Cooperativa acredita que preços elevados podem compensar perda em lavouras de café

A estiagem prolongada nos últimos meses, agravada pelas altas temperaturas e chuvas escassas, vem preocupando os cafeicultores nos quase 7 mil hectares de café atendidos pela Capal Cooperativa Agroindustrial, que possui cooperados em São Paulo e no Paraná. 

De acordo com representantes da cooperativa, a safra de café 2020/2021 vinha apresentando desempenho satisfatório por conta dos bons índices pluviométricos alcançados desde o ano passado, mas a tendência foi interrompida entre os meses de fevereiro e março, quando foi registrada a última chuva significativa da região.

De acordo com dados do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), o mês de abril apresentou o maior índice de seca dos últimos 23 anos (desde 1998) em diversas cidades do Paraná. Pela situação preocupante, o governo estadual decretou na última semana situação de emergência hídrica na Região Metropolitana de Curitiba e no Sudoeste do Estado.

Já segundo o levantamento Monitor das Secas, o Estado de São Paulo registrou a pior condição de seca no Brasil em março, com 4% de seu território com seca excepcional, a categoria mais severa da escala.

Além da murcha de plantas, escaldadura e quebra na granação de frutos nas lavouras mais jovens de café, o estresse hídrico também prejudica os cafezais já formados, sobretudo as variedades de ciclo longo, cujos frutos ainda não atingiram o ponto máximo de expansão e maturação fisiológica.

COMPENSAÇÃO – “Acredita-se que a quebra chegue próxima a 20% até a primeira semana de maio, podendo se agravar se a estiagem persistir por muito tempo”, observa Fernando Evangelista, agrônomo da Capal. Para ele, resta a expectativa de compensar essas perdas com o valor de mercado da saca de café, que tende a superar os valores comercializados no mesmo período do ano passado.

Essa não é a primeira vez que a falta de chuva no final da safra prejudica a produtividade das lavouras da região. José Valdir da Silva, cooperado da Capal em Fartura (SP), compara a safra atual com o cenário desfavorável ocorrido em 2019.

“Parece que o grãos está avermelhando, mas não está. Na verdade o grão está amadurecendo forçado, você percebe que ele fica alaranjado. Hoje se passar a colheitadeira não sai nada, então depois tem que passar a máquina mais umas tantas vezes e isso vira só em custo”, detalha.

Seguindo as orientações da assistência técnica, o cafeicultor, na companhia do agrônomo da cooperativa, realiza o manejo da lavoura com a intenção de diminuir as consequências da estiagem. “Ainda mais se não chover nos próximos dias, não temos muito o que resolver na lavoura. Então, a esperança para equilibrar a quebra está no trabalho confiável de comercialização junto à cooperativa, que sempre zelou pelos cooperados no momento da negociação”, finaliza José Valdir. Fundada em 1960, a Capal conta atualmente com mais de 3,2 mil associados, distribuídos em 21 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo.

Fonte: Capal

Últimas notícias

Revista Negócio Rural vence prêmio de jornalismo de Pernambuco

O cooperativismo conecta pessoas e também histórias. Que similaridade poderia haver entre as ...

Serenata Italiana será no próximo sábado (09) em Venda Nova do Imigrante

Relembrar os costumes dos primeiros imigrantes italianos que chegaram em Venda Nova do ...

Expoagro é uma das vitrines para o agronegócio de Mato Grosso

Mato Grosso é destaque internacional quando se trata de agronegócio. E a Capital ...

Colheita de uva é sucesso em Linhares

Ao menos de quatro mil pessoas passaram pelo parreiral de uva do Polo ...

Conheça o vencedor do 1º Concurso de Café Conilon de Jaguaré

O ganhador do 1º Concurso de Café Conilon de Jaguaré foi conhecido neste ...