Consultoria vai apontar ações para alavancar o consumo de café

O Conselho Nacional do Café (CNC), como integrante da delegação brasileira junto à Organização Internacional do Café (OIC), intensificou seu posicionamento para que a entidade tenha maior foco de atuação na promoção do consumo da bebida, principalmente nos países produtores e mercados emergentes.

“Preços remuneradores somente são alcançados quando existe o equilíbrio entre oferta e demanda. Trabalhar o aumento do consumo de café de forma permanente, para evitar a formação de excedentes que aviltam a renda dos cafeicultores, é uma política global que beneficia todas as regiões produtoras do mundo”, explica o presidente da entidade, Silas Brasileiro.

Em linha com o posicionamento do CNC, o Conselho Internacional do Café aprovou, em sua 127ª sessão, nos dias 10 e 11 de setembro, um termo de referência para contratação de consultoria que visa a atualizar o Guia Detalhado da OIC para Promoção do Consumo de Café nos Países Produtores.

Segundo o trabalho estatístico da OIC, o consumo per capita de café nas nações exportadoras é baixo, com exceção ao Brasil, onde atinge 6,3 kg/habitante/ano. Na Colômbia e na Etiópia, importantes origens que se situam no grupo com números mais altos de consumo per capita após o Brasil, esse número é de apenas 2 kg/habitante/ano.

Considerando essas informações, o presidente do CNC avalia que disponibilizar ferramentas para que os governos, com o envolvimento de suas cadeias produtivas, estimulem o aumento do consumo doméstico deve ser uma bandeira prioritária da Organização, pois já existem diversos planos e incentivos para o aumento da produção.

“Vemos o exemplo de Uganda, onde o governo já anunciou um plano para aumentar a produção dos atuais 4,7 milhões de sacas para 20 milhões até 2025. Para tanto, o sindicato do setor tem estimulado a adoção dos espaçamentos utilizados no Brasil, visando adensar o parque cafeeiro de robusta e aumentar a produtividade. É fundamental, contudo, que iniciativas como essa também sejam acompanhadas de ações para o aumento do consumo naquele país, que hoje é de apenas 0,3 kg/habitante ano”, pondera.

O trabalho de consultoria aprovado envolverá a elaboração de um conjunto de ferramentas para desenvolver o mercado cafeeiro nos países produtores, concentrando-se em intervenções que estimulem a demanda por café e beneficiem toda a cadeia produtiva, de cafeicultores a consumidores, e que levem em conta diversos elementos e tendências emergentes, considerando as especificidades sociais e econômicas de cada país.

Fonte: CNC

Últimas notícias

Mais de 50 soluções tecnológicas disponíveis para o agro em 2021

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio ...

Autorizada exportação de ovos in natura para Argentina e Chile

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) celebrou a dupla autorização de exportações ...

Clima impacta produção da safra verão/21 e especialista aponta como se proteger de mudanças climáticas

A irregularidade das precipitações nos meses de outubro e novembro marcou o início ...

Brasil exporta 11 milhões de sacas de café no primeiro trimestre de 2021

Volume embarcado apresenta evolução de 10,4% no ano civil e aponta para quebra ...

Exportação de solúvel cresce 9,2% na comparação com março de 2020

De acordo com levantamento mensal realizado pela Associação Brasileira da Indústria de Café ...