Exportação de cafés canéforas cresce 678% no mês passado, comparado com novembro de 2022

Segundo o boletim mensal estatístico do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), o país embarcou 4,329 milhões de sacas de 60 kg do produto em novembro passado, apresentando um crescimento de 15,4% sobre os 3,750 milhões registrados no mesmo mês de 2022. A receita cambial, contudo, recuou 10,2% no mesmo intervalo comparativo, descendo para US$ 810,4 milhões.

“Em novembro, seguimos observando o significativo desempenho das remessas dos cafés canéforas (robusta e conilon) ao exterior, que, com 856 mil sacas, subiram 678% em relação a idêntico período do ano passado”, comenta Márcio Ferreira, presidente da entidade.

Anúncio

Com a performance do mês passado, as exportações de café do Brasil, nos cinco primeiros meses da safra 2023/24, totalizam 18,774 milhões de sacas, gerando o ingresso de US$ 3,673 bilhões ao país. Frente ao apurado entre julho e novembro da temporada 2022/23, o desempenho implica alta de 16,2% em volume, porém recuo de 5,1% em faturamento.

Anúncio

ANO CIVIL – No acumulado dos 11 primeiros meses de 2023, o Brasil exportou 35,004 milhões de sacas de café, volume que fica 3,2% aquém dos 36,170 milhões registrados no acumulado entre janeiro e o fim de novembro do ano passado. Em receita cambial, o país tem queda de 15,3% no intervalo de referência, com os ingressos saindo de US$ 8,527 bilhões para os atuais US$ 7,222 bilhões.

O presidente do Cecafé comenta que o desempenho dos embarques nos cenários mensal, anual e da safra, ainda que inferiores em alguns comparativos, é positivo no contexto geral, evidenciando a resiliência do setor. “Os exportadores brasileiros vêm, ao longo dos últimos anos, desdobrando-se para honrar seus compromissos, rearranjando seus fluxos de caixa e os gargalos logísticos que perduram desde antes da pandemia, como, mais recentemente, os atrasos para embarcar o produto”, diz.

Em novembro, de acordo com o Boletim Detention Zero (DTZ), elaborado pela ElloX Digital em parceria com o Cecafé, foram registradas alterações em 81% das escalas de navios no Porto de Santos (SP), atingindo o maior índice de atrasos em 2023 ao superar os 76% apurados em outubro. O boletim também aponta que, no mês passado, apenas 17% dos procedimentos de embarque tiveram prazo superior a quatro dias de gate aberto por navios. Outros 52% possuíram entre três e quatro dias e 30% tiveram menos de dois dias.

No que se refere à aquecida demanda pelos cafés canéforas nacionais, Ferreira explica que o incremento significativo se dá pelo contínuo avanço na produção de conilon e robusta no Brasil, resultado, principalmente, de ganhos relevantes de produtividade, novos plantios e melhoria contínua da qualidade.

“Os preços remuneradores no mercado interno e, mais recentemente, também no mercado externo têm viabilizado esse esforço por parte dos produtores e podemos dizer que toda a cadeia está atenta ao aumento da demanda, seja por dificuldades climáticas em outros países produtores, como Indonésia e Vietnã, ou pelo incremento de robusta e conilon nos blends no cenário do consumo mundial”, revela.

Nesse sentido, conforme ele, os efeitos do El Niño impactaram, nos últimos 45 dias, as regiões produtoras de robusta no Brasil, principalmente norte do Espírito Santo e sul da Bahia. “Neste fim de semana, houve alívio com o retorno de alguma chuva, que precisamos que continue para que possamos manter, ou até mesmo aumentar, esses volumes. Em se estabilizando a questão climática, as perspectivas são positivas, pois o Brasil segue competitivo em relação aos seus principais concorrentes”, completa.

PRINCIPAIS DESTINOS – Nos 11 primeiros meses de 2023, os Estados Unidos permanecem como o principal destino dos cafés do Brasil, apesar da queda de 25,7% na comparação com as aquisições realizadas de janeiro a novembro de 2022. Os norte-americanos importaram, até o mês passado, 5,471 milhões de sacas, montante que representa 15,6% dos embarques totais.

A Alemanha, com representatividade de 12,6%, adquiriu 4,420 milhões de sacas (-30,3%) e ocupou o segundo lugar no ranking. Na sequência, vêm Itália, com a compra de 2,827 milhões de sacas (-9,2%); Japão, com 2,072 milhões de sacas (+21,9%); e Bélgica, com 1,956 milhão de sacas (-29,1%).

