Estiagem faz safra de soja diminuir 35% em Mato Grosso do Sul

Agricultores de Mato Grosso do Sul foram mais uma vez prejudicados pela estiagem e o resultado foi uma colheita inferior à safra passada. Segundo a Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja/MS), a queda em relação ao ciclo 2020/2021 foi de 35%, chegando a 8,7 milhões de toneladas. Os dados foram divulgados esta semana e entregues ao novo ministro da agricultura, Marcos Montes, a fim de viabilizar alternativas quanto ao seguro rural, para agricultores que sofrem com as intempéries, de forma frequente.

Segundo o presidente da Aprosoja/MS, André Dobashi, a principal área atingida foi justamente a que destina maior área à produção de grãos. “Verificamos que o impacto da estiagem foi característico de um ano de La Niña, que aconteceu no Brasil inteiro. A região Sul do Estado, que concentra 62% da área destinada ao cultivo de soja, foi a mais afetada, e chegou a uma produtividade média de 27,8 sacas por hectare”.

Continua após o anúncio

De acordo com a Associação a região Norte, que chegou a uma produtividade interessante, de 71,1 sacas por hectare, concentra uma área restrita de produção. “A região norte teve um clima de bastante chuva. Alguns produtores chegaram a reclamar de excesso, mas acabaram tendo um resultado mais interessante, apesar de concentrarem apenas 15% da área semeada”, explicou Dobashi. Sobre a região Centro, o resultado foi de 46,67 sacas por hectare. A região concentra 21,7% da área destinada ao cultivo de soja.

PROGRAMA SIGA – Sistema de Informações Geográficas do Agronegócio, que monitora as safras com apoio do Sistema Famasul e Semagro, aponta que na média estadual, Mato Grosso do Sul teve um incremento de área destinada à oleaginosa equivalente a 6,2%, chegando à safra 2021/2022, com 3,7 milhões de hectares. Já a produtividade caiu 38,5% em relação ao ciclo 2020/2021, chegando a 38,6 sacas por hectare.

Nos últimos dois ciclos 2019/2020 e 2020/2021 a safra de soja em MS registrou médias de produtividade de 55,7 e 62,84 sacas por hectare, respectivamente. Essas médias foram inviabilizada por intempéries climáticas neste ano.

Os agricultores agora torcem para o bom desempenho do milho segunda safra, para que consigam arcar com os compromissos firmados, e amenizem os prejuízos já calculados por eles.

Fonte: Agrosoja

Últimas notícias

Confirmada: 11ª Feira de Negócios Coocafé será presencial

Um dos principais eventos realizados para o cooperado Coocafé é a Feira de ...

Alunos aprendem, na prática, como vacinar o rebanho

Mais uma ação do projeto “Vai pra Roça” foi realizada em São Gabriel ...

Conab lança modalidade de leilão para abastecer pecuaristas

Uma novidade foi lançada pela Companhia Nacional de Abastecimento  (Conab) para os pecuaristas ...

Alysson Paolinelli, indicado ao Nobel da Paz, participará da Feira de Agronegócios da Cooabriel

Indicado ao prêmio Nobel da Paz em 2021, o ex-ministro e professor Alysson ...

Prazo para vacinar animais de 0 a 2 anos contra febre aftosa está acabando

A vacinação de bovinos e bubalinos acontece até o dia 31 de maio ...