Confira orientações para a colheita do café

Cafeicultor deve se planejar e estar atento à maturação dos frutos

O mês de maio marca o início do período da colheita do café nas principais regiões produtoras. Esta fase que pode se estender até meados de julho ou começo de agosto, requer atenção e planejamento por parte dos produtores. A pesquisadora da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) Vanessa Figueiredo destaca que no momento da colheita, é preciso que a planta esteja com, aproximadamente, 80% dos frutos maduros.

“Neste ano, temos observado uma maturação mais adiantada na maioria das propriedades. Nesta situação, é importante que o cafeicultor verifique as lavouras e identifique os talhões que estão mais adiantados (e os mais atrasados), para programar e fazer o escalonamento da colheita. Dando prioridade para as cultivares que tenham uma maturação mais precoce, como aquelas dos grupos Acaiá e Mundo Novo”.

Anúncio

A pesquisadora acrescenta que é preciso ter atenção também às lavouras mais novas e para aquelas que precisarão de poda, para não atrasar esta atividade. Outra ação importante é a retirada de todo o mato nas ruas do café (capina mecânica ou química), para que a lavoura fique “no limpo”. Além disso, o produtor pode realizar a arruação, que é a retirada do “cisco” (folhas mortas, galhos e resíduos orgânicos) que fica sob a saia do cafeeiro.

Anúncio

“É muito importante que a lavoura esteja extremamente limpa antes da colheita, assim, os frutos que caírem na terra não vão comprometer a qualidade final do grão. A arruação tem seus prós e contras. O cisco também pode ser benigno, por acumular umidade e liberar nutrientes para o solo. Então, caso opte por realizá-la o  produtor deve fazer de maneira mais leve, tomando cuidado para não danificar as raízes das plantas no processo”, informa a pesquisadora.

Outro ponto de atenção diz respeito à manutenção dos equipamentos que serão utilizados durante a colheita. “É fundamental que todo o maquinário esteja devidamente revisado e com a manutenção em dia, para que o produtor não tenha que lidar com nenhum imprevisto que possa atrasar o seu cronograma”, orienta Vanessa.

Na pós-colheita é preciso preparar e limpar o terreiro para a secagem dos grãos e as tulhas onde o café será armazenado. “Ao longo do ano o terreiro é utilizado para outras atividades, então deve ser varrido, lavado e cercado, se houver necessidade”, aconselha a pesquisadora, que também alerta para a verificação da condição de estradas e carreadores.

Finalizando, Vanessa Figueiredo recomenda cuidado com as plantas e com o solo. “Nós estamos na safra de 2024, mas não podemos esquecer que as plantas já estão com um crescimento de ramos para produzirem em 2025, é importante cuidar para que elas estraguem o menos possível. Como último lembrete, queria comentar sobre as análises de solo. Aqueles produtores que fizeram a última adubação a mais de 30 dias devem aproveitar para retirar as amostras de solo, antes de iniciar a colheita. Nessa época os laboratórios estão vazios, tudo flui com mais tranquilidade”, conclui.

Fonte: Epamig

Anúncio

Anúncio

Últimas notícias

62% dos navios para exportação de café registram atrasos em junho

De acordo com um levantamento do Cecafé, realizado com exportadores responsáveis por 77% ...

Banestes disponibiliza R$ 1 bilhão para o Plano Safra 2024/2025

Foto: Divulgação O Banco do Estado do Espírito Santo (Banestes) anunciou, na manhã ...

Saiba como é a produção de mudas in vitro

Está disponível no canal do YouTube do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica ...

Concurso irá premiar as 10 melhores fotos e vídeos das montanhas capixabas

Foto: Gabriel Lordello/Mosaico Imagem Chegou a hora de revelar os segredos mais bem ...

Cafeicultura sustentável torna Seguro Rural mais barato

Foto: NKG-Stockler Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), o Conselho Nacional do Café ...