Colheita seletiva do café é facilitada com mecanização

Aproximando-se o período de colheita do café é importante destacar que a colheita seletiva dos frutos pode ser muito facilitada e mais econômica, quando realizada mecanicamente.

A colheita seletiva do café é relevante, pois visa colher o máximo de frutos maduros e o mínimo de verdes, para, com isso, obter o maior rendimento de grãos e, ainda, resultar n’uma melhor qualidade dos cafés.

Tradicionalmente, a colheita de café no Brasil vem sendo feita por derriça, manual ou mecanizada, com uma só passada, o que reduz os custos da operação. A colheita manual seletiva é pouco praticada no país, diferentemente do que ocorre na Colômbia e América Central, onde são realizadas 10-15 passadas por ano, coletando frutos maduros na lavoura.

Nas condições da cafeicultura brasileira ocorre um período frio e seco no inverno, induzindo floradas mais concentradas, na retomada das chuvas. Mesmo assim, na época da colheita, a presença de diversos estágios de maturação dos frutos dificulta a operação. Se efetuada muito cedo a colheita vai resultar muito café verde e se tardia haverá boa parcela de frutos secos e, já, maior quantidade caída no chão.

A colheita seletiva feita manualmente fica muito onerosa e só seria indicada em caso de produção de cafés especiais, ou em lavouras novas, de 1ª e 2ª safras, onde ainda é mais fácil. Já, na colheita mecanizada, tem sido viabilizado o uso da máquina, em 2-3 passadas, com bons resultados na obtenção de pequena parcela de frutos verdes. Também é possível a colheita seletiva com uso da derriçadeira motorizada, de operação manual, embora essa alternativa venha sendo muito pouco usada. Em ambos os casos, a operação deve ser feita de forma mais leve em cada passada, principalmente na primeira.

No caso da colhedeira mecanizada, automotriz ou tracionada, a colheita seletiva consiste em passar a colhedeira, na primeira passada, na condição que ainda possa existir cerca de 50% de frutos verdes e, normalmente, cerca de 30 dias após, observando antes como está a maturação na lavoura, faz-se a segunda e existem alguns produtores que chegam a fazer a terceira. Quanto à regulagem da máquina existem, também, alternativas. Ou se emprega uma boa vibração e opera-se com velocidade maior, de cerca de 1600 m por hora, nas duas passadas, ou se coloca uma vibração um pouco menor na primeira e opera-se com velocidade menor, de cerca de 800-1000 m por hora. Isto é uma indicação, mas, na prática, o ideal é fazer um teste prévio, para ver como, naquela área específica, está rendendo em quantidade derriçada e como está a composição da maturação dos frutos. Também é indicado deixar o freio da máquina um pouco mais solto nessa colheita seletiva

Resta destacar que a colheita mecanizada seletiva é mais viável e adequada ao cafeicultor que possua seu próprio maquinário, já que máquinas de aluguel dificultam em termos de logística, porém, tratando-se de aluguel em um maior período, também é possível.

Fonte: Fundação Procafé (Por J.B. Matiello – Eng Agr Fundação Procafé e J. R. Dias, Lucas Franco e Hernane de Souza – Engs Agrs Fazendas Sertãozinho e Vanderlei Silva – Tec Agr Fda Vista Bela)

Últimas notícias

Países produtores mundiais de café se reúnem em defesa da produção contra restrições da União Europeia

Os produtores mundiais de café estão preocupados com a proposta de legislação apresentada ...

Recursos do Pronaf no Plano Safra irão aumentar em 12%

Foto: Divulgação/MAPA Em virtude da forte demanda por financiamentos de custeio no Pronaf, ...

Conab estima safra recorde para milho 2ª safra com produção superior a 87 milhões de toneladas

Foto: iStock Os produtores de milho deverão colher na segunda safra do cereal ...

Café regenerativo do Cerrado será lançado no próximo sábado em Minas Gerais

Foto: Guima Café O Guima Café, marca de café especial do Grupo BMG, ...

Festuris Gramado terá participação da Argentina

Foto: Divulgação/Festuris Com o retorno frenético do mercado turístico, as viagens, inclusive internacionais, ...