FiscalizaMar apreende mais de 2 mil metros de redes em Vila Velha

Uma ação integrada de fiscalização denominada Operação FiscalizaMar ocorreu, na manhã dessa quarta-feira (8), na orla de Vila Velha. A operação envolveu fiscais da Secretaria de Meio Ambiente (Semma), Guarda Municipal, Salvamar, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) e resultou na apreensão de cinco redes de espera de arrasto, totalizando 2.400 metros. Não houve flagrantes durante a ação.

A operação contou com cinco embarcações, 12 agentes públicos embarcados e o suporte de outros servidores em terra, incluindo o uso de um drone para auxiliar quando necessário.

Anúncio

Segundo o secretário de Meio Ambiente de Vila Velha, Ricardo Klippel Borgo, o objetivo principal da fiscalização é educar e orientar a comunidade em prol da sustentabilidade do ecossistema marinho. Ele enfatizou que as abordagens visam também a prevenção da morte de tartarugas e golfinhos, que frequentemente ficam presos nas redes dos pescadores. O secretário ainda destacou que o município não irá mais tolerar nenhum tipo de pesca predatória e irregular.

Anúncio

Durante a operação, foi descoberto o corpo de uma tartaruga presa nas redes, identificada como da espécie Verde (Chelonia mydas), mas não havia pescado retido.

Segundo o representante do IBAMA, Rafael de Oliveira Sant´Anna, o instituto irá formalizar documento sobre a apreensão das redes, conforme o decreto n° 6.514 de 1998 (Art. 35, inciso 2º), que dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente, estabelece o processo administrativo federal para apuração destas infrações.

Rafael também disse que o proprietário que se identificar e provar ser o dono das redes receberá um auto de infração em seu nome para ter as redes de volta. As penalidades aplicáveis incluem multas que variam de R$ 700 a R$ 100 mil, além disso, os responsáveis podem enfrentar processos por crimes ambientais e até serem presos.

No caso da rede que foi recolhida com a tartaruga morta, além da infração mencionada anteriormente, o infrator ainda responde pelo artigo nº 24 (parágrafo 3º e inciso 3º) e a multa é de R$ 5 mil por se tratar de uma espécie ameaçada em extinção.

O subcomandante do Batalhão de Polícia Militar Ambiental, major Fiorim, destacou que a operação visa liberar o ambiente marinho para que os cetáceos e tartarugas possam continuar a exibir seu espetáculo na orla.

A ação integrada demonstra o compromisso da atual gestão com a preservação do ecossistema marinho e a conscientização da comunidade sobre a importância dessa causa.

Fonte: Prefeitura Municipal de Vila Velha

Anúncio

Anúncio

Últimas notícias

Feira de Agronegócios Cooabriel 2024 acontecerá em julho

O evento é considerado o maior do agro no estado do Espírito Santo ...

Café canéfora tem zoneamento de risco climático atualizado

Foto: Humberto Franco O Zarc delimita regiões e épocas de cultivo em classes ...

Senar-ES quer fortalecer o agro em Santa Leopoldina

Contribuir para um cenário de crescente desenvolvimento da produção sustentável no Espírito Santo ...

Ales vai promover sessão em homenagem às mulheres cooperativistas

Foto: Freepik Reunião acontece na próxima semana. Pauta foi proposta pela Comissão Permanente ...

Brasil produziu quase 900 mil toneladas de peixes de cultivo

A piscicultura venceu adversidades e cresceu 3,1% Em 2023 O Brasil produziu 887.029 ...