Consumo de ovos deve continuar elevado em 2021

O consumo de ovos deve manter-se elevado em 2021, segundo aponta o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada – Esalq/USP (Cepea). A perspectiva é baseada na possibilidade de início de uma recuperação gradual da economia brasileira, o que deve favorecer o consumo de ovos, que têm preços mais baixos frente aos das demais proteínas de origem animal.

Além disso, segundo o Cepea, a possível vacinação para imunização contra a Covid-19 e a consequente redução dos efeitos da pandemia podem permitir o retorno das aulas de forma presencial, bem como de outros eventos, o que também deve alavancar o consumo.

Dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) indicam que, em 2021, a produção brasileira de ovos pode aumentar 5% frente ao projetado para 2020, passando para 56,2 bilhões de unidades. O consumo, por sua vez, pode ser de 265 unidades per capita durante o ano, 6% a mais do que o previsto para 2020.

Por outro lado, os custos de produção devem continuar sendo um grande entrave ao setor em 2021, uma vez que os valores dos dois principais insumos consumidos na atividade (milho e farelo de soja), devem se manter elevados neste ano, tendo em vista os estoques baixos e as aquecidas demandas interna e externa por esses produtos.

Os preços internos do milho voltaram a subir com força neste início de ano. Segundo pesquisadores do Cepea, a restrição de vendedores – que estão incertos quanto à produtividade das lavouras –, o bom ritmo das exportações em dezembro e os preços elevados nos portos impulsionaram as cotações, que voltam a operar em patamares recordes.

Entre 30 de dezembro e 8 de janeiro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) subiu 5,02%, fechando a R$ 82,60 a saca de 60 kg na última sexta-feira (8), próximo ao recorde nominal registrado em 28 de outubro de 2020, de R$ 82,67/sc.

Os preços da soja também estão em forte alta no Brasil. De acordo com pesquisadores do Cepea, o impulso vem da interrupção dos embarques na Argentina, de expectativas de menor produção no país vizinho e das valorizações externas e cambial.

Em apenas uma semana, as cotações da soja chegaram a subir mais de R$ 10 a saca de 60 kg em diversas regiões brasileiras acompanhadas pelo Cepea. Pesquisadores do Cepea ressaltam que compradores externos voltaram a demandar soja do Brasil, mas o remanescente da safra nacional 2019/20 é baixo, e a colheita da temporada 2020/21 ainda está no começo – por enquanto, os trabalhos foram iniciados apenas em Mato Grosso.

Fonte: Cepea

Últimas notícias

Mapa descarta mais de 41 mil garrafas de azeite de oliva adulterado

Análises laboratoriais constataram presença de óleo de soja, corantes e aromatizantes nos produtos ...

Crédito rural transforma vida de agricultores familiares no Estado

Agricultor Rogério Kruger em sua lavoura de inhame em Santa Leopoldina O preparo ...

Cientistas usam drones com câmeras inclinadas para monitorar gado no pasto

Imagens oblíquas  e tecnologias de aprendizado profundo (deep learning), como as redes neurais computacionais, ...

Conab atualiza ferramenta de pesquisa dos preços diários do mercado de hortifrutis

Desde a última quarta-feira (20), ficou mais fácil realizar a pesquisa de dados ...

Nova lei permite a produtor rural requerer recuperação judicial

Entrou em vigor ontem (24), após alguns vetos presidenciais, a Lei 14.112/2020, que ...