Idaf visita sítio referência em agroecologia que foi incendiado no sul capixaba

O sítio Jaqueira Agroecologia teve 90% de sua área destruída

O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), Mário Louzada, fez uma visita de reconhecimento no sítio Jaqueira Agroecologia, localizado em Alegre, no sul capixaba. O local teve 90% da sua área de vegetação destruída, o que representa 30 hectares de área reflorestada, após um foco de incêndio que começou na propriedade vizinha se espalhar e atingir o sítio, na última sexta-feira (11).

O gerente do escritório local do Idaf, Alisson Rodrigues Nunes, esteve no sítio no dia do incêndio e ajudou a mobilizar uma equipe de voluntários, dentre eles, nove militares do Tiro de Guerra de Alegre. Juntamente com subtenente Paulo Juliano de Souza Palermo, ajudaram a controlar o fogo. O escritório local do Idaf também solicitou bombas d’água ao Corpo de Bombeiros de Guaçuí para equipar os voluntários no combate ao fogo sendo prontamente atendido.

Segundo o diretor-presidente do Idaf, Mário Louzada, o sítio Jaqueira Agroecologia é referência no Espírito Santo quando o assunto é recuperação de nascentes, conservação de água e solo, pesquisas e reprodução de manejos conservacionistas, além de ser uma estação de educação ambiental para estudantes e especialistas.

“É papel do Idaf auxiliar na restauração florestal do Espírito Santo e, por isso, iremos ajudar a reerguer o sítio Jaqueira com o apoio técnico da nossa equipe. O proprietário do sítio, Newton Campos, vem desempenhando há muitos anos um excelente trabalho de preservação do meio ambiente, e isso não pode ser interrompido”, disse Louzada.

Ambientalistas, professores universitários, estudantes e pessoas que se identificam com a causa ambiental criaram uma vaquinha on-line para arrecadar dinheiro para ajudar a recuperar o sítio. A contribuição pode ser feita clicando aqui.

CRIME AMBIENTAL – Em 2020, o Idaf realizou 12 autuações por queima ilegal no sul do Estado. A irregularidade consiste no uso de fogo em práticas agropecuárias, sem autorização prévia do Idaf, e empregar como combustível produtos florestais ou turfa sem uso de dispositivos que impeçam a difusão de fagulhas que possam provocar incêndio nas florestas.

No Espírito Santo, o emprego do fogo só é permitido na forma de queima controlada, para algumas atividades. Mas, durante o período de 1º de maio a 31 de outubro, o procedimento de queima controlada fica suspenso por causa da baixa umidade que pode provocar incêndios maiores. Só é liberada a queima controlada nesse período para o controle de pragas e doenças, e o despalhamento de cana-de-açúcar. Toda queima controlada somente pode ser realizada com autorização do Idaf.

O desrespeito às leis ambientais é considerado infração e até crime, e o responsável poderá ser penalizado com multa, obrigação de recuperação da área, e ainda pode responder cível e criminalmente na Justiça.

Caso presencie queima ilegal ou queima durante o período de proibição, denuncie pelo disque-denúncia 181. O contato pode ser anônimo. 

Fonte: Idaf-ES

Últimas notícias

CNC mantém trabalho para alavancar consumo global de café

O Conselho Nacional do Café (CNC) participa ativamente da Força-Tarefa Público-Privada do Café ...

Live da Favesu apresenta novidades para suinocultura

A organização da 6ª Feira de Avicultura e Suinocultura Capixaba (Favesu) iniciou, na ...

Crédito para custeio beneficia o planejamento no campo

A linha de crédito rural para custeio antecipado é uma importante ferramenta de ...

Preços de café batem recordes no mês de fevereiro no Espírito Santo

Os preços de café no Espírito Santo, em fevereiro deste ano, valorizaram em ...

Morre um dos mais importantes touros da raça Gir Leiteiro

Dragão TE morreu no dia 1º de março e deixa importante legado para ...