Exportação: veja como o Sistema OCB apoia negócios internacionais

Fotos: Divulgação Sistema OCB

Cooperlimão, de São Paulo, e Cafesul, do Espírito Santo, já estão acessando mercados externos

Exportação parece um tema para grandes cooperativas, certo? Uma coop agropecuária do interior de São Paulo provou que não e já vendeu mais de 6 mil toneladas de limão-tahiti para países como França, Holanda, Inglaterra, Noruega, Suécia, Alemanha, Portugal e Espanha. 

Anúncio

Com 30 produtores cooperados, todos com certificação de boas práticas GLOBALG.A.P e GRASP., controle de pulverização e garantia de procedência e rastreabilidade, a Cooperativa de Produtores de Limão de Urupês (Cooperlimão) abriu as portas para o mercado externo em 2019, com apoio do Sistema OCB, por meio do Sescoop/São Paulo. 

Anúncio

“A abertura de mercado externo representou para os cooperados melhores oportunidades, além de via de escape para produção destinada para comercialização pela cooperativa, tendo em vista que o mercado nacional não tem capacidade suficiente para absorver o importe de limão-tahiti produzida no próprio território”, explica a gerente da Cooperlimão, Francieli Campana. 

Atualmente, a coop vende parte de sua produção para o mercado externo por meio de tradings, agentes e comerciais exportadoras e se prepara para iniciar a venda direta, sem intermediários. A mudança deve garantir mais rentabilidade para os cooperados e abrir portas para comercialização de suco e óleo de limão tahiti, além da fruta in natura. 

“Nosso objetivo agora é fomentar a exportação de forma direta, estreitando o processo sem que haja dependência de agentes e tradings comissionadas. De modo que a cooperativa possa, de forma segura, tratar diretamente do preparo e produção da fruta até o cliente europeu final”, planeja a gerente da coop. 

A nova fase exportadora da Cooperlimão seguirá um plano de exportações elaborado com apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), por meio do Programa de Qualificação para a Exportação específico para cooperativas, o PEIEX Coop, fruto de uma parceria entre a agência e o Sistema OCB. 

“O treinamento e mentoria ministrados pelos especialistas em comércio exterior foi extremamente importante para o desenvolvimento do nosso plano de exportação. Os encontros forneceram ensinamentos sobre o processo de exportar de forma profunda e direcionada às especificidades da lima ácida tahiti, do país alvo e da cooperativa”, destaca. 

APOIO – A história da Cooperlimão mostra que exportar é para coops de todos os tamanhos e que os mercados internacionais estão cada vez mais abertos a produtos de origem justa e sustentável, uma marca do cooperativismo. Em 2023, as cooperativas brasileiras contabilizaram US$ 8,4 bilhões em exportações diretas, sem contar os negócios via comerciais exportadoras. 

“Oferecemos suporte às cooperativas na exportação de seus produtos por meio do Programa NegóciosCoop Internacional, que inclui iniciativas como o PEIEX Coop, em parceria com a ApexBrasil; e também com apoio à participação das cooperativas em missões, feiras e rodadas de negócios internacionais”, explica a coordenadora de Soluções de Negócios do Sistema OCB, Pamella Lima. 

No PEIEX Coop,  desde 2021, 50 cooperativas agropecuária receberam capacitação, 36 delas estão em fase de qualificação e terão seus planos de exportação definidos até o fim de julho. Com uma metodologia específica para o cooperativismo, o programa da ApexBrasil em parceria com o Sistema OCB aborda todas as etapas do processo de exportação como identificação de oportunidades internacionais, certificação, conformidade, adequação de embalagem, precificação, frete, protocolos sanitários, entre outras. 

“O grande ganho desta parceria foi oferecer o atendimento personalizado feito por um especialista, lição que estamos replicando em outros setores e outros parceiros. Importante destacar também a aproximação entre qualificação e promoção comercial. A qualificação para exportação só faz mais sentido para a cooperativa quando as oportunidades de promoção comercial são oferecidas”, explica a coordenadora de Competitividade da Apex, Rita Albuquerque. 

No caso das cooperativas, além da participação em feiras e missões internacionais, as rodadas de negócio são grandes oportunidades de contatos com novos clientes. Em maio, a Apex realizou o Exporta Mais Brasil – Cooperativa. Durante o evento, 18 coops apresentaram seus produtos a nove compradores internacionais em 77 reuniões de negócios. A estimativa é que as parcerias fechadas no encontro gerem US$ 2,2 milhões em negócios para as cooperativas participantes nos próximos 12 meses. 

CAFÉ CAPIXABA – Por meio do PEIEX Coop, a Cooperativa dos Cafeicultores do Sul do Estado do Espírito Santo (Cafesul), que reúne pequenos produtores de sete municípios da região, conseguiu colocar café especial capixaba no mercado internacional. 

