A pecuária não é para amadores

Renata Erler

Zootecnista, gestora de agronegócio, e vice presidente da Associação dos Zootecnistas do Espirito Santo (AZES)

A primeira vista a pecuária pode parecer simplória, uma equação simples – terra, gado, peão e fazendeiro. Mas, na prática, a pecuária se revela bem desafiadora, estamos falando de trabalhar assertivamente com genética, sanidade e nutrição.

A seleção das melhores características genéticas por meio de cruzamentos entre raças e de indivíduos excepcionais de uma mesma raça, nos proporcionou ganhos em rusticidade, resistência a doenças e parasitas, desempenho, eficiência e qualidade. Essa foi a fórmula que nos  transformou de importadores para exportadores de bovinos com genética superior.

A sanidade está diretamente relacionada ao estado de saúde do animal, onde o objetivo é evitar contaminação e controlar parasitas que afetam a produtividade. Para tanto é necessário seguir um calendário sanitário com as vacinas obrigatórias, onde acrescentamos também imunização contra doenças que afetam a produção, além de fórmulas para controle parasitário.

Com o animal geneticamente melhorado e sanidade garantida, a nutrição irá ditar o ritmo do ganho de peso, pois de acordo com a dieta (a pasto, confinado, etc.) o animal poderá ou não expor o seu máximo potencial genético, e é isso que buscamos em qualquer situação.

A partir desse tripé, temos todas as ramificações de situações que precisam ser identificadas e solucionadas no dia a dia da fazenda, como divisão de categorias, formação de lote, pesagens, manejo de pasto, suplementação etc.
Como todos estes fatores são dinâmicos e a tecnologia e a ciência evoluem constantemente   trazendo uma seleção genética melhor a cada dia (novos ingredientes para a nutrição, novas moléculas para a sanidade, técnicas mais adequadas de manejo, dentre outros) poder contar com a consultoria de profissionais qualificados e atualizados é o diferencial  na obtenção dos resultados desejados.

Assim, a gestão de todos estes fatores sistematizados com os objetivos da propriedade, que estejam alinhados com a gestão de informações de mercado, torna o gestor e o consultor do agronegócio cada vez mais um profissional essencial para que o tripé tenha um equilíbrio garantindo com rentabilidade e lucratividade.

Cabe aos pecuaristas terem esta certeza como cartilha, a rentabilidade como mantra, e buscar sempre profissionais habilitados na gestão do seu negócio, caso queiram resultado. A gestão é equilíbrio e segurança, e a pecuária não é para amadores.

Mais da coluna

Saúde do solo: um novo horizonte para o agro

Antonio Luis Santi é diretor técnico da ConnectFarm e professor da Universidade Federal ...

O etanol do Brasil na luta contra mudanças climáticas

João Guilherme Sabino Ometto é engenheiro (Escola de Engenharia de São Carlos - ...

Silagem: sinônimo de nutrição de qualidade na época da seca

Marco Aurélio de Oliveira Pádua, engenheiro agrônomo da Matsuda Minas e  Embrapa Caprinos ...

Prontos para um novo ano de muitos resultados

Ronaldo Scucato, presidente do Sistema Ocemg Os tempos são de pandemia, mas também ...

A hora e a vez de emprenhar as vacas

Julliano Pompei, médico veterinário do Grupo Matsuda Uma estação de monta clássica dura, ...