Biossensor detecta toxina nos grãos de café em até 30 minutos

O Laboratório de Nanomateriais Funcionais da Ufes, em colaboração com o Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da Universidade de São Paulo (USP) e a Universidad del Norte (Colômbia), desenvolveu um biossensor que detecta no grão de café a presença da ocratoxina A (OTA), uma substância cancerígena produzida por fungos. A tecnologia faz a detecção em apenas 30 minutos e seus insumos de produção são, em sua totalidade, nacionais, tornando-a mais barata do que o método laboratorial já utilizado. 

Essa inovação permite a detecção e quantificação desta toxina diretamente no campo. Antes, com as análises feitas em laboratório, os resultados demoravam até quatro dias para ficarem prontos. “A simplicidade, a rapidez e o baixo custo são úteis no monitoramento de toda a cadeia produtiva do café, agregando valor a esta commodity, com atendimento à legislação nacional e internacional e, além de tudo, garantindo a qualidade e a segurança alimentar dos consumidores”, ressalta o professor do Departamento de Morfologia da Ufes Jairo Oliveira, que participou da pesquisa.

Anúncio

A próxima etapa do projeto é produzir um dispositivo eletrônico que possa ser manuseado no campo, tendo a capacidade de fazer centenas ou milhares de leituras através dos resultados obtidos pelo biossensor. “É um dispositivo eletroquímico simples, muito parecido com um glicosímetro vendido nas farmácias para quantificação da glicose. Alguns microlitros da amostra (extrato do café) são colocados na superfície de um eletrodo em forma de chip, e, em seguida, este chip é colocado no dispositivo que faz a leitura e disponibiliza o resultado”, explica Oliveira. 

Anúncio

OCRATOXINA A – A OTA é um metabólito secundário produzido por várias espécies de fungos como Aspergillus e Penicillium. Ela é encontrada, geralmente, em cereais, café, vinho, frutas secas, cerveja e suco de uva. Seus efeitos são nefrotóxicos, imunotóxicos e teratogênicos, ou seja, causam danos aos rins, ao sistema nervoso central e podem apresentar riscos ao feto durante a gestação. 

A Agência Internacional de Pesquisa do Câncer classificou o metabólico como possível carcinógeno. Atualmente, o limite máximo tolerável (LMT) para sua presença em café torrado, moído ou solúvel é de 10 microgramas (µg) por quilo no Brasil, enquanto que na União Europeia (UE) o LMT é de 3 µg/kg. 

Como alguns dos principais compradores de café brasileiro fazem parte da UE, que sancionou legislações ligadas à quantidade de OTA presentes no produto, Oliveira acredita que o baixo custo e tempo são fatores favoráveis para a exportação que reassegura e agrega valor ao produto. 

PATENTE – Os valores para análises laboratoriais dos níveis de OTA nos grãos de café variam entre R$ 400 e R$ 600. “A equipe responsável pelo desenvolvimento do biossensor estima que uma análise utilizando a tecnologia ficaria entre 15% a 20% dos preços praticados atualmente, tendo, ainda, o diferencial do tempo de análise, que é, em média, de 20 minutos”, conta Oliveira. 

O pedido de patente já está em andamento com a equipe da Agência USP de Inovação (Auspin) por meio de um acordo de colaboração entre a Ufes e a USP. A pesquisa completa pode ser acessada neste link

O projeto foi financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 

Fonte: Ufes

Anúncio

Anúncio

Últimas notícias

Feira de Agronegócios Cooabriel 2024 acontecerá em julho

O evento é considerado o maior do agro no estado do Espírito Santo ...

Café canéfora tem zoneamento de risco climático atualizado

Foto: Humberto Franco O Zarc delimita regiões e épocas de cultivo em classes ...

Senar-ES quer fortalecer o agro em Santa Leopoldina

Contribuir para um cenário de crescente desenvolvimento da produção sustentável no Espírito Santo ...

Ales vai promover sessão em homenagem às mulheres cooperativistas

Foto: Freepik Reunião acontece na próxima semana. Pauta foi proposta pela Comissão Permanente ...

Brasil produziu quase 900 mil toneladas de peixes de cultivo

A piscicultura venceu adversidades e cresceu 3,1% Em 2023 O Brasil produziu 887.029 ...