Com 180 cooperados e 25 anos de trajetória, a coop produz cafés especiais, sustentáveis e certificados, a maioria provenientes da agricultura familiar. Desde 2008, a Cafesul tem a certificação internacional Fairtrade, que atesta o cumprimento de boas práticas éticas e sustentáveis e garante um valor adicional na comercialização. Com o selo, a coop conseguiu padronizar a qualidade de sua cadeia de produção, se tornou referência no mercado de café conilon e abriu portas para exportação. 

A Cafesul começou a capacitação no PEIEX Coop em outubro de 2023 e está na fase final de conclusão do programa. Antes, a cooperativa vinha explorando oportunidades nos mercados internacionais por meio da participação em feiras de café especial na Europa e nos Estados Unidos. Com a capacitação e o plano de exportações concluído, a Cafesul planeja começar a fazer vendas diretas, sem intermediários. 

“O programa impulsionou a confiança da cooperativa em negociar com clientes e expandir sua rede, especialmente em mercados-alvo como a Alemanha. A equipe técnica do PEIEX Coop tem sido essencial no esclarecimento de conceitos e dúvidas sobre as diversas etapas da exportação, potencializando inclusive os atributos relacionados à atuação sustentável e comércio justo que a cooperativa possui”, afirma o presidente da Cafesul, Renato Theodoro, que também lidera a Associação Brasileira de Produtores Fairtrade (BRFAIR).  

Além do apoio à exportação direta, o PEIEX Coop capacita as cooperativas em outras habilidades de negócios, segundo Pamella Lima. “O programa desenvolve conhecimentos internos nas cooperativas, capacitando-as para atuar de forma autônoma no comércio internacional. Como resultado dessa qualificação, as cooperativas não apenas aumentam sua capacidade exportadora, mas também aprimoram seus aspectos gerenciais internos, tornando-se mais competitivas no mercado nacional e aptas para o mercado internacional”, pondera a gestora.  

CERTIFICAÇÕES INTERNACIONAIS – Assim como nos casos da Cafesul e da Cooperlimão, as certificações internacionais ajudam a abrir portas de mercados no exterior e são fundamentais para cooperativas que planejam exportar. Esses selos servem para comprovar a qualidade da produção, mostrar o comprometimento com boas práticas sociais e ambientais e garantir que os produtos cumprem os requisitos legais para entrar no mercado de um determinado país. Conheça algumas certificações internacionais que podem ajudar as cooperativas no processo de exportação: 

* Agricultura Orgânica – União Europeia;
* Aquaculture Stewardship Council (ASC);
* Fair For Life.
* Fairtrade International;
* Food Safety System Certification – FSSC 22000;
* Forest Stewardship Council – FSC;
* Global GAP;
* Global Seafood Alliance – Best Aquaculture Practices (BAP);

Fonte: Apex 

NOVOS RAMOS – As cooperativas de artesanato estão no radar da área de Negócios do Sistema OCB para receber apoio e qualificação para exportar. A ideia é que as coops possam participar, por meio do Programa do Artesanato Brasileiro (PAB), de feiras nacionais e internacionais, bem como de rodadas de negócios. A pauta é uma das demandas prioritárias da recém-criada Câmara Temática das Cooperativas de Artesanato, criada para representar os interesses das coops do segmento de todo o país. 

“Para o futuro próximo, nossas perspectivas são de fortalecer ainda mais as iniciativas de suporte do Sistema OCB à exportação de produtos das cooperativas que atendemos. Reconhecemos a importância de oferecer soluções estruturantes para impulsionar a capacidade exportadora dessas organizações, especialmente considerando o estágio inicial em que muitas delas se encontram. Esse é um tema prioritário em nossa agenda”, afirma Pamella Lima.

COMECE A EXPORTAR – Se a sua cooperativa ainda não exporta ou quer potencializar as vendas no exterior, acesse o NegóciosCoop e conheça as soluções do Sistema OCB para apoiar as coops no mercado externo. A plataforma reúne conteúdos especializados sobre inteligência de mercado, estratégias comerciais, inovação, tendências e outras ferramentas para ajudar as cooperativas a vender mais e melhor.

Fonte: Sistema OCB

Anúncio

Anúncio

Últimas notícias

Campeonato Brasileiro de Blends de Café será realizado no São Paulo Coffee Festival

Foto: Freepik A Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) realizará a etapa ...

Equipes coletam dados para nova pesquisa da Conab da safra brasileira de grãos

Foto: iStock Farmer handful of harvested corn kernels from the heap loaded into ...

Comidas típicas da festa junina contam com 36% de impostos no preço final

Foto: Julio Huber A chegada das festas juninas costuma ser motivo de alegria ...

Capixaba é eleito o melhor criador e expositor na Megaleite 2024 na categoria CCG 1/2 Hol + 1/2 Gir

Encerrada a 19ª edição da Megaleite no último sábado (15), a Associação Brasileira ...

Equipamento promete secagem de cafés especiais em menos de 24 horas

Tecnologia desenvolvida pela Dryeration, foi testada e aprovada por produtores da Alta Mogiana ...