Calcário impulsiona produtividade em áreas de integração lavoura-pecuária

Dono do maior rebanho bovino do Brasil, com 31,7 milhões de cabeças (14,8% do total nacional), Mato Grosso segue posicionado no cenário brasileiro como Estado de grande potencial de crescimento no ambiente do agronegócio. Fundamentais ao setor, investimentos em pesquisa, tecnologia e insumos de alta qualidade permanecem na pauta prioritária dos agropecuaristas. Neste contexto, a valorização da calagem nas áreas dedicadas ao sistema de integração lavoura-pecuária tem se mostrado eficaz medida em prol do ganho de produtividade e à conservação do solo.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 214,7 milhões de cabeças de gado conferem ao Brasil o segundo maior rebanho bovino do mundo, sendo o principal exportador da carne. No entanto, mesmo com a importância mundial da pecuária brasileira, cerca de 11 milhões de hectares de pasto estão em más condições, ainda conforme o Instituto.

O cenário deriva de diversos fatores, dentre os quais a retirada total da cobertura vegetal das áreas produtivas, a insuficiente fertilidade do solo e o “superpastejo”, processo em que o número de animais é superior à capacidade de suporte do pasto, o que leva à redução da rebrota e da cobertura do solo, aumentando a incidência de radiação e erosão.

“Muitas vezes, o produtor rural investe nos animais, mas subdimensiona os cuidados com o pasto. Essa conduta coloca em risco o rebanho em períodos de seca, quando não há chuvas. Caso não haja uma diversificação na alimentação do animal, o risco de perdas torna-se maior”, explica Anderson Lange, professor doutor em Energia Nuclear da Agricultura na área de Solos e pesquisador pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Além disso, o pesquisador reforça que a inadequada utilização das pastagens e a falta de investimento no solo são fatores que influenciam diretamente o não aproveitamento efetivo da área.

TRANSFORMAÇÕES – Região onde há mais animais disponíveis no estado, as pastagens do norte mato-grossense, em período de seca, são caracterizadas em sua maioria por áreas planas, passíveis de lavoura e da integração. Isso influencia em um cenário que está se tornando cada vez mais frequente em Mato Grosso: a conversão de áreas antigas de pastagens em lavoura, com a possibilidade do uso da integração lavoura-pecuária em larga escala. Tal prática gera a chamada “terceira safra” de carne (duas safras de grãos + produção pecuária) e proporciona aproveitamento permanente do solo, além das vantagens que os capins trazem ao sistema como um todo, melhorando o perfil do solo química e fisicamente.

E para que tudo isso aconteça, a manutenção e melhoria das condições do solo, defende Lange, está diretamente ligada à larga utilização do calcário no preparo para o plantio da lavoura, visto que ela estará em área de pastagem antiga. O pesquisador observa, no entanto, ocorrer de o produtor rural estar descapitalizado, pois o preço de abertura de área é alto. Isso acaba refletindo na construção do perfil de solo e na correção da acidez. “Geralmente, nesses casos, as doses de calcário são inadequadas em relação às características do solo e a incorporação do insumo acaba não sendo efetuada com assertividade”, pontua.

A calagem, bem como a fertilização, se efetuadas de maneira adequada, as culturas soja/milho, bem como capim/gramíneas, terão produtividade elevada. É fundamental para o produtor rural compreender os custos como investimentos que, em longo prazo, se converterão em lucratividade e maior performance do sistema agropecuário.

Além da correção, a técnica permite ao solo o aumento da disponibilidade de nutrientes, redução do alumínio em excesso, diminuição da fixação de fósforo, além de aumentar o pH, a eficiência dos fertilizantes e a produtividade nas culturas. “Além disso, a incorporação de calcário ao solo beneficia o fornecimento de cálcio e magnésio, elementos responsáveis pelo vigor da planta e crescimento da raiz, o que auxilia a busca por água e nutrientes em profundidade”, ressalta Anderson Lange.

Reconhecidamente pela ciência, tanto a agricultura quanto a pecuária se beneficiarão com a calagem no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária. O pastejo melhora a movimentação vertical de calcário, aperfeiçoando o desenvolvimento do perfil do solo e a disponibilidade de Ca e Mg, que resulta na fixação das raízes em profundidade. Já as gramíneas interferem positivamente na cultura de grãos, com a ciclagem de nutrientes, manutenção de água no sistema, na germinação da soja, reduz pragas e doenças e proporciona equilíbrio ao sistema. “Com isso, as condições físicas e biológicas do solo agradecem”.

Texto: Fabíola Karen/Íntegra Comunicação Estratégica

Últimas notícias

Preço do leite ao produtor sobe, mas custos de produção reduzem margens

O preço do leite recebido pelo produtor manteve a tendência de alta no ...

Estimativa de safra de café é reduzida pela Conab e próxima colheita preocupa

Foto: Julio Huber O país deverá produzir aproximadamente 46,9 milhões de sacas de ...

Deflagrada nova edição da Operação Mata Atlântica em Pé

Teve início ontem (20), a Operação Mata Atlântica em Pé, iniciativa voltada ao ...

Cursos de tratorista e cultivo de cacau exclusivos para mulheres

Registro de ação do projeto “Mulheres do Cacau” com produtoras rurais As mulheres estão ...

Mapa destrói 58 mil garrafas de azeite de oliva fraudado

Foi a maior apreensão já realizada pelo Ministério da Agricultura no país desde ...