Batata enfrenta desafios no campo

Frita, assada, cozida, sozinha ou acompanhada, natural ou industrializada: a versatilidade torna a batata um dos alimentos preferidos do brasileiro. Aliás, não apenas dos brasileiros, pois é um dos alimentos mais consumidos no mundo. Anualmente, o Brasil produz 3,7 milhões de toneladas, quantidade suficiente para atender à demanda de uma população apaixonada por batatas, que consome 16,6 quilos per capita ao ano. Mas essa deliciosa hortaliça está constantemente ameaçada por ataques de pragas e doenças, o que pode reduzir sensivelmente a produção e a qualidade.

“A batata é a hortaliça mais importante do Brasil. Porém, suas características de cultivo e desenvolvimento representam desafio constante para os agricultores. Sem cuidados especiais, pode-se perder até 100% da produção. Os inimigos são vários e devastadores como doenças, insetos e plantas daninhas”, explica Julio Borges, presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg).

O desafio dos agricultores é grande. Afinal, a redução da oferta de batata causaria não apenas redução dos lucros do campo, mas especialmente aumento expressivo nos preços ao consumidor, tanto da hortaliça in natura quanto industrializada. Como a cadeia de consumo da batata é imensa, a quebra da produção resultaria até mesmo na elevação do preço dos combos de hamburguerias, cujo protagonista tem sempre a batata como principal (e essencial) acompanhamento.

“Alguns inimigos em especial tiram o sono dos batateiros. A requeima, a pinta-preta e a canela-preta são doenças altamente danosas causadas por fungos. Já a larva-alfinete, ou sua fase adulta conhecida como vaquinha, a traça da batata e a mosca branca são insetos que também prejudicam a produtividade, assim como diversas plantas daninhas, a exemplo do caruru, da corda-de-viola e de algumas espécies de capim. Há, porém, um grande empenho e esforço da indústria de proteção de cultivos e dos agricultores nessa batalha, em benefício da segurança alimentar do nosso país”, reforça Julio.

Cerca de 60% do consumo per capita é de batata fresca e 14% de pré-frita nacional, de acordo com a Associação Brasileira da Batata (ABBA). “Hoje, 18% do consumo individual são de batatas pré-fritas importadas. O Brasil tem condições para substituir o produto internacional, mais caro, pelo local, que ajuda a melhorar a economia nacional, gera mais empregos e renda e resulta em preços mais acessíveis à população. Só que para isso é necessário produzir mais”, diz o presidente do Sindiveg.

Para produzir mais, entretanto, é necessário proteger a produção, controlando os seus inimigos naturais. “A ciência oferece o que há de mais avançado em defensivos agrícolas eficientes contra pragas, doenças e plantas daninhas. Usadas de forma correta e segura, essas tecnologias protegem a batata mantendo sua qualidade e segurança”, complementa Eliane Kay, diretora executiva do Sindiveg.

Eliane explica que, antes de ser lançadas, essas soluções são testadas cientificamente e submetidas a um longo e rigoroso processo de avaliação, que demora vários anos até a autorização de uso e passa por três ministérios: Agricultura, Saúde e Meio Ambiente. “Esse cuidado extremo garante o benefício desses insumos para os agricultores, o comércio e os consumidores. Essa é a contribuição da indústria de saúde vegetal para a produção sustentável de alimentos no território brasileiro”, finaliza Eliane.

PRODUÇÃO REGIONAL – Dez estados, além do Distrito Federal, são responsáveis pela quase totalidade da produção de batatas no país. Essa cultura movimenta R$ 5,4 bilhões, informa o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cerca de 83% da colheita da hortaliça está concentrada em quatro estados, liderados por Minas Gerais que produz 1,2 milhão de toneladas (32% do total). Em segundo lugar, aparecem o Paraná, com 748 mil toneladas (20%), São Paulo (18%) e Rio Grande do Sul (12%).

O Sindiveg representa a indústria de produtos para defesa vegetal no Brasil há 79 anos. Reúne 26 associadas, distribuídas pelos diversos Estados do país, o que representa aproximadamente 40% do setor.

Fonte: Texto Comunicação Coorporativa

Últimas notícias

Fungo inédito no inhame e na samambaia é descoberto por pesquisadores

Um novo fungo que acomete o inhame e a samambaia preta foi encontrado, pela primeira ...

Como os insetos dão pistas aos peritos na cena do crime

Embora a visão de larvas em um cadáver não seja agradável, elas podem ...

Mais de 25 mil agricultores familiares irão receber benefício do Garantia-Safra em abril

A Portaria Nº 18, que determina o pagamento do Garantia-Safra, foi publicada nesta sexta-feira ...

Exportações do agro em março batem recorde de US$ 11,57 bilhões

O valor é 28,6% maior que o exportado no mesmo mês em 2020. ...

Faesp alerta que corte orçamentário afeta prioridades da agropecuária

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) explica ...