Consultoria vai apontar ações para alavancar o consumo de café

O Conselho Nacional do Café (CNC), como integrante da delegação brasileira junto à Organização Internacional do Café (OIC), intensificou seu posicionamento para que a entidade tenha maior foco de atuação na promoção do consumo da bebida, principalmente nos países produtores e mercados emergentes.

“Preços remuneradores somente são alcançados quando existe o equilíbrio entre oferta e demanda. Trabalhar o aumento do consumo de café de forma permanente, para evitar a formação de excedentes que aviltam a renda dos cafeicultores, é uma política global que beneficia todas as regiões produtoras do mundo”, explica o presidente da entidade, Silas Brasileiro.

Em linha com o posicionamento do CNC, o Conselho Internacional do Café aprovou, em sua 127ª sessão, nos dias 10 e 11 de setembro, um termo de referência para contratação de consultoria que visa a atualizar o Guia Detalhado da OIC para Promoção do Consumo de Café nos Países Produtores.

Segundo o trabalho estatístico da OIC, o consumo per capita de café nas nações exportadoras é baixo, com exceção ao Brasil, onde atinge 6,3 kg/habitante/ano. Na Colômbia e na Etiópia, importantes origens que se situam no grupo com números mais altos de consumo per capita após o Brasil, esse número é de apenas 2 kg/habitante/ano.

Considerando essas informações, o presidente do CNC avalia que disponibilizar ferramentas para que os governos, com o envolvimento de suas cadeias produtivas, estimulem o aumento do consumo doméstico deve ser uma bandeira prioritária da Organização, pois já existem diversos planos e incentivos para o aumento da produção.

“Vemos o exemplo de Uganda, onde o governo já anunciou um plano para aumentar a produção dos atuais 4,7 milhões de sacas para 20 milhões até 2025. Para tanto, o sindicato do setor tem estimulado a adoção dos espaçamentos utilizados no Brasil, visando adensar o parque cafeeiro de robusta e aumentar a produtividade. É fundamental, contudo, que iniciativas como essa também sejam acompanhadas de ações para o aumento do consumo naquele país, que hoje é de apenas 0,3 kg/habitante ano”, pondera.

O trabalho de consultoria aprovado envolverá a elaboração de um conjunto de ferramentas para desenvolver o mercado cafeeiro nos países produtores, concentrando-se em intervenções que estimulem a demanda por café e beneficiem toda a cadeia produtiva, de cafeicultores a consumidores, e que levem em conta diversos elementos e tendências emergentes, considerando as especificidades sociais e econômicas de cada país.

Fonte: CNC

Últimas notícias

Nova instrução normativa de bem-estar animal nas granjas brasileiras é tema de evento on-line

A nova instrução normativa (IN 113/2020) que visa as adequações de manejo e ...

Líbia prepara primeira exposição focada em cafés

Evento reunirá produtores, vendedores, representantes de marcas nacionais e regionais, além dos amantes ...

Jerônimo Monteiro realiza primeira Mostra de Café Especial

O município de Jerônimo Monteiro vai realizar a 1ª Mostra de Café Especial. ...

Tradição familiar no agronegócio em evidência na Praça do Papa

A tradição familiar marca o agronegócio capixaba, que, segundo dados do Governo do ...

Ação de fiscalização do Mapa apreende 173 mil litros de bebidas com indícios de fraude

Uma ação de fiscalização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) resultou ...