Café brasileiro terá destaque na maior rede de cafeterias da China

Foto: Divulgação

O café brasileiro será promovido pela maior rede de cafeterias da China, a Luckin Coffee. O vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin, assinou memorandos de entendimento para a promoção do produto brasileiro e que também determina a criação de um hub de inovação brasileira em Xangai. As duas iniciativas foram pela Agência Brasileira de Promoção à Exportação (ApexBrasil).

Anúncio

A Luckin Coffee, rede de café com mais de 16 mil lojas na China, é a principal importadora de café brasileiro no país. Por meio da parceria, a empresa se compromete a promover e comercializar ativamente o café brasileiro para seus clientes e parceiros. O acordo assinado prevê a compra de aproximadamente 120 mil toneladas de café brasileiro pela rede, no valor cerca de U$ 500 milhões.

Anúncio

“Em 2022, o Brasil exportou US$ 80 milhões em café e no ano passado, foram US$ 280 milhões, praticamente quatro vezes mais que no ano anterior. Agora, só neste contrato com a Luckin Coffee, estamos falando de meio milhão de dólares, o que demonstra que o Brasil, maior produtor e exportador de café do mundo, está abrindo mercados”, afirmou o vice-presidente.

O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, esteve presente no ato de assinatura e destacou que as novas perspectivas no comércio exterior geram oportunidades de emprego dentro do Brasil. Também foi pontuado pelo ministro que a produção brasileira de café vive em transformação, com foco cada vez maior na sustentabilidade. “O café é um dos destaques da produção brasileira. Vive um ciclo de renovação de melhoria, de qualidade, de sustentabilidade. Que isso se torne oportunidade”, disse Fávaro.

O presidente da Agência Brasileira de Promoção a Exportação (ApexBrasil), Jorge Viana, destacou que o acordo de hoje é fruto do trabalho da agência por meio de programas como o ExportaMaisBrasil, ExportaMaisAmazônia e ExportaMaisNordeste.

Alckmin também lembrou o valor social da bebida mais consumida no mundo depois da água. “O café é uma alternativa para o pequeno produtor, pois não é preciso ter milhares de hectares para produzir café, que é uma boa alternativa de renda para a agricultura familiar e o pequeno produtor de café orgânico. Este é um bom caminho, pois tem importância econômica e, também, social”.

Fonte: Mapa e MIDC

Anúncio

Anúncio

Últimas notícias

Campeonato Brasileiro de Blends de Café será realizado no São Paulo Coffee Festival

Foto: Freepik A Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) realizará a etapa ...

Equipes coletam dados para nova pesquisa da Conab da safra brasileira de grãos

Foto: iStock Farmer handful of harvested corn kernels from the heap loaded into ...

Comidas típicas da festa junina contam com 36% de impostos no preço final

Foto: Julio Huber A chegada das festas juninas costuma ser motivo de alegria ...

Capixaba é eleito o melhor criador e expositor na Megaleite 2024 na categoria CCG 1/2 Hol + 1/2 Gir

Encerrada a 19ª edição da Megaleite no último sábado (15), a Associação Brasileira ...

Equipamento promete secagem de cafés especiais em menos de 24 horas

Tecnologia desenvolvida pela Dryeration, foi testada e aprovada por produtores da Alta Mogiana ...