Empreendedores do agronegócio se unem para driblar crise provocada pelo novo coronavírus

Fotos: Divulgação

O grupo de empreendedores se conheceu há dois anos e, agora, voltou a se ‘re-unir’ para vender produtos artesanais capixabas

Bruno Faustino

Frutas congeladas, bombom de banana com chocolate, doce de mamão, antepasto de abobrinha, de berinjela, socol, macarrão artesanal, salaminho, biscoito caseiro, café especial e tantos outros produtos fabricados pelas agroindústrias geram ocupação e renda para muitas famílias rurais capixabas. Mas, desde o início da pandemia do novo coronavírus, esses produtos deixaram de ser produzidos. Para retomar a produção e a venda, empreendedores capixabas se uniram e criaram um delivery coletivo.

“Somos 16 empreendedores. E tivemos a ideia de criar uma cesta com tudo aquilo que produzimos para impulsionar as vendas. Temos cestas pequenas, médias e grandes e também venda avulsa. Tudo será comercializado online pelo site da Cooperativa Agroindustrial do Espírito Santo e por delivery também”, explicou Wellington Luiz Pompermayer, presidente da Agrocoop.

SABOR CAPIXABA – O grupo se conheceu há pouco mais de dois anos. Todos os empreendedores participaram de um projeto do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) denominado Sabor Capixaba e, agora, decidiram “re-ativar” a ideia de um trabalho coletivo. Integram o grupo a empresas Natural da Serra, Chocolate Rei, Doces Favero, Riserva Nostra, Cantina Matiello, Trogon Produtos Caseiros, Cachaça Thimotina, Mariola Walman, Palmito Venturim, Tio Vé Produtos Artesanais, Família Venturim, Produtos Conti, Kebis Biscoitos Artesanais, Casa dos Espumantes, Agrocoop e Fazenda Venturim.

“Na época, o projeto do Sebrae uniu o grupo e, depois, cada um seguiu o seu caminho. Mas todos nós continuamos interagindo e, agora, estamos juntos novamente”

Wellington Luiz Pompermayer – presidente da Agrocoop

OPORTUNIDADE – A empresária Ana Venturim Porto, que produz massas artesanais em Venda Nova do Imigrante, nas montanhas capixabas, vê a iniciativa como uma oportunidade para que a comunidade consuma os produtos gourmet produzidos na região.

“Essa união surgiu num momento em que estávamos bem desacreditados. Moramos numa comunidade com poucos recursos, que não consome os nossos produtos. E esse projeto reacendeu nossa esperança. Ter uma loja, em Vitória, é custoso. Vender para um atravessador, aumenta muito o preço. Então, essa união está viabilizando a venda de todos os produtos dos empreendedores capixabas. Eu estou muito feliz e animada na certeza que dará certo”, pontou.

A primeira ação dos empreendedores é voltada para o Dia dos Namorados, comemorado no dia 12 de junho. O grupo montou kits com produtos das agroindústrias capixabas como opção de presente. A maior cesta conta com 16 produtos e a menor conta com oito. Os preços variam entre R$ 176,10 e R$ 399,00, podendo ser dividido em até três vezes. Além do site da cooperativa, os produtos podem ser adquiridos por telefone.

As cestas são compostas com produtos artesanais produzidos no Espírito Santo

“Estamos dando um primeiro passo. Mas temos planos maiores. Esperamos continuar com essa venda online conjunta, já que, por conta da pandemia, não temos previsão da realização de eventos – um dos nossos pontos de comercialização de produtos. Também temos a ideia de contar com uma consultoria para melhorar a gestão deste tipo de negócio”, diz Luciano Cerqueira, que produz bombons da banana na Ilha das Caieiras, em Vitória, e integra o grupo.

COOPERATIVISMO – Os conceitos do cooperativismo ensinados ao longo dos anos pela Cooperativa Agroindustrial do Espírito Santo (Agrocoop) foram fundamentais para integrar o grupo de empreendedores artesanais capixabas. “Todos nós estamos unidos por um bem comum e a cooperativa comprou a ideia que estava no mercado. E assim, ela ficará potencializada com esses novos fornecedores. O nosso objetivo é levar o que temos de melhor para a mesa do cliente e, com o auxílio da cooperativa, evitando intermediários, o produto vai chegar fresco e com um preço justo e competitivo. Da propriedade direto para a mesa do cliente”, ressalta Valter Braun, sócio da Kebis Biscoitos Caseiros.

No Brasil, as agroindústrias tem participação de aproximadamente 5,9% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, de acordo com a Empresa Brasileira da Pesquisa Agropecuária (Embrapa). No Espírito Santo, existem 1.274 empreendimentos envolvidos com a agroindustrialização dos produtos da agricultura familiar, segundo dados levantados pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper).

“O cliente que estiver adquirindo estas cestas vai estar comprando e ajudando um produtor artesanal. Não são apenas produtos capixabas. São produtos com sonhos e histórias por trás”, conclui o empreendedor Luciano Cerqueira.

Clique aqui e conheça os produtos e as opções de cesta

Últimas notícias

Polícia identifica desmate ilegal e apreende pássaros em Santa Maria de Jetibá

O Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) constatou desmatamento com corte seletivo de ...

Quais as recomendações para viabilizar os canaviais transgressivos?

Os canaviais transgressivos são viáveis para a canavicultura brasileira. O caminho que leva ...

Agricultores capixabas são autorizados a usar água rio Itabapoana para irrigação

A Agerh analisou 250 processos e emitiu 70 Outorgas de Uso da Água ...

Contribuição Sindical Rural pode ser paga até esta sexta (04)

A Contribuição Sindical Rural (CSR) fortalece a defesa dos interesses do campo e ...

Abertas as inscrições para o Encontro das Lideranças do Cooperativismo Capixaba

Evento será realizado totalmente no formato digital no dia 17 de dezembro (quinta-feira), ...