CNC mantém trabalho para alavancar consumo global de café

O Conselho Nacional do Café (CNC) participa ativamente da Força-Tarefa Público-Privada do Café (FTPPC), a mais nova instância de trabalho da Organização Internacional do Café (OIC).

Como membro de três grupos de trabalho (Transparência de Mercado; Produção, Fornecimento e Consumo Sustentável e Renda Próspera e de Bem-Estar), a entidade tem influenciado a construção do posicionamento brasileiro sobre temas sensíveis e com grande potencial de impactar o dia a dia de nossos cafeicultores.

Dentro da OIC, o CNC possui uma agenda propositiva voltada ao aumento do consumo global de café e ao aprimoramento das estatísticas. “Desde a instalação da Força-Tarefa, observamos um ganho de agilidade e aumento da participação do setor privado na Organização, entretanto, também estamos atentos à internalização de algumas pautas irracionais, que visam à premiação de ineficiências”, alerta o presidente do Conselho, Silas Brasileiro.

Um exemplo é a pauta da diversidade de origens, com algumas proposições que visam ao constrangimento de torrefadores internacionais para aumentarem suas compras de países produtores, com menor nível de eficiência, em detrimento de Brasil e Vietnã.

Em contato estreito com a Representação dos Organismos Internacionais Sediados em Londres (Rebraslon), a adidância agrícola do Brasil e com as demais representações do setor privado do Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC), o CNC conseguiu evitar o avanço dessa pauta.

“Somente com investimentos em pesquisa, tecnologias e assistência técnica, a exemplo do que o Brasil tem feito, haverá melhoria na condição de vida dos cafeicultores e uma produção global sustentável. Atalhos para essa realidade nos parecem tentativas de intervir no livre mercado, uma atitude que não cabe à OIC”, argumenta Brasileiro.

Conforme ele, outra importante conquista foi a inclusão de um pilar de trabalho específico, na FTPPC, para a promoção do consumo de café, com foco nos países produtores e mercados asiáticos. “A atuação do CNC, em defesa do equilíbrio entre oferta e demanda, foi fundamental para a revisão da agenda proposta por ONGs, que visavam apenas à expansão da produção de café”, informa.

O presidente revela que, com base na argumentação do CNC, a revisão e a implantação do Guia da OIC para a Promoção do Consumo Doméstico de Café também será uma prioridade. Essa metodologia também poderá ser aplicada nos países asiáticos, onde o potencial de crescimento do consumo é enorme.

“Como sempre defendemos nas reuniões da OIC, o aumento do consumo global de café deve ser uma política prioritária, pois beneficia todos os países e possibilita o alcance de preços remuneradores aos cafeicultores das mais diversas origens produtoras”, conclui o presidente do CNC.

Fonte: CNC

Últimas notícias

Evento discute o futuro da produção de alimentos e do agronegócio no país até 2050

“Agronegócio, pesquisa e inovação no Brasil – caminhos para o futuro da produção ...

Perspectivas do mercado de grãos no Espírito Santo serão debatidas na próxima semana

Iniciando o calendário de capacitações e qualificações para seus parceiros e associados em ...

Sistemas de recirculação de água podem ser usados para produzir peixes em nível comercial

Foto: PqC. Eduardo Medeiros Pesquisas realizadas pelo Instituto de Pesca (IP-APTA), da Secretaria ...

Fungo inédito no inhame e na samambaia é descoberto por pesquisadores

Um novo fungo que acomete o inhame e a samambaia preta foi encontrado, pela primeira ...

Como os insetos dão pistas aos peritos na cena do crime

Embora a visão de larvas em um cadáver não seja agradável, elas podem ...