Brasil ganha primeira usina solar construída a partir de moeda digital

Começou ontem (15), em Itaobim, Minas Gerais, a construção da primeira usina de energia solar do Brasil com financiamentos oriundos das taxas de transação de uma moeda digital, a EnyCoin (ENY). Com homologação dos órgãos competentes, o projeto da EnergyPay, cuja narrativa está toda concentrada no “E”, ou “ambiental”, do ESG (governança ambiental, social e corporativa), corresponde ao mais ambicioso empreendimento de energia fotovoltaica, integrada a tecnologia blockchain, da América do Sul, uma vez que a previsão é que se edifique outras 14 usinas solares, de 1 megawatt cada, até 2025.

A notícia vem em boa hora, afinal, essa é uma (se não a melhor) maneira de ajudar a alimentar e diversificar a matriz elétrica nacional, a fim de evitar apagões ou rodízios em tempos de escassez hídrica. Além de Minas Gerais, as obras serão realizadas, a princípio, na Bahia e no Rio de Janeiro – dois polos importantes na produção de energia renovável no país.

“Para a conquista da maior estrutura jurídica e de logística internacional do mercado, já foram aplicados mais de R$ 20 milhões nos últimos dois anos. E agora celebraremos o lançamento de nossa primeira usina de energia solar”, comemora Marcos Silva, CEO da EnergyPay, que auxiliou na inserção dos estados brasileiros na Pauta Internacional da Agenda 2030 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. “Eu dediquei a minha vida às iniciativas da ONU e órgãos governamentais, me preparando para mudar o mundo com um projeto ecoempreendedor como este”, afirma.

A primeira usina fotovoltaica do país tem previsão para ser entregue em dezembro de 2022, em um evento que terá, entre os destaques, uma ação social com repasse da arrecadação para pagamento da conta de luz de instituições beneficentes parceiras da EnergyPay.

A fintech surge como uma solução inovadora para a geração de energia renovável, através da “tokenização” dessas usinas solares. Na prática, funciona como se o custo das obras fosse dividido em diversas partes, com vários compradores de tokens.

Sendo assim, as usinas solares serão construídas em quatro etapas, da seguinte forma: a primeira fase diz respeito à taxa de transação, em que parte da porcentagem será destinada ao empreendimento; no estágio 2, de “tokenização”, os interessados podem comprar frações das usinas solares; depois, existe uma etapa dedicada aos compradores privados, em que os grupos receberão propostas diferenciadas para viabilizar as obras; e, por fim, a última fase é voltada ao reinvestimento sobre a produção, até que a meta de construção de 15 mw seja atingida. “Queremos deixar um legado no país e mostrar que o Brasil, além de ser uma potência no segmento de energia solar, é um exportador de soluções tecnológicas”, afirma Marcos Silva.

 Além de permitir a propagação da energia solar para residências, empresas e indústrias, com a “tokenização” de usinas fotovoltaicas, o comprador de ENY tem uma fração da empresa. Isso significa que ele pode ganhar tanto com a valorização do ativo financeiro, quanto com os percentuais da venda de energia.

Disponível na blockchain da Smart Chain, o token é utilizado através da tecnologia blockchain, o que garante total segurança e transparência nas transações. Por sua vez, a criptomoeda EnyCoin (ENY) é um ativo que representa uma geração renovável. Ou seja, sua compra e valorização estão incentivando a descarbonização, a mitigação do aquecimento global e a energia limpa no Brasil e no mundo.

CRISE ENERGÉTICA – Por causa da pior crise hídrica registrada nos últimos 91 anos, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) criou a “bandeira tarifária escassez hídrica” em setembro, aumentando em 7% as contas de luz de toda a população. Com isso, o preço da energia elétrica já subiu quase três vezes mais que a inflação ao longo dos primeiros oito meses de 2021.

Para reverter esse cenário, cada vez mais estão sendo implementadas alternativas no âmbito público e privado para diversificar a geração de energia em território nacional. Nos últimos três anos, o crescimento da energia solar centralizada (gerada por grandes usinas) foi de 200%. Segundo o Ministério de Minas e Energia, só em 2020, a capacidade instalada em energia solar fotovoltaica cresceu 66% no país.

Em setembro deste ano, o Brasil ficou entre os 15 primeiros colocados no mundial de energia solar, sendo o único país da América Latina no ranking, com 10 GW alcançados, o equivalente a mais de 70% da potência da usina hidrelétrica de Itaipu, segunda maior do mundo e maior da América Latina.

Em novembro, o país ultrapassou a marca histórica de 12 GW de capacidade instalada de energia solar em usinas de grande porte e em sistemas de pequeno a médio porte instalados em telhados, fachadas e terrenos. Essa quantidade de energia é suficiente para abastecer quatro milhões de residências com consumo médio de energia de 150 KWh (quilowatt/hora). Com o mercado aquecido, a estimativa é que haja mais de 24 bilhões de investimentos no setor de energia solar no país.

Fonte: Engenharia de Comunicação

Últimas notícias

Valor da contribuição mensal do MEI vai aumentar em fevereiro

Os microempreendedores individuais devem ficar atentos ao reajuste na contribuição mensal, que passa ...

Impacto ambiental urbano pode ser maior que do agro

O Brasil teve um ano de destaque no direito ambiental e terá que ...

Produção de café deve atingir 55,7 milhões de sacas na safra de 2022

Os produtores de café deverão colher a terceira maior safra do grão neste ...

Produtores celebram colheita e resultados da primeira safra de Uvas em Guarapari

Sandra Butke, em suas parreiras no início da produção. Para diversos produtores rurais ...

Ceasa-ES orienta produtores sobre armazenamento adequado de alimentos

A ação, que teve início na última quinta-feira (13) e tem previsão de ...