Digitalização para a evolução dos resultados do agronegócio brasileiro será tema de debate

Mariana Vasconcelos, encabeçará a discussão sobre a digitalização, representando as mulheres que atuam com tecnologia para o agro

As mudanças ocasionadas no mundo, com a pandemia da Covid-19, exigiram algumas adaptações de processos, que passaram a utilizar cada vez mais a digitalização. Essa modificação também foi sentida pelo agronegócio, que passou a entender o uso de tecnologias como um fator de relevância para o crescimento do setor.

Esse movimento de digitalização será um dos motes dos debates da 6ª edição do Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio – CNMA, que será promovida nos dias 25, 26 e 27 de outubro, em formato Digital Experience, com o tema “Digital & Agregação de Valor. A nova liderança no Agro”.

“Ao adotar tecnologias estamos maximizando a geração de valor em produtos e processos. E, neste cenário, a digitalização é mais do que um instrumento. Ela é conceito, essência e rumo ao mesmo tempo. Uma força única e fundamental para agregar valor ao ambiente econômico do novo agro”, explica a Show Manager do evento, Carolina Gama.

Para trazer mais informações sobre esse processo e quanto às vantagens que essas ferramentas oferecem ao segmento, a organização do CNMA convidou a CEO da Agrosmart, Mariana Vasconcelos, para encabeçar essa discussão, representando todas as mulheres que atuam no agronegócio, dedicadas à tecnologia e às melhorias que elas oferecem aos negócios do campo.

“O agro precisa do digital para superar os obstáculos e conseguir alimentar as quase 10 milhões de pessoas, previstas para habitarem o mundo até 2050. Elas são importantes para que o setor possa lidar com assuntos como mudanças climáticas e escassez de água, fazendo com que os produtores consigam atingir a meta de fornecer alimento ao mundo e, ao mesmo tempo, fazer isso de uma maneira mais sustentável”, afirma Vasconcelos.

Segundo ela, a digitalização oferece para o agronegócio a possibilidade de crescer, pois com os dados gerados pelas tecnologias, é possível ter uma operação mais competitiva. “Entender o que ocorre no campo nos permite agir de maneira mais precisa e, consequentemente, melhorar a operação, reduzindo recursos e aumentando a produção e a margem do produtor. A ideia é produzir mais com menos, a partir dos dados, ganhando com a rastreabilidade”, destaca Vasconcelos.

“Os dados se tornam uma grande oportunidade ao produtor, pois além de ter uma operação mais eficiente, com o uso deles, é possível agregar valor ao seu produto, conseguindo comercializá-lo com um preço melhor”, reforça.

Para Mariana, assim como em outros setores, o processo de adoção das novas tecnologias já vinha sendo implantado no campo, mas com a pandemia ele foi acelerado. “Quando comparamos com cinco anos atrás, podemos apontar um desenvolvimento, pois já assistimos muitos produtores utilizando alguma tecnologia digital na produção. Mas é fato de que essa mudança ainda é mais lenta do que o esperado. O agro precisa acelerar esse processo para permanecer competitivo”, afirma ela.

Nesse contexto, o Congresso debaterá não só como as novas tecnologias podem acrescentar ao dia a dia das atividades do campo, mas como os personagens do agro devem se preparar para adotar essas técnicas em suas ações. “Não basta apenas apontarmos a necessidade de implantar essa novidade ao cotidiano do setor, pois, na prática, precisamos revolucionar e redimensionar a infraestrutura de telecomunicações. Os sistemas devem estar preparados, bem como a mão-de-obra do mercado. Por isso entendemos ser fundamental trazer esse debate para o evento”, enfatiza Gama.

“Não dá pra ser agro sem ser digital. Os produtores que não adotarem as tecnologias não vão conseguir competir com aqueles que já as utilizam. A digitalização se tornou um assunto de total importância para o setor, por isso as mulheres do agro precisam estar atentas e envolvidas. Não só como produtoras, mas também como representantes de toda a cadeia, que precisa se alimentar desses dados para as tomadas de decisão”, finaliza Vasconcelos.

Quem se interessar por mais informações sobre o 6ª Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio – CNMA pode acessar o site: www.mulheresdoagro.com.br.

Fonte: Attuale Comunicação

Últimas notícias

Menor oferta mundial de café impulsiona valores futuros

Os contratos futuros do café arábica tiveram desempenho positivo nesta semana, voltando a ...

Doze municípios do Espírito Santo passam para risco baixo de contaminação da Covid-19

O Governo do Estado anunciou, nesta sexta-feira (07), o 54º Mapa de Risco ...

Seminário discute déficit de armazenagem para grãos e aponta soluções emergenciais

A constatação da necessidade de aumentar o espaço para armazenar grãos nas principais ...

Conquistas no campo são alcançadas com o auxílio da Contribuição Sindical Rural

A Contribuição Sindical Rural (CSR) fortalece a categoria rural, e, é através dela ...

Ceasa-ES inicia coleta de culturas de produtos do mercado para análise

Ação vem sendo realizada em parceria com o MPES e a Vigilância Sanitária ...