Acordo estimula inclusão geodigital em pequenas propriedades

Tecnologia da Embrapa será utilizada primeiro na cacauicultura

A Embrapa Territorial e a Associação Parque Científico Tecnológico do Sul da Bahia (PCTSB) formalizaram acordo para ampliar o uso da tecnologia em desenvolvimento no projeto “Inclusão Geodigital e Gestão Territorial de Unidades de Produção de Base Familiar (IGGTS)”. Trata-se de um questionário geodigital proposto para gerar o índice multicritério de sustentabilidade de unidade de produção agrícola ou de forma coletiva (associações de produtores ou cooperativas), a partir da avaliação de cinco critérios (governança, ambiental, social, agropecuário e econômico). Nos próximos meses, a ferramenta entrará em fase de testes e validação com as comunidades amazônicas – público-alvo do projeto. Vencidas estas etapas, ela poderá ser ajustada para outras comunidades e sistemas produtivos do Brasil.

Para isso, o PCTSB é visto como um parceiro estratégico na evolução do processo de prototipação da ferramenta geodigital da Embrapa, e poderá auxiliar a inseri-la no mercado. O acordo firmado garantirá a primeira experiência com os produtores de cacau.

O parque está envolvido em projetos para promover o desenvolvimento regional da cacauicultura. Dentre seus parceiros, está a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), do Ministério da Agricultura. O polo conta também com um Centro de Inovação do Cacau (CIC), estrutura moderna de apoio à pesquisa e à inovação com o objetivo de construir, consolidar e difundir o conhecimento sobre o cacau e o chocolate de qualidade.

Cristiano Villela Dias, secretário-geral do parque, elogiou a expertise e atuação da Embrapa em nível nacional e acredita que essa cooperação poderá estender o alcance da PCTSB para outras regiões produtoras de cacau no país. “A cultura vem se espalhando, se expandindo em áreas em que a Ceplac não atuava e que Embrapa já atua”, disse.

O pesquisador João Alfredo Mangabeira, líder do projeto IGGTS, ressalta que a Embrapa levará um ferramental importante ao setor de cacau. Como ele observa, o produto poderá auxiliar as formas coletivas de produção no enfrentamento dos desafios e no alcance de metas de sustentabilidade, além de contribuir para a geração de serviços ecossistêmicos nacionais e globais. “Com esses critérios e seus indicadores, com o índice de sustentabilidade e outras avaliações pelo enfoque bioeconômico, é possível ajudar os agricultores a fazerem a gestão territorial no ponto de vista sustentável”, disse.

Mangabeira ressalta que existe uma forte exigência dos investidores e compradores por indicadores ambientais, sociais e de governança dos sistemas de produção agrícola. Nesse quesito, a ferramenta da Embrapa será estratégica para que os produtores de cacau adotem práticas sustentáveis e, com isso, tornem-se mais competitivos no mercado.

A parceria poderá abranger outras culturas. O parque também possui projetos em piscicultura, cultivos florestais madeireiros, exploração da biodiversidade e os ativos florestais. “Os geoindicadores são ajustáveis para outras culturas, e o parque, por envolver diferentes atores, pode abrir o horizonte para explorarmos estas outras práticas de cultivo”, disse Daniela Maciel, que lidera o setor de Transferência de Tecnologia da Embrapa Territorial.

No âmbito desta colaboração, o Parque Tecnológico está estruturando um ambiente para receber pesquisadores da Embrapa. O espaço contará com sala de reunião, estrutura de internet, e será compartilhado com profissionais dedicados a projetos no sul da Bahia.

CONVÊNIO – O acordo de cooperação técnica estendeu a parceria para todos os centros da Embrapa. “Essa ampliação é relevante porque o parque consegue envolver atores de diferentes instituições, com a capacidade de atrair recursos muito diferentes para a Embrapa. Esse pode ser canal para outras unidades de pesquisa terem uma porta de entrada para projetos Tipo III e terem a possibilidade de desenvolver outras frentes junto ao parque”, disse Daniela Maciel.

PROJETO IGGTS – O projeto recebe recursos do Fundo Amazônia e prevê a criação de um questionário geodigital – para tablet e celular – em observância dos indicadores de sustentabilidade definidos juntamente com representantes das comunidades amazônicas. O questionário será testado e validado no próximo ano em oficinas realizadas com jovens e filhos de pequenos agricultores amazônicos. A ferramenta está sendo criada como apoio à gestão das propriedades.

PARQUE TECNOLÓGICO – Formada em 2015, a Associação Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia está localizada na microrregião de Ilhéus-Itabuna. É composta por instituições públicas (Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira – CEPLAC, Instituto Federal da Bahia – IFBA; Instituto Federal Baiano – IFbaiano; Universidade Estadual Santa Cruz – UESC; Universidade Federal do Sul da Bahia – UFSB); representantes de segmentos do terceiro setor e empresariais (Instituto Arapyaú; CEPEDI- Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Informática e Eletroeletrônico; o SINEC – Sindicato da Indústria de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos, Computadores, Informática e Similares de Ilhéus e Itabuna, ABAF – Associação Baiana das Empresas de Base Florestal; a FAEB-Federação de Agricultura do Estado da Bahia; AIPC – Associação Nacional das Indústrias Processadoras de Cacau) e de Governo (SECTI – Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia).

Fonte: Embrapa Territorial

Últimas notícias

Força tarefa do agro vai ajudar produtores com prejuízos da chuva de granizo

As recentes chuvas de granizo atingiram municípios do interior do Espírito Santo no ...

Mudas de café conilon clonal são produzidas e plantadas nas montanhas

Santa Maria de Jetibá, conhecida como a cidade que mais produz ovos no ...

A importância do tratamento homeopático em animais

Low angle portrait of cute dog resting on rug and looking forward with ...

BSCA E Apex-Brasil renovam projeto de promoção internacional dos cafés especiais

Estruturado sobre os pilares de inteligência mercadológica, promoção interna e externa e consolidação ...

Exportações de carne suína registram maior volume mensal da história

As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) ...