Agricultoras assentadas criam agroindústria em Guaçuí e são exemplo de organização social

A experiência que demonstra o sucesso do protagonismo feminino foi exibida virtualmente no HorizontES em Extensão de 2020

As frutas plantadas no Assentamento Florestan Fernandes, em Guaçuí, são transformadas em geleias e polpas de sucos na agroindústria comandada por mulheres assentadas. A terra conquistada há, aproximadamente, duas décadas abriga 34 famílias que tiveram como premissa a organização social e a integração em políticas públicas para se fortalecerem. Um dos caminhos para a ascensão foi a criação da Associação de Rádio Comunitária do Assentamento Florestan Fernandes (ARCAFF). 

O assentamento produz alimentos como laranja, maracujá, limão, abacate, chuchu, mandioca, milho verde, hortaliças, goiaba, acerola, cajá manga, banana, café, leite, tomate, entre outros. Para aproveitamento e processamento das frutas, verduras e legumes, foi criado o grupo Das Camponesas. Com o início do trabalho, surgiram entraves relacionados à comercialização, como contou a presidente da ARCAFF, Nelci Sanches da Rocha. A assentada também é uma das criadoras do grupo composto por oito mulheres e dois homens. 

As agricultoras assentadas que compõem o grupo já produziam pães, doces e geleias e estavam inseridas no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e na comercialização em feiras agroecológicas em Guaçuí e São José do Calçado e nas diversas feiras da Reforma Agrária do Brasil. Para a regularização da atividade e a construção da Unidade de Processamento de Frutas, o grupo buscou o auxílio técnico do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), no Escritório Local de Desenvolvimento Rural (EDLR) de Guaçuí. Em 2015, o projeto elaborado para a construção da agroindústria que transforma frutas e polpas foi inscrito no Edital do Fundo Social de Apoio à Agricultura Familiar (Funsaf) e teve a aprovação em primeiro lugar. 

“Nós vimos que haveria o investimento em projetos de áreas de assentamento da reforma agrária e com isso veio a esperança. O primeiro apoio que buscamos foi do Incaper e da Secretaria de Agricultura de Guaçuí. Recebemos todo suporte técnico desde o início até hoje com a construção da agroindústria. Essa vitória mudou muito a nossa vida e temos a esperança de continuar crescendo para melhorar a qualidade de vida e do trabalho dos assentados”, disse Nelci Sanches da Rocha. 

No início deste ano, o grupo Das Camponesas conquistou o contrato para entrega de polpa de frutas ao Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) estadual, em Cachoeiro de Itapemirim. A comercialização também é feita para as Prefeituras Municipais de Guaçuí e São José do Calçado. 

A economista doméstico e extensionista do EDLR de Guaçuí, Ana Paula Pereira de Castro, destacou que as políticas públicas foram essenciais para a superação de diversos desafios enfrentados pelas trabalhadoras assentadas. “Elas tinham o desejo de agregar valor de alguma forma aos alimentos que são cultivados no assentamento. Conquistaram a agroindústria que apresenta toda segurança alimentar e agora fazem a entrega para o PNAE. Demos o apoio técnico para concretização desse sonho e temos o desejo de que o Incaper esteja sempre muito presente”, disse. 

Compromisso com o meio ambiente 

Com a escassez de água agravada nos últimos anos, a ARCAFF firmou parcerias para a proteção e recuperação das nascentes do Assentamento Florestan Fernandes, além da construção de barragens e desenvolvimento de práticas de manejo e conservação do solo e água. A Associação tem ainda uma participação efetiva em diversas ações de capacitação e participação no Conselho Rural e Comitê de Bacia, em Guaçuí.

“Fazemos a produção da fruta protegendo o meio ambiente, produzindo agroecologicamente. Queremos ir para o mercado com um produto de qualidade e preço acessível e é um desafio grande. Estamos atualmente com a pretensão de produzir morango e buscamos a tecnologia do Incaper”, disse a presidente da Associação. 

A experiência que demonstrou exemplos de sucesso de organização social aliada à preservação do meio ambiente foi exibida virtualmente no HorizontES em Extensão de 2020. A escolha foi realizada pelo Centro Regional de Desenvolvimento Rural (CRDR) Caparaó. 

Fonte: Incaper

Últimas notícias

Definidas condições para liberação de linha de crédito para cafeicultores atingidos por geadas

O Voto será submetido ao Conselho Monetário Nacional, para em seguida disponibilizar essa ...

Congresso das Mulheres do Agronegócio terá debate sobre “Bioeconomia” e a relação entre o progresso econômico e o meio-ambiente

Mesa-redonda reunirá representantes de diferentes elos da cadeia produtiva para discutir os melhores ...

Exportações do agronegócio batem recorde para setembro, com US$ 10,1 bilhões

O complexo soja e as carnes foram destaques nas exportações do mês, registrando ...

Lançadas as primeiras variedades de batata coloridas do Brasil

Chegam ao mercado nacional as primeiras variedades de batata coloridas desenvolvidas no Brasil ...

Cooperativa lança plataforma com o maior acervo digital do agro

A Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) coloca no ar hoje (15), a maior ...