Cena rara de onça-pintada e filhote é registrada na Mata Atlântica

O registro de uma onça-pintada com seu filhote chamou a atenção de pesquisadores do Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar. As raras imagens captadas no trecho paranaense da Serra do Mar são resultado de um monitoramento que a equipe conduz em 17 mil quilômetros quadrados de Mata Atlântica entre os estados de São Paulo e Paraná.

A área integra a Grande Reserva Mata Atlântica, o maior remanescente contínuo do bioma no Brasil e que reúne inúmeros atrativos turísticos históricos, culturais e de natureza. A onça-pintada (Panthera onca) é o maior felino das Américas e o terceiro do mundo, classificada na Mata Atlântica como criticamente em perigo por já ter perdido 85% de seu habitat.

“O filhote, que segue a mãe no vídeo, parece já ser mais velho. Segundo pesquisas, eles acompanham a mãe até os dois anos de vida”, explica o biólogo Roberto Fusco, responsável técnico do programa. “Com toda a pressão que a Mata Atlântica vem sofrendo com desmatamentos, mudanças climáticas e caça ilegal, este registro é super importante. Indica que a região apresenta condições saudáveis, permitindo não só a sobrevivência da espécie na área, mas também a reprodução.”

Pesando entre 60 e 160 quilos, a onça-pintada é uma das espécies-símbolo do Brasil, ilustrando, inclusive, a cédula de 50 reais. Apesar disso, corre sério risco de desaparecer na Mata Atlântica, onde estima-se que o número seja inferior a 300 indivíduos.

O Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar monitora a onça-pintada, a anta (Tapirus terrestris) e o queixada (Tayassu pecari) em uma área de Mata Atlântica equivalente a 11 cidades de São Paulo para gerar informações para planejamento de conservação e ajuda a criar estratégias mais efetivas para proteção e recuperação das populações desses animais. O pesquisador explica que por ser um animal que está no topo da cadeia alimentar e precisar de grandes áreas preservadas para sobreviver, a onça desempenha importante papel no equilíbrio dos ecossistemas.

“A preocupação é pela viabilidade das espécies a longo prazo, que já estão ameaçadas de extinção. Grandes mamíferos são extremamente vulneráveis à perda de habitat e à pressão de caça, sendo os primeiros a desaparecerem, o que pode gerar um enorme impacto. O desaparecimento da onça, por exemplo, pode gerar impacto em todo o ecossistema, por meio de um efeito cascata, que começa com o aumento de suas presas, geralmente herbívoros, que por sua vez impactam a composição e estrutura da vegetação.Essa bagunça no ecossistema pode trazer efeitos imprevisíveis, como a perda de biodiversidade, alteração na composição do solo, aumento de espécies exóticas e até mesmo liberar patógenos que afetam a saúde humana”, explica Fusco, que também é membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN).

Para Marion Silva, gerente de Ciência e Conservação da Fundação Grupo Boticário, uma das organizações apoiadoras do programa, o registro reforça a importância de projetos e pesquisas que contribuam com a conservação dos habitats de espécies ameaçadas de extinção. “A pesquisa científica tem demonstrado a relação direta entre estes dois processos. Além disso, a natureza preservada oferece oportunidades de negócios sustentáveis, como a observação de fauna, que dão alternativas socioeconômicas à população local”, afirma.

CARACTERÍSTICAS – Originalmente, a onça-pintada era encontrada desde o sudoeste dos Estados Unidos até o centro-sul da Argentina e Uruguai, habitando diferentes tipos de ambientes, como florestas tropicais e subtropicais até regiões semidesérticas.

Devido à perda de habitat por ações realizadas pelo homem, atualmente é considerada extinta nos EUA, se restringindo às planícies costeiras do México, países da América Central (com exceção de El Salvador) e na América do Sul (exceto Uruguai). No Brasil, ela originalmente ocupava todos os biomas, mas não há mais relatos da espécie na região do Pampa.

O animal geralmente evita locais com atividades humanas. As onças podem ser ativas durante o dia e à noite, mas têm hábitos solitários. Se alimentam de vertebrados de médio e grande porte, como anta, porco-do-mato, veado, tamanduá, capivara, jacaré e quati. Machos e fêmeas encontram-se apenas no período reprodutivo, gerando em média dois filhotes por ciclo gestacional.

O Programa de Monitoramento e Conservação de Grandes Mamíferos na Grande Reserva Mata Atlântica é uma iniciativa idealizada por pesquisadores do Instituto Manacá e do Instituto de Pesquisas Cananéia (IPeC). O objetivo é implementar o monitoramento de grandes mamíferos em larga escala, promovendo uma agenda territorial integrada nas ações de proteção e manejo das espécies, assim como sensibilizar a sociedade civil da importância da região para a conservação da vida selvagem. São monitorados 17 mil quilômetros quadrados nos estados de São Paulo e Paraná – uma área equivalente a 11 cidades de São Paulo.

Fonte: Fundação Grupo Boticário

Últimas notícias

Valor da contribuição mensal do MEI vai aumentar em fevereiro

Os microempreendedores individuais devem ficar atentos ao reajuste na contribuição mensal, que passa ...

Impacto ambiental urbano pode ser maior que do agro

O Brasil teve um ano de destaque no direito ambiental e terá que ...

Produção de café deve atingir 55,7 milhões de sacas na safra de 2022

Os produtores de café deverão colher a terceira maior safra do grão neste ...

Produtores celebram colheita e resultados da primeira safra de Uvas em Guarapari

Sandra Butke, em suas parreiras no início da produção. Para diversos produtores rurais ...

Ceasa-ES orienta produtores sobre armazenamento adequado de alimentos

A ação, que teve início na última quinta-feira (13) e tem previsão de ...