CNC atua para preservar Funcafé

Conselho contatou novos presidentes da Câmara, Senado e FPA e demais parlamentares para que Fundo mantenha finalidade de financiar a atividade

Com a eleição dos presidentes da Câmara e do Senado e o consequente início das atividades legislativas em 2021, o Conselho Nacional do Café (CNC) se articulou junto aos novos comandantes das casas, deputado Arthur Lira e senador Rodrigo Pacheco, ao novo presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Sergio Souza, aos demais parlamentares do Congresso e à Presidência da República para intensificar seu trabalho de preservação do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé).

Em contato com os parlamentares e governantes, o CNC solicitou apoio para que os cafeicultores e suas cooperativas de produção possam continuar se beneficiando do único instrumento de crédito e fomento exclusivo à atividade cafeeira.

“Dentre as pautas legislativas que impactam a cafeicultura e, mais especificamente, o Funcafé, estão as Propostas de Emenda à Constituição números 186, 187 e 188. Em relação à PEC 187/2019, destacamos a importância da manutenção do texto aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado, em março de 2020, que preserva o Fundo”, contou Silas Brasileiro, presidente da entidade.

No que se refere às PECs Emergencial (186/2019) e do Pacto Federativo (188/2019), completou, “é fundamental a eliminação dos dispositivos que abrem a possibilidade de desvio dos superávits anuais do Funcafé para amortização da dívida pública federal, o que é inconcebível, visto que o Fundo, conforme sua legislação, tem como finalidade única e só pode ser usado para financiar a cafeicultura brasileira, sendo imprescindível à política de renda ao setor”.

O presidente do CNC recorda que o Funcafé foi constituído com recursos confiscados dos próprios cafeicultores e, atualmente, é o principal instrumento de crédito rural exclusivo à cafeicultura. “É bom destacar que o nosso Fundo não é e nunca foi realimentado com recursos do Tesouro Nacional, não gerando, portanto, ônus para o Governo”, argumentou.

Brasileiro explica que o Conselho será sempre defensor da preservação dos recursos do Funcafé exclusivamente à cafeicultura devido à importância econômica e social que a atividade tem ao País.

“O café é o esteio do desenvolvimento de 1.983 municípios no Brasil, sendo cultivado por 308 mil produtores rurais, dos quais 78% são da agricultura familiar. A atividade gera 8,4 milhões de empregos ao ano, aproximadamente R$ 35 bilhões de renda no campo, além de receita cambial da ordem de US$ 5,6 bilhões ao nosso país”, concluiu.

Fonte: CNC

Últimas notícias

Avicultura do Mato Groso renova seguro pioneiro no Brasil

Foto: Julio Huber A Associação Matogrossense de Avicultura (AMAV-MT) renovou seguro avícola do ...

Pesquisadores elaboram dicionário das características sensoriais do chá-mate

Grupo avaliou amostras de chá de diferentes regiões do Brasil para definir 39 ...

Índia estabelece novas exigências para importação de 24 produtos vegetais

A exportação deve estar acompanhada por certificado oficial, atestando que os produtos não ...

Rota marítima pelo Pacífico pode reduzir custos de frete

Os agricultores que utilizam os portos do Arco Norte podem obter redução de ...

Região de Poços de Caldas investe em marca coletiva de café vulcânico

Poços de Caldas, no Sul de Minas, é destino de muitos turistas atraídos ...