Cafeicultura brasileira terá o menor juro de toda historia

Alinhamento da cadeia permitiu recomendação para redução da taxa a até 5,25% a produtores e cooperativas, abaixo do Plano Safra

O Conselho Nacional do Café (CNC) organizou uma reunião virtual de alinhamento com a cadeia produtiva da cafeicultura. Diante do atual cenário econômico impactado pela pandemia do novo coronavírus e do nível da taxa Selic, as lideranças do setor foram unânimes em propor a redução dos juros do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) já para a safra atual, com o objetivo de manter a atratividade para agentes e tomadores.

“A proposta estruturada pelos segmentos implica juros máximos de até 5,25% para produtores e cooperativas de produção, abaixo dos 6% das linhas do Plano Safra. Isso será possível por meio da redução da remuneração do Funcafé a 2,25%, mesmo nível da Selic, mais spread bancário flexível de 0% até 3%”, explica o presidente do CNC, Silas Brasileiro.

Segundo ele, os juros para industriais e exportadores também tiveram proposta para redução, para o máximo de 6,75%. “As indústrias e o comércio contarão com uma taxa muito competitiva, já que a remuneração de 2,25% do Fundo é válida para as linhas de aquisição de café (FAC) e capital de giro. O spread permanece flexível entre 0% e 4,5%”, completa.

Na safra 2020, a taxa máxima atual para cooperativas e produtores é de até 6% (3% para o Fundo e 3% de margem aos agentes) e, para indústrias e exportadores, de até 7,5% (3% ao Funcafé e até 4,5% de spread).

A sugestão de redução dos juros foi apresentada pelo setor ao governo federal também na terça-feira, durante a reunião do Comitê Técnico do Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC), a primeira coordenada pelo novo secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), César Halum.

“A sinalização foi muito positiva à nossa proposta por parte do secretário Halum e de sua equipe, que vêm tendo uma conduta excelente na estruturação de uma política pública para o café. Com a nossa sinergia e a objetividade do governo, vamos obter a menor taxa de juro da história para a cafeicultura, beneficiando, principalmente, o produtor”, destaca.

Com a possibilidade de negociar o spread com as instituições financeiras, o presidente do CNC recorda que os tomadores poderão ter juros abaixo de 5,25% ao ano nos empréstimos do Funcafé. “Os juros máximos propostos são de até 5,25% e 6,75%, conforme as linhas de financiamento, mas produtores, cooperativas, exportadores e industriais têm a possibilidade de negociar a margem com os agentes”, explica.

Brasileiro anota que a sugestão de corte nas taxas foi encaminhada à área econômica do governo, que também já deu sinais positivos para atender à demanda.

“A redução permitirá a otimização na aplicação dos recursos do Funcafé e beneficiará, principalmente, os cafeicultores do Brasil, mantendo a essência do Fundo, que é fomentar a cadeia produtiva, principalmente os nossos produtores, diante das dificuldades impostas pela pandemia da Covid-19 e seus impactos no cenário macroeconômico”, conclui.

REPASSE A AGENTES – Os bancos ABC Brasil e BMG receberam, juntos, R$ 413,6 milhões do Funcafé, por meio de contratos assinados com o Ministério da Agricultura. Até o momento, o Fundo já encaminhou R$ 4,046 bilhões a 23 instituições financeiras.

PAGAMENTO À OIC – Durante a reunião do Comitê Técnico do CDPC, o secretário Halum manifestou que vem se esforçando para o Brasil honrar o pagamento de suas anuidades à Organização Internacional do Café (OIC). “Esse é um pleito da cadeia produtiva para que o país, maior produtor mundial, possa se manter no organismo, com seus direitos a voz e voto, e contribuir para o equilíbrio e à sustentabilidade da cafeicultura mundial”, informa Brasileiro.

O presidente do CNC cita que a postura adotada pelo novo secretário vem ao encontro da coesão de pensamento existente entre os representantes do setor privado. “Ver que a gestão pública está alinhada aos pleitos da cadeia produtiva nos passa a segurança que nossa atividade segue em excelentes mãos, sob a condução de Halum, de todo o staff do Mapa, capitaneado pela ministra Tereza Cristina, e do governo federal como um todo”, encerra.

Fonte: CNC

Últimas notícias

Pesquisadores elaboram dicionário das características sensoriais do chá-mate

Grupo avaliou amostras de chá de diferentes regiões do Brasil para definir 39 ...

Índia estabelece novas exigências para importação de 24 produtos vegetais

A exportação deve estar acompanhada por certificado oficial, atestando que os produtos não ...

Rota marítima pelo Pacífico pode reduzir custos de frete

Os agricultores que utilizam os portos do Arco Norte podem obter redução de ...

Região de Poços de Caldas investe em marca coletiva de café vulcânico

Poços de Caldas, no Sul de Minas, é destino de muitos turistas atraídos ...

Marco Legal das Startups é aprovado no Senado

Em 2021, a relação entre cooperativas e startups pode ser ainda mais estimulada ...