Seria o boi um vilão ambiental? Fato ou mito?

Xico Graziano

Engenheiro agrônomo, doutor em Administração, professor de MBA na FGV e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

A pecuária nacional vive bons momentos. As exportações de carne deslancharam e o consumo segue firme no mercado interno. A rentabilidade setorial cresceu. Ataques ecologistas, porém, andam machucando o rebanho bovino.

Seria o boi um vilão ambiental? Fato ou mito?

Críticos da carne bovina desconsideram uma questão fundamental: a importância da ruminação no processo evolutivo. Animais ruminantes conseguem a proeza de transformar a energia solar, capturada pela fotossíntese das plantas, em proteína de alta qualidade.

Pela fotossíntese, os vegetais sintetizam carbohidratos, que é a fonte de energia primária dos animais herbívoros, especialmente dos ruminantes (bovinos, bubalinos, ovinos, entre os domesticados). O rúmen funciona como câmaras de fermentação habitadas por bilhões de bactérias, fungos e protozoários, responsáveis por degradar os carbohidratos.

Essa é a enorme vantagem competitiva dos animais ruminantes, aprimorada por milhões de anos. A seleção natural os tornou muito eficientes em produzir carne, proteína de elevada qualidade, a partir de simples gramíneas.

Acontece que este incrível processo vital libera moléculas de Carbono (C) e Hidrogênio (H2) no rúmen animal, permitindo a formação de gás metano (CH4). Através, principalmente, da eructação (arroto), o animal expele o metano para a atmosfera.

Aqui, recentemente, colocaram um problema. Sendo um gás de efeito estufa (GEE), com poder de aquecimento da atmosfera entre 21 a 23 vezes o do gás carbônico (CO2), o metano passou a ser considerado, dentro da teoria do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC/ONU), danoso ao meio ambiente.

Desde então, os pesquisadores do agro se debruçam na análise dessa equação. Sabe-se que a quantidade de metano gerada na ruminação depende da dieta do animal e da composição de sua fauna bacteriana. Regra geral, gramíneas mais velhas e fibrosas, densas em carbohidratos estruturais, irão gerar maior liberação de metano.

Significa que pastos bem manejados, com massa vegetal mais nova, reduzem a emissão de gases. Também dietas animais compostas por alimentos concentrados, derivados de cereais ou silagens, alteram as condições físico-químicas do rúmen e modificam a população microbiana. Nessas condições, há queda na produção de metano.

Conclusão: o aumento de produtividade do rebanho, obtido por vários caminhos tecnológicos, influencia decididamente na redução das emissões. Estima-se que os sistemas de criação modernos, com pastagens melhoradas e suplementação de rações tragam redução de 30% da emissão de metano por quilo de carne produzida.

Há, ainda, que se considerar os ganhos genéticos de precocidade dos animais. Bovinos de criatórios tecnológicos, que aliam bom manejo de alimentação com genética animal, são abatidos entre 16 e 24 meses, metade do tempo verificado na pecuária extensiva tradicional.

Fato: a tecnologia pecuária eleva a produtividade da produção de carne com redução da emissão de metano. Aqui está o X da questão: o crescimento do rebanho nacional, especialmente nos últimos 20 anos, assenta-se em pronunciada transformação produtiva.

O padrão tecnológico está se expandindo, fazendo crescer a boiada enquanto as pastagens se reduzem. Fazendas de gado líderes produzem 510 kg de carcaça (carne com osso) por hectare/ano, enquanto que a média nacional ainda está em 67 kg/ha/ano.

Tudo se modifica rapidamente na pecuária nacional. Exceto a contabilidade de emissões de metano. O padrão do IPCC continua fixado na emissão de 56 quilos de metano/animal/ano, valor determinado no começo do século. É trágico. Desconsidera-se a evolução tecnológica da pecuária.

Ademais, pesquisadores da Embrapa já comprovaram que, ao se considerar o sequestro de Carbono nas propriedades tecnologicamente bem conduzidas, as emissões caem e, em certos casos, zeram ou são até negativas. Daí surgiu o recente conceito da “Carne Carbono Neutro”.

Os animais ruminantes evoluíram transformando carboidratos em carne e arrotando metano. Foram essenciais ao avanço da civilização. Agora, querem proibir o gado de pastar. Antiecológico é confinar o boi.

Mais da coluna

A hora e a vez de emprenhar as vacas

Julliano Pompei, médico veterinário do Grupo Matsuda Uma estação de monta clássica dura, ...

Café sem grão? Leite sem vaca? Hambúrguer sem boi?

Mauro Carrusca CEO e Founder da KER Innovation Muitos setores ainda são pegos ...

Convênio 100: a salvação da lavoura

Márcio Lopes de Freitas Presidente da OCB Em um cenário marcado pelas crises ...

A pandemia nos mostra que é preciso cooperar

Carlos André Santos De Oliveira Formado em Ciências Contábeis, pós-graduado em Gestão Empresarial ...

Uso do ultrassom para diagnóstico de gestação em novilhas e vacas leiteiras

Diogo Vivacqua de Lima Médico Veterinário Em uma fazenda onde a principal fonte ...