Idaf visita sítio referência em agroecologia que foi incendiado no sul capixaba

O sítio Jaqueira Agroecologia teve 90% de sua área destruída

O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), Mário Louzada, fez uma visita de reconhecimento no sítio Jaqueira Agroecologia, localizado em Alegre, no sul capixaba. O local teve 90% da sua área de vegetação destruída, o que representa 30 hectares de área reflorestada, após um foco de incêndio que começou na propriedade vizinha se espalhar e atingir o sítio, na última sexta-feira (11).

O gerente do escritório local do Idaf, Alisson Rodrigues Nunes, esteve no sítio no dia do incêndio e ajudou a mobilizar uma equipe de voluntários, dentre eles, nove militares do Tiro de Guerra de Alegre. Juntamente com subtenente Paulo Juliano de Souza Palermo, ajudaram a controlar o fogo. O escritório local do Idaf também solicitou bombas d’água ao Corpo de Bombeiros de Guaçuí para equipar os voluntários no combate ao fogo sendo prontamente atendido.

Segundo o diretor-presidente do Idaf, Mário Louzada, o sítio Jaqueira Agroecologia é referência no Espírito Santo quando o assunto é recuperação de nascentes, conservação de água e solo, pesquisas e reprodução de manejos conservacionistas, além de ser uma estação de educação ambiental para estudantes e especialistas.

“É papel do Idaf auxiliar na restauração florestal do Espírito Santo e, por isso, iremos ajudar a reerguer o sítio Jaqueira com o apoio técnico da nossa equipe. O proprietário do sítio, Newton Campos, vem desempenhando há muitos anos um excelente trabalho de preservação do meio ambiente, e isso não pode ser interrompido”, disse Louzada.

Ambientalistas, professores universitários, estudantes e pessoas que se identificam com a causa ambiental criaram uma vaquinha on-line para arrecadar dinheiro para ajudar a recuperar o sítio. A contribuição pode ser feita clicando aqui.

CRIME AMBIENTAL – Em 2020, o Idaf realizou 12 autuações por queima ilegal no sul do Estado. A irregularidade consiste no uso de fogo em práticas agropecuárias, sem autorização prévia do Idaf, e empregar como combustível produtos florestais ou turfa sem uso de dispositivos que impeçam a difusão de fagulhas que possam provocar incêndio nas florestas.

No Espírito Santo, o emprego do fogo só é permitido na forma de queima controlada, para algumas atividades. Mas, durante o período de 1º de maio a 31 de outubro, o procedimento de queima controlada fica suspenso por causa da baixa umidade que pode provocar incêndios maiores. Só é liberada a queima controlada nesse período para o controle de pragas e doenças, e o despalhamento de cana-de-açúcar. Toda queima controlada somente pode ser realizada com autorização do Idaf.

O desrespeito às leis ambientais é considerado infração e até crime, e o responsável poderá ser penalizado com multa, obrigação de recuperação da área, e ainda pode responder cível e criminalmente na Justiça.

Caso presencie queima ilegal ou queima durante o período de proibição, denuncie pelo disque-denúncia 181. O contato pode ser anônimo. 

Fonte: Idaf-ES

Últimas notícias

Palestra aborda tendências inovadoras para o turismo das montanhas capixabas

A pandemia trouxe diversas mudanças no comportamento do consumidor e todos os setores ...

Laboratório de leite do Idaf recebe credenciamento oficial

Após anos de trabalho e dedicação, o Laboratório de Análise da Qualidade do ...

Apenas três municípios do Espírito Santo estão em risco amarelo no Mapa Covid-19

O Governo do Estado anunciou, ontem (18), o 23º Mapa de Risco Covid-19, ...

Demanda de frete rodoviário no agronegócio tem incremento de mais de 10%

Segundo o Índice de Fretes e Pedágios Repom (IFPR), a demanda por frete ...

Preço do arroz deve permanecer entre R$ 5 e R$ 7 até março do ano que vem

Um dos alimentos mais consumidos na mesa dos brasileiros sofreu um aumento de ...