Saúde do solo: um novo horizonte para o agro

Antonio Luis Santi é diretor técnico da ConnectFarm e professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) – Campus Frederico Westphalen

A próxima revolução na agricultura virá do solo. Ou melhor: da saúde e da sustentabilidade onde se produzem alimentos. Com muitas formas, variados nomes e desenvolvido a partir das características das mais diferentes regiões, a terra rica em nutrientes e que faz a nossa comida crescer é rara e preciosa. Saber preservá-la e melhorar sua forma de uso significa ter uma lavoura longeva.

Diante da demanda crescente por alimentos, a nutrição adequada do solo é garantia para se obter um bom potencial produtivo, seja qual for a cultura. Em uma camada de zero a dez centímetros, habitam milhares de bactérias, vírus, protozoários, fungos, minhocas e insetos. E, em uma área de um hectare desse pequeno mundo, podem habitar mais de dez mil espécies.

A diferença entre a poeira infértil e a terra viva depende diretamente da abundância e da diversidade desses organismos. Um sistema variado será responsável pela estruturação, retenção de água, reciclagem de nutrientes, proteção de plantas, promoção do crescimento vegetal e degradação de materiais orgânicos.

Portanto, quanto mais heterogêneo for esse microambiente, mais resultados virão. Solo bom é o que alimenta as plantas, ajudando no seu desenvolvimento. É aquele que tem nutrientes capazes de manter um ambiente limpo e menos poluído, evitando a erosão e protegendo as plantas de danos.

Para detectar com exatidão as diferenças de solos não percebidas em análises convencionais, surgiu o estudo das atividades enzimáticas. Essas avaliações ajudam a determinar, por exemplo, o volume de fertilizantes necessários e a planta de cobertura mais adequada para determinada área. Para fazer um paralelo, são como um exame de DNA do solo.

Estamos diante de um recurso com enorme potencial transformador e que ainda está dando os primeiros passos no país. Ao lado da inteligência de dados, abrirá um novo horizonte para o agro. Contribuirá para que os produtores alcancem um resultado ainda melhor, de forma veloz e assertiva, e reforçará a vocação do Brasil em alimentar o mundo. Virá do solo o próximo grande salto de produtividade do campo.

Mais da coluna

O etanol do Brasil na luta contra mudanças climáticas

João Guilherme Sabino Ometto é engenheiro (Escola de Engenharia de São Carlos - ...

Silagem: sinônimo de nutrição de qualidade na época da seca

Marco Aurélio de Oliveira Pádua, engenheiro agrônomo da Matsuda Minas e  Embrapa Caprinos ...

Prontos para um novo ano de muitos resultados

Ronaldo Scucato, presidente do Sistema Ocemg Os tempos são de pandemia, mas também ...

A hora e a vez de emprenhar as vacas

Julliano Pompei, médico veterinário do Grupo Matsuda Uma estação de monta clássica dura, ...

Seria o boi um vilão ambiental? Fato ou mito?

Xico Graziano Engenheiro agrônomo, doutor em Administração, professor de MBA na FGV e ...