Consumo de ovos deve continuar elevado em 2021

O consumo de ovos deve manter-se elevado em 2021, segundo aponta o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada – Esalq/USP (Cepea). A perspectiva é baseada na possibilidade de início de uma recuperação gradual da economia brasileira, o que deve favorecer o consumo de ovos, que têm preços mais baixos frente aos das demais proteínas de origem animal.

Além disso, segundo o Cepea, a possível vacinação para imunização contra a Covid-19 e a consequente redução dos efeitos da pandemia podem permitir o retorno das aulas de forma presencial, bem como de outros eventos, o que também deve alavancar o consumo.

Dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) indicam que, em 2021, a produção brasileira de ovos pode aumentar 5% frente ao projetado para 2020, passando para 56,2 bilhões de unidades. O consumo, por sua vez, pode ser de 265 unidades per capita durante o ano, 6% a mais do que o previsto para 2020.

Por outro lado, os custos de produção devem continuar sendo um grande entrave ao setor em 2021, uma vez que os valores dos dois principais insumos consumidos na atividade (milho e farelo de soja), devem se manter elevados neste ano, tendo em vista os estoques baixos e as aquecidas demandas interna e externa por esses produtos.

Os preços internos do milho voltaram a subir com força neste início de ano. Segundo pesquisadores do Cepea, a restrição de vendedores – que estão incertos quanto à produtividade das lavouras –, o bom ritmo das exportações em dezembro e os preços elevados nos portos impulsionaram as cotações, que voltam a operar em patamares recordes.

Entre 30 de dezembro e 8 de janeiro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) subiu 5,02%, fechando a R$ 82,60 a saca de 60 kg na última sexta-feira (8), próximo ao recorde nominal registrado em 28 de outubro de 2020, de R$ 82,67/sc.

Os preços da soja também estão em forte alta no Brasil. De acordo com pesquisadores do Cepea, o impulso vem da interrupção dos embarques na Argentina, de expectativas de menor produção no país vizinho e das valorizações externas e cambial.

Em apenas uma semana, as cotações da soja chegaram a subir mais de R$ 10 a saca de 60 kg em diversas regiões brasileiras acompanhadas pelo Cepea. Pesquisadores do Cepea ressaltam que compradores externos voltaram a demandar soja do Brasil, mas o remanescente da safra nacional 2019/20 é baixo, e a colheita da temporada 2020/21 ainda está no começo – por enquanto, os trabalhos foram iniciados apenas em Mato Grosso.

Fonte: Cepea

Últimas notícias

Incaper lança revista sobre Indicações Geográficas e Certificação na Agropecuária Capixaba

O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) lançou a ...

Açúcar: demanda fraca pressiona cotação do cristal

Os preços do açúcar cristal recuaram no mercado paulista, enquanto as negociações estiveram ...

Brasil bate recorde histórico em exportação de frutas em 2021

A demanda internacional aquecida, o clima favorável para a produtividade, a qualidade dos ...

Café solúvel quebra de recordes em 2021 e exporta para 98 países

Em mais um ano marcado pelo agravamento da pandemia mundial da Covid-19, que ...

Produtores rurais afetados pela alta temperatura e estiagem recebem orientação em SP

A Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP) está ...