o afastamento social se faz necessário, a pandemia nos mostra que o caminho para superarmos esse momento e sairmos dele mais fortalecidos passa por um dos hábitos que nos caracterizam como o que somos: o poder de cooperar.

Desde março deste ano, a realidade foi alterada de maneira significativa. Com a disseminação do coronavírus, o mundo inteiro se viu diante da necessidade de mudar regras, modelos mentais e formas de agir para se adaptar à nova realidade, ao novo normal: os abraços passaram a ser evitados, as aglomerações não são mais recomendáveis e nossos lares se tornaram nossos novos espaços de trabalho.

O combate à Covid-19 tem exigido mudanças de toda a sociedade e mostrado que, se essas recomendações forem adotadas de forma isolada, sem a adesão maciça de todos, pouco resultado será alcançado. A luta contra o coronavírus é composta por batalhas coletivas, e a vitória só será possível se colaborarmos uns com os outros – seja com nossos vizinhos de porta, de estado, de país ou de continente.

Mas por que acreditar na cooperação? Porque cooperar significa envolver. E quando nos sentimos parte do problema, também tendemos a querer fazer parte da solução. Saber que estamos no mesmo barco nos torna conscientes de que precisamos fazer a nossa parte.

A cooperação tem se mostrado eficaz no campo da ciência para combater o novo coronavírus. Diversas nações têm ultrapassado barreiras e fronteiras para traçarem acordos que permitem o estudo, a análise e a proposição de soluções para a pandemia, incluindo a tão esperada vacina – que nascerá como fruto de um trabalho conjunto e coordenado.

Ainda nos campos sociais e econômicos, a filosofia de vida cooperativista também tem se mostrado como uma excelente opção para superar a crise imposta: o cooperativismo vem alcançando bons resultados e se firmando como a melhor alternativa para alinhar o desenvolvimento econômico com o bem-estar social – características que são necessárias agora e serão ainda mais fundamentais para quando pandemia acabar. Aquelas organizações que conseguirem se adaptar a todo esse novo contexto estarão à frente no futuro.

Em meio a diversos pontos negativos e milhares de vidas perdidas, a pandemia passa por nossa história deixando uma lição: chegamos até aqui por meio da união de esforços; por meio da colaboração e da cooperação, e é por esse caminho que devemos seguir com a nossa caminhada.

Milhares de anos separam a obra de Aristóteles do momento em que vivemos. Ainda assim, sua lição permanece atual: se somos naturalmente sociais, precisamos pensar e agir em sociedade. E a cooperação pode (e deve) nos ajudar nessa tarefa. Juntos construiremos um futuro melhor.

Mais da coluna

Rentabilidade da pecuária pode ser maior do que de aplicações financeiras

João Gabriel Balizardo Carvalho, Médico Veterinário do Grupo Matsuda Mesmo com o aumento ...

Devastação ambiental continua alarmante, mas a boa notícia é que a pecuária tem a solução

Marisa Sevilha Rodrigues é jornalista , CEO da agência Táxi Blue e idealizadora ...

Saúde do solo: um novo horizonte para o agro

Antonio Luis Santi é diretor técnico da ConnectFarm e professor da Universidade Federal ...

O etanol do Brasil na luta contra mudanças climáticas

João Guilherme Sabino Ometto é engenheiro (Escola de Engenharia de São Carlos - ...

Silagem: sinônimo de nutrição de qualidade na época da seca

Marco Aurélio de Oliveira Pádua, engenheiro agrônomo da Matsuda Minas e  Embrapa Caprinos ...