Egípcios exportam alho ao Brasil

Brasil abriu seu mercado de alho para o Egito no ano passado e desde então o país árabe figura entre principais fornecedores internacionais do produto aos brasileiros. Egípcios estão entre maiores produtores de alho do mundo

O Egito passou a ser um dos principais fornecedores internacionais de alho do Brasil desde que o mercado nacional foi aberto para o produto, em junho do ano passado. Dois meses após, em agosto, o país árabe já vendia alho aos brasileiros, em um comércio que gerou US$ 2,3 milhões em 2019. Neste ano, apenas nos oito primeiros meses a exportação chegou a US$ 5 milhões, segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) brasileira.

Com isso, o Egito se tornou o quinto maior provedor internacional de alho do Brasil, atrás de tradicionais fornecedores, como Argentina, China, Espanha e Chile. Em alguns meses os egípcios chegaram a ficar na terceira e segunda posição.

Em entrevista à reportagem da Agência de Notícias Brasil-Árabe, o diretor geral de Acordos Comerciais do Setor de Acordos e Comércio Exterior do Ministério do Comércio e Indústria do Egito, Michael Gamal Kaddes, conta que o seu país está entre os maiores produtores de alho do mundo, em quarto lugar, atrás de China, Índia e Bangladesh, e com 280 mil toneladas colhidas por ano.

“O mercado brasileiro é importante para o Egito por ser enorme e com grande potencial para as exportações egípcias em geral e de alho, em particular, e por existirem esforços conjuntos e grande vontade das comunidades empresariais dos países para alcançar o crescimento nas relações econômicas, o que foi deflagrado com o acordo de livre comércio entre o Egito e o Mercosul, implementado em 2017”, disse Kaddes por e-mail à ANBA.

Kaddes espera que as exportações de alho egípcio ao Brasil dobrem na próxima temporada. “Existem grandes oportunidades de exportação para o alho egípcio no mercado brasileiro”, afirmou ele. A safra de alho no Egito vai de setembro a julho e no último período as exportações do país árabe atingiram 40 mil toneladas, o que gerou mais de US$ 42 milhões. O alho é uma das plantas mais antigas do Egito e foi encontrado esculpido no templo dos faraós.

De acordo com informações fornecidas por Kaddes, o surto do coronavírus contribuiu para o aumento da demanda externa por alho egípcio, já que se trata de um produto que fortalece o sistema imunológico contra o vírus. Segundo o diretor geral, esse aumento de demanda foi percebido principalmente em países como Taiwan, Holanda e Brasil.

De acordo com informações do adido agrícola da embaixada do Brasil no Cairo, Cesar Simas Teles, o Brasil importou 165,4 mil toneladas de alho ano passado, no valor de US$ 225 milhões. Houve aumento sobre o ano anterior, quando o mercado brasileiro trouxe do exterior 164,8 mil toneladas de alho, no valor de US$ 172 milhões.

Os egípcios percebem nos números vultosos do mercado brasileiro uma oportunidade de fornecimento. O alho é uma commodity de exportação importante para o Egito. Os principais compradores do produto são Rússia, Taiwan, Polônia, Brasil, Ucrânia, Turquia, Jordânia, Estados Unidos, Itália, Holanda e Austrália. No Egito, o alho é cultivado em regiões como Alto Egito, Suhag, Qena, Minya, Assiut, BeniSuef, Novo Vale Fayoum, Behera e Gharbia, segundo Kaddes.

Os egípcios citam várias características do seu alho que o distinguem do chinês. Segundo eles, é mais saboroso e mais natural. Os benefícios do produto são redução da pressão arterial, o estímulo à circulação sanguínea, a proteção contra resfriados, a presença de vitaminas, sais e minerais, substâncias anticancerígenas e de redução de colesterol, entre outros.

Fonte: Agência de Notícias Brasil-Árabe

Últimas notícias

Tratoraço reúne mais de dois mil veículos contra taxação do ICMS

Um tratoraço realizado na manhã de ontem (14), na Avenida Coronel Marcondes, em ...

Valor da Produção Agropecuária de 2020 é o maior da história

Foto: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil A carne bovina foi um ...

Conab vende mais de 140 mil toneladas de milho para pequenos criadores em 2020

A comercialização de milho dos estoques do governo federal pôde beneficiar mais de ...

Projeto faz reúso de água para produção de alimentos

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) ...

Idaf registra primeira agroindústria de 2021 em Ibitirama

Uma queijaria de Ibitirama foi o primeiro estabelecimento de 2021 registrado junto ao ...