Fávaro defende que a agricultura de pequenos e grandes é indissociável

O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, participou, no último sábado (25), da 1ª Festa da Colheita da Soja Livre de Transgênico da Reforma Agrária Popular do Paraná. Fávaro conheceu a lavoura da soja convencional, como também é chamada a semente não transgênica, que ocupa cerca de 200 hectares nas comunidades Fidel Castro e Maria Lara, de Centenário do Sul, no norte do Estado.

“Estamos aqui para trazer a mensagem do presidente Lula de que a agricultura familiar será muito valorizada neste Governo. A agricultura familiar é tão competitiva quanto a agricultura empresarial. A diferença é que ela precisa mais da mão amiga do Estado, por isso o papel do Governo Federal é viabilizar isso através de financiamento e pesquisa para que nós possamos incentivar esse nicho de mercado que é muito importante para a agricultura familiar”, declarou Fávaro.

Anúncio

O ministro da Agricultura e Pecuária ainda defendeu sua convicção de que a agricultura realizada por médios e grandes produtores é indivisível da agricultura dos pequenos produtores e da agricultura familiar.

Anúncio

“Não existem duas agriculturas, todos os homens e as mulheres que têm vocação para produzir devem ter o direito de ter um pedaço de terra, independente do tamanho da propriedade. Não vamos deixar de fazer a política pública juntos. É impossível, por exemplo, o serviço de defesa que é tão necessário para a certificação dos produtos não estar no Ministério da Agricultura ou mesmo o Plano Safra”, declarou no evento que também contou com a participação do ministro do Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira.

Integrante do Setor Nacional de Produção do MST e assentado na comunidade Maria Lara, Diego Moreira explicou que o Movimento tem avançado na organização de cadeias de produção, e agora expande também para a soja livre de transgênicos.

“A intenção é organizar a cadeia produtiva completa da soja, desde a produção de sementes, passando pela produção de grãos, até a posterior industrialização e comercialização”, disse Moreira.

Em conversa com os produtores das comunidades, Fávaro comentou que ainda há preconceito no país contra o MST, um movimento legítimo que sonha com a terra. “Ver esse movimento tecnificado, cooperativista em que a agroindústria acontece, que gera renda e gera dignidade entre homens e mulheres é simplesmente fascinante”.

Também participaram da agenda representantes da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), deputados federais e estaduais, entre eles Ênio Verri e a presidenta do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann.

Fonte: Mapa

Anúncio

Anúncio

Últimas notícias

ES livre de febre aftosa sem vacinação: saiba os benefícios

Foto: Freepik O Espírito Santo está oficialmente livre da febre aftosa sem vacinação. ...

Lactalis distribui água em supermercados gaúchos

Foto: Carolina Jardine A Lactalis Brasil ganhou um novo apoio para distribuir água ...

Bahia dá início à colheita do algodão safra 2023/2024

Foto: Divulgação As máquinas em campo sinalizam o início da colheita do algodão ...

Família dá até mamadeira para cuidar de filhote de veado encontrado ferido

Foto e vídeo: Divulgação Texto: Julio Huber / Foto: Divulgação Um filhote de ...

Furtas e hortaliças sofrem aumento por conta das fortes chuvas no Rio Grande do Sul

Foto: André Oliveira / MDS A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) trouxe uma ...