Controle de plantas aquáticas será feito com tecnologia de última geração pela Itaipu

Fotos: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional

A Itaipu Binacional vai modernizar o monitoramento do reservatório com a aquisição de um aparelho norte-americano que vai auxiliar o trabalho dos técnicos de campo no controle das plantas aquáticas, as chamadas “macrófitas”. Na última semana, os profissionais da Divisão de Reservatório participam de um treinamento para uso do aparelho. O objetivo é garantir a qualidade e a quantidade de água adequadas para a geração de energia na usina e para os usos múltiplos do reservatório.

O aparelho funciona como uma espécie de “sonar”: ele é mergulhado na água e emite um pulso que é captado por um software, ajudando o técnico de campo a classificar o que é lama, planta ou pedra. Com o equipamento, não é necessária a coleta de grande quantidade de plantas para serem analisadas em laboratório.

“É possível até mesmo medir a altura da planta, e essa informação é muito importante, porque quando se sabe a área ocupada e a altura, é possível avaliar a biomassa da macrófitas e, assim, tomar decisões precisas”, afirmou o gerente da Divisão de Reservatório da Itaipu, Irineu Motter.

De acordo com Irineu, até o momento, não houve necessidade de fazer qualquer intervenção no reservatório com a retirada das macrófitas. Iniciativas como estas são feitas, geralmente, pelas prefeituras dos municípios lindeiros, para garantir a balneabilidade das praias da Costa Oeste. O monitoramento das macrófitas, explica Irineu, é feito pela Itaipu em parceria com a Universidade Estadual de Maringá (UEM).

A ferramenta integra uma série de melhorias da Diretoria de Coordenação para modernizar o monitoramento das macrófitas e se antecipar na tomada de decisões sobre ações ambientais. Outra melhoria é o acompanhamento por satélite pela Plataforma Planet, recurso integrado à plataforma de geoprocessamento e gestão dos usos múltiplos do reservatório e áreas protegidas. Com o acesso diário a essas imagens, está em desenvolvimento um sistema de alerta da ocorrência de macrófitas no reservatório.

O que são macrófitas?

As macrófitas aquáticas são plantas que têm grande capacidade de adaptação, podendo habitar ambientes variados de águas doce, salobra e salgada, além de locais com água parada ou corrente. Elas são essenciais ao perfeito equilíbrio do ambiente aquático, sustentando um elevado número de organismos, diminuindo a turbulência das águas e sedimentando os materiais em suspensão. São também utilizadas para a desova e refúgio de vários organismos aquáticos, como peixes e insetos.

Fonte: Itaipu Binacional

Últimas notícias

Agro brasileiro é a solução para mitigar as emissões de carbono e para as mudanças climáticas do país

Foto: Cauê Diniz O Brasil tem tudo: agroambiente, água, floresta e pessoas. Por ...

Cresce o número de fazendas de soja certificada no Brasil

De norte a sul, de leste a oeste, é assim que a Round ...

Na contramão da seca, Cooperativa recupera 52 nascentes

O Projeto Olho D’Água, desenvolvido pela Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus), em parceria ...

Semana começa com chuva passageira no litoral e sol entre nuvens no interior capixaba

A semana do capixaba começa com chuva passageira no começo no trecho litorâneo ...

Pesquisadores sistematizam lista de produtos registrados para a cultura do amendoim

Todos os produtos autorizados para a cultura do amendoim reunidos num só lugar ...