A tecnologia a serviço do agronegócio: mais competitividade e produtividade o campo

Munir Abud de Oliveira, Diretor-presidente do Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes)

Em um mercado cada vez mais competitivo, a inovação é grande aliada do agronegócio sustentável: o investimento possibilita o desenvolvimento de equipamentos com tecnologias que facilitam a execução de tarefas, com ganho de produtividade. Historicamente, capitaneado principalmente pela cafeicultura no primeiro momento, seguido da produção avícola e da fruticultura em pequenas propriedades, a relevância socioeconômica da produção do homem do campo deu impulso ao ciclo econômico agroindustrial no Estado. 

Já no âmbito dos grandes negócios, os projetos avançaram nas propriedades capixabas para a pecuária de corte, a silvicultura e a produção de cana-de-açúcar, estimulados por subsídios e incentivos fiscais. Todas essas cadeias produtivas evidenciaram a agregação de valor às respectivas atividades, com a implantação de frigoríficos, da indústria de celulose e da indústria de álcool.

Há alguns anos, produtividade era sinônimo de grandes propriedades, já que, para ter o aumento da produção, era necessário ampliar a área plantada ou destinada ao pasto para os animais. Mas atualmente, a realidade do produtor rural é diferente.

Principal fonte de renda de mais de 80% dos municípios capixabas, o Agronegócio é uma das principais atividades econômicas do Estado, com grande impacto na geração de emprego e no abastecimento dos lares capixabas. Como não poderia deixar de ser, o Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) tem papel fundamental nessas mudanças graduais em cada ciclo de produção, com o financiamento de máquinas, equipamentos e ao investimento na modernização e na adoção de novas tecnologias e inovação no campo.

O Bandes caminha junto com essas mudanças: atuou por décadas como um dos principais financiadores da agricultura familiar no Espírito Santo, passou por um reposicionamento e passou a operar com empresas e segmentos que fomentam as cadeias produtivas locais, inclusive, na agroindústria. Seja com programas especiais, com recursos próprios, seja como repassador do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Bandes continua atuando com as empresas do segmento.

Neste cenário, para reforçar sua atuação, o Bandes vem buscando um diálogo constante com lideranças para potencializar as cadeias produtivas ligadas ao Agronegócio capixaba. A adoção de boas práticas de produção, principalmente ligadas à agroindústria e às agrotechs, startups que oferecem soluções tecnológicas para otimizar a produtividade, potencializam o aumento de produção e o ganho de valor das commodities. Quantificando a informação, nos últimos dez anos, o Bandes aprovou cerca de R$ 750 milhões, beneficiando 16,2 mil projetos de investimento.

Quando falamos em tecnologia no agronegócio, é importante lembrar que estamos nos referindo a um grande quantitativo de oportunidades de investimento.  Os resultados também são diversos, em diversas frentes, como, por exemplo, a otimização da plantação, o controle de pragas, melhorias nas técnicas do plantio, o beneficiamento da produção, exportação, etc.

Além disso, o investimento na tecnologia pode desempenhar importante papel no desenvolvimento da agroindústria. Hoje, com adoção de boas práticas, já é possível, por exemplo, plantar em regiões semidesérticas com apoio da biotecnologia, tornando as culturas mais resistentes a secas e pragas.

O mercado local tem grande importância e também potencial de crescimento. De acordo com os dados do Centro de Desenvolvimento do Agronegócio (Cedagro), atualmente, o setor é responsável por um terço do PIB estadual, com aproximadamente 33% dos empregos gerados na economia, sendo a principal atividade econômica de mais de 80% dos municípios capixabas. 

Com os projetos de investimento, o acesso ao crédito produtivo em condições adequadas à realidade e respeitando as potencialidades e as cadeias produtivas locais, é possível ampliar esses números, com maior competividade dos produtos e maior produtividade no campo.

Mais da coluna

Sobre guerra e fertilizantes

Prof. José Ricardo Bandeira É perito em Criminalística e Psicanálise Forense, comentarista e ...

Benefícios fiscais para o agronegócio

Paulo César Alves Rocha - especialista em infraestrutura, logística e mercado exterior, com ...

Rentabilidade da pecuária pode ser maior do que de aplicações financeiras

João Gabriel Balizardo Carvalho, Médico Veterinário do Grupo Matsuda Mesmo com o aumento ...

Devastação ambiental continua alarmante, mas a boa notícia é que a pecuária tem a solução

Marisa Sevilha Rodrigues é jornalista , CEO da agência Táxi Blue e idealizadora ...

Saúde do solo: um novo horizonte para o agro

Antonio Luis Santi é diretor técnico da ConnectFarm e professor da Universidade Federal ...