Já não mais surpreendente, a China segue com o melhor crescimento percentual entre os 10 principais parceiros comerciais dos cafés do Brasil até novembro de 2023. O gigante asiático importou 1,152 milhão de sacas no acumulado deste ano, elevando em 221% suas importações frente ao mesmo período de 2022, e saltou para o oitavo lugar no ranking.

Também foram registrados incrementos nas exportações para Reino Unido (71%), Turquia (36,2%) e Holanda (33,1%) nesse período, respectivamente sexto, sétimo e 10º principais parceiros comerciais do produto brasileiro até o momento.

Quando a análise se volta às importações dos cafés nacionais realizadas por outras nações cafeeiras, observam-se substanciais avanços nos embarques realizados para Vietnã (+503,4%), o segundo maior produtor do mundo, atrás do Brasil; México (+463%); e Indonésia (+135,6%).

“Nos casos de Vietnã e Indonésia, a justificativa se dá em função de quebras de safra e a necessidade do conilon e do robusta brasileiros para suprir. Já o México adquire nossos cafés verdes para processamento industrial e consequentes consumo interno e reexportação”, conclui Ferreira.

TIPOS DE CAFÉ – De janeiro ao fim de novembro de 2023, o café arábica permanece como o mais exportado pelo Brasil, com 27,508 milhões de sacas, o que corresponde a 78,6% do total. A variedade canéfora (conilon + robusta) teve o correspondente a 4,138 milhões de sacas embarcadas no período, com representatividade de 11,8%, acompanhada pelo segmento do solúvel, com 3,312 milhões de sacas (9,5%), e pelo produto torrado e torrado e moído, com 45.987 sacas (0,1%).

CAFÉS DIFERENCIADOS – Os cafés que possuem qualidade superior ou certificados de práticas sustentáveis respondem por 17,4% das exportações totais brasileiras do produto no acumulado deste ano, com o envio de 6,075 milhões de sacas ao exterior. Esse volume representa queda de 3,9% frente ao registrado entre janeiro e novembro de 2022.

O preço médio desse produto foi de US$ 229,18 por saca, gerando uma receita cambial de US$ 1,392 bilhão nos 11 primeiros meses de 2023, o que corresponde a 19,3% do obtido com os embarques totais de café. No comparativo anual, o valor é 22,2% inferior ao aferido em idêntico intervalo do ano passado.

No ranking dos principais destinos dos cafés diferenciados até novembro, os EUA ocupam o primeiro lugar, com a aquisição de 1,317 milhão de sacas, o equivalente a 21,7% do total desse tipo de produto exportado. Fechando o top 5, aparecem Alemanha, com 995.978 sacas e representatividade de 16,4%; Bélgica, com 585.039 sacas (9,6%); Holanda (Países Baixos), com 387.856 sacas (6,4%); e Reino Unido, com 286.614 sacas (4,7%).

PORTOS – O Porto de Santos (SP) permanece como o principal exportador dos cafés do Brasil em 2023, com o envio de 25,120 milhões de sacas ao exterior, o que representa 71,8% do total. Na sequência, aparecem o complexo marítimo do Rio de Janeiro, que responde por 24,2% dos embarques ao ter remetido 8,481 milhões de sacas, e o Porto de Paranaguá (PR), com a exportação de 464.072 sacas e representatividade de 1,3%.

Fonte: Cecafé

Anúncio

Anúncio

Últimas notícias

Consumo de café solúvel cresce 5,3% no trimestre

Setor vem em expansão desde 2016; avanço reflete investimentos em qualidade, diversidade, formação ...

ES+Café irá promover imersão no universo da cafeicultura capixaba

A Feira ES+Café irá promover uma verdadeira imersão no universo da cafeicultura capixaba ...

Projeto entrega novas barracas a feirantes de Vitória

Foto: Marcos Salles Entrega das novas barracas das Feiras Livre Os feirantes que ...

Como plantar mais café em espaço reduzido?

O pesquisador do Incaper, Paulo Sérgio Volpi, destacou que o jardim clonal superadensado ...

Parceria estratégica do Sistema OCB busca fortalecer cadeia de lácteos

Foto: Reprodução / Sistema OCB Unidade nacional se reuniu com Conselho dos Exportadores ...