Consumo de café segue em alta no Brasil

Foto: Envato

No dia 1º de outubro (ontem) foi comemorado o Dia Internacional do Café. A data foi estabelecida em março de 2014, pela Organização Internacional do Café (OIC), e contou com o apoio de dezenas de associações ao redor do mundo ligadas ao setor cafeeiro, entre elas, a Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC).

A ocasião visa unificar as celebrações, e possui a hashtag #InternationalCoffeeDay, utilizada nas redes sociais todos os anos desde então. A homenagem promove o consumo de cafés certificados em todo o mundo e, ainda, chama a atenção para o trabalho dos cafeicultores.

Motivos para celebrar não faltam: segundo dados da ABIC, gerados a partir de uma parceria com a Horus, empresa de inteligência de mercado que coleta mais de um milhão de notas fiscais mensalmente nos pontos de venda do varejo, houve um aumento de 0,90% nas vendas de janeiro a agosto deste ano, se comparado com o mesmo período do ano passado.  De julho para agosto, o acréscimo nas vendas foi de 4,82%.

Os dados por região brasileira apontam que o Sul e o Nordeste registraram um crescimento nas vendas acumuladas nesses oito meses de 5,89% e 1,87%, respectivamente.

De julho para agosto, o café também aumentou sua presença nos carrinhos de compra, especialmente, no atacarejo, com incidência 3,90% maior. Todas as regiões do Brasil mostraram alta nesse aspecto, liderados pelo Nordeste, com 4,20%, seguido do Norte, com aumento de 4%, e com o Sul em terceiro lugar, com 2,80% de acréscimo.

No mesmo período, houve elevação do ticket médio, liderado novamente pelo atacarejo, que em julho foi de 19%, e em agosto foi para 21%. A região Sudeste apresentou o maior gasto por compra no mês, de 21,82%, aumento de 2,24% em relação a julho.

Brasil é parte importante da cafeicultura mundial

Presidente da ABIC, Pavel Cardoso afirma que a data, este ano, é ainda mais especial por conta do aniversário de 50 anos da Associação, cujas ações estimularam o consumo de qualidade no país. Ele destaca, também, o importante papel que a cafeicultura brasileira exerce no mundo, responsável por 40% da produção mundial. Em 2023, o café gerou receita de mais de R$ 86 milhões, segundo o CECAFÉ. Entretanto, o executivo lembra que há desafios a serem superados.

“Precisamos trabalhar mais fortemente na exportação do nosso café não somente como grão cru, mas, também, como produto acabado, com maior valor agregado no mercado. A ABIC tem se dedicado a esse ponto, preparando os industriais e unindo forças com os setores privado e público para a promoção do café brasileiro, criando oportunidades mundo afora”, enfatiza. O presidente reforça que toda a cadeia está convergida para essa pauta, agindo junto ao Governo Federal para impulsionar a boa imagem dos cafés do Brasil.

Fonte: Usina da Comunicação

Anúncio

Anúncio

Últimas notícias

Agricultores de Ecoporanga se regularizam para venda direta de produtos orgânicos

Um grupo de agricultores familiares do município de Ecoporanga foi contemplado com a ...

Capacitação para operação de secagem e armazenamento de grãos preza pela segurança dos trabalhadores no Oeste baiano

No Oeste da Bahia, região essencialmente agrícola, a crescente necessidade de instalação de ...

Exportação de gengibre mais que dobra em janeiro de 2024

O valor exportado com o gengibre capixaba no primeiro mês deste ano foi ...

Mecanização é o caminho para a produtividade na silvicultura

A mecanização veio trazer novos ventos de prosperidade para a silvicultura. Nos últimos ...

Últimos dias para inscrição de trabalhos científicos acadêmicos na Favesu 2024

Estudantes de graduação, pós-graduação, professores e pesquisadores nas áreas de frango de corte, ...