Aviso de sinistro tardio pode inviabilizar perícia no campo

A safra de soja 2020/21 já enfrentou irregularidade das chuvas e o plantio registrou atraso em muitas regiões. De acordo com levantamento da consultoria AgRural, apesar da semeadura tardia, até o momento as lavouras estão se desenvolvendo bem e a consultoria estima uma produção de 131,7 milhões de toneladas de soja. Por enquanto, há registros de falta de umidade no Rio Grande do Sul e em algumas áreas na Bahia.

Nesse momento em que a colheita começa a se aproximar, os produtores que protegeram as operações com seguro agrícola devem ficar mais atentos ao clima. Em caso de sinistro, é preciso saber como agir rapidamente. De acordo com Roberto Zuardi, responsável pela área de sinistro agrícola da Fairfax Brasil, é fundamental que o agricultor entre em contato com o corretor de seguros para informar o sinistro dentro de um prazo adequado.

“O produtor sabe quando ocorre uma seca ou outro evento além do normal. O que ele precisa é comunicar o sinistro na ocorrência do evento. A seguradora tem que ser avisada do sinistro pelo menos 15 dias antes da colheita. Se o produtor avisar em cima da hora, pode perder o direito à indenização”, alerta.

PRAZOS – O prazo ainda pode causar confusões nos processos de sinistro. O ideal é que a comunicação seja feita ao menos 15 dias antes da colheita. Mas claro que há exceções. Se houver uma chuva de granizo faltando apenas três dias para a colheita, por exemplo, o prazo seria flexibilizado para periciar o local. Sempre prevalece a boa-fé por parte do produtor de comunicar o sinistro rapidamente e a análise de cada caso.

Os problemas ocorrem quando o aviso é feito tardiamente. Às vezes, o produtor pode observar a ocorrência de uma seca, por exemplo, mas ficar esperançoso acreditando que a plantação vai se recuperar e só comunicar o sinistro às vésperas da colheita. Nesse caso, o produtor inviabiliza a perícia e ficará configurado o chamado “aviso intempestivo”, exonerando a seguradora do dever de indenizar.

Essa é uma regra muito clara que está prevista no Código Civil brasileiro, no Art. 771, determinando que “sob pena de perder o direito à indenização, o segurado participará o sinistro ao segurador, logo que o saiba, e tomará as providências imediatas para minorar-lhe as consequências”.

PASSO A PASSO DO SINISTRO – A partir dessa comunicação de sinistro, a seguradora tem um prazo de 24 horas para definir o perito que atenderá ao chamado e prazo de 72 horas para entrar em contato com o agricultor e agendar a vistoria preliminar a campo.

Em até 10 dias, o perito estará presente na fazenda para averiguar a área assegurada e fotografar a plantação. “A primeira vistoria é bem simples, ela tem como objetivo constatar que o evento realmente aconteceu”, explica Zuardi. A partir daí, o perito e o agricultor manterão contato para agendar a vistoria final, que ocorrerá pouco tempo antes da colheita.

Para calcular a média ponderada de produtividade, o perito fará uma avaliação geral da plantação. “O perito não acompanha a colheita inteira, ele faz uma amostragem, passando por todos os pontos da área da maneira mais homogênea possível. Depois o perito envia amostras para classificação dos grãos”, explica Zuardi.

O produtor receberá do perito uma cópia do laudo da vistoria. Por fim, a seguradora precisa receber um aviso de término de colheita e utilizará o resultado da análise de grãos para determinar o valor que será pago ao produtor, conforme os parâmetros determinados durante a contratação da apólice. “Somos muito claros nos nossos retornos. Passamos para o segurado todos os cálculos que embasaram a indenização, com base no que foi contratado”, diz Zuardi.

Fonte: Fairfax Brasil

Últimas notícias

Produto para suínos será apresentado durante live da Favesu

Foto: Sidney Dalvi A preparação para a 6ª Feira de Avicultura e Suinocultura ...

Áreas de seca aumentam em janeiro no Espírito Santo

 A última atualização do  Monitor de Secas aponta que no Espírito Santo, em janeiro, ...

Lavouras de soja apresentam bom desempenho nas áreas produtoras

As condições das lavouras de soja melhoraram após um começo de temporada marcado ...

Avicultura do Mato Groso renova seguro pioneiro no Brasil

Foto: Julio Huber A Associação Matogrossense de Avicultura (AMAV-MT) renovou seguro avícola do ...

Pesquisadores elaboram dicionário das características sensoriais do chá-mate

Grupo avaliou amostras de chá de diferentes regiões do Brasil para definir 39 ...