Indicações geográficas crescem mesmo em meio à pandemia

Levantamento mostra que o INPI já recebeu 10 novos pedidos de IGs, quase o total do ano passado

As indicações geográficas estão em franco crescimento no Brasil. Mesmo em meio à pandemia, de janeiro até agosto de 2020, o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) já recebeu 10 pedidos de registro de novas IGs – quase o total de 2019, que teve 11 solicitações no ano inteiro.

Os pedidos de IG em 2020

  • Café Conilon – Espírito Santo
  • Redes de Jaguaruana – Ceará
  • Café robusta Amazônia Matas de Rondônia – Rondônia
  • Cachaça de Morretes – Paraná
  • Artesanato de Resende Costa – Minas Gerais
  • Hortifrutos (abacate, alho, batata e cenoura) de São Gotardo – Minas Gerais
  • Vinhos e espumantes de Altitude – Santa Catarina
  • Pirarucu de Mamirauá – Amazonas
  • Maças e peras de São Joaquim – Santa Catarina
  • Mel de Melato de Bracatinga Planalto Sul Brasileiro – Santa Catarina
  • Em 2020, o INPI já concedeu 4 novas indicações geográficas:

Indicações de Procedência

  • Bordado de Caricó – RN
  • Vinhos da Campanha Gaúcha – RS
  • Abacaxi de Novo Remando – AM

Denominação de origem

Queijo de Campos de Cima da Serra – SC e RS

NOTORIEDADE – Esse mecanismo de reconhecimento da notoriedade de uma região e um povo em produzir bens e serviços específicos é uma forma de proteção à propriedade intelectual brasileira.

O Brasil é uma força nascente nesse universo, explorado há séculos pelos europeus – para citar os mais famosos: o queijo parmesão, o champagne, os azeites gregos, os vinhos de Rioja, relógios suíços!

O país contabiliza 69 indicações geográficas: 56 indicações de procedência e 13 denominações de origem, sendo esta uma categoria que protege produtos que resultam da combinação entre o saber fazer de uma cultura e as condições geográficas daquele ambiente.

No momento em que se discutem formas de potencializar o desenvolvimento regional, reaquecer a economia e valorizar a produção brasileira, falar de indicações geográficas é um prato cheio.

A cachaça, bebida autenticamente nacional, que nasceu quase junto do batismo do Brasil e hoje vive a melhor fase desde a criação; o cacau do Sul da Bahia e sua revolução feita de chocolate; e a erva-mate de São Matheus do Sul, que, de tão importante, bancou até a independência do Paraná do estado de São Paulo.

O consumidor quer consumir origem, apoiar o cultivo sustentável, saber quem são as pessoas por trás dos rótulos e como um produto chega até ele. Todas perguntas que as indicações geográficas são capazes de responder.

FONTE: Jornal do café

Últimas notícias

Pesquisadores elaboram dicionário das características sensoriais do chá-mate

Grupo avaliou amostras de chá de diferentes regiões do Brasil para definir 39 ...

Índia estabelece novas exigências para importação de 24 produtos vegetais

A exportação deve estar acompanhada por certificado oficial, atestando que os produtos não ...

Rota marítima pelo Pacífico pode reduzir custos de frete

Os agricultores que utilizam os portos do Arco Norte podem obter redução de ...

Região de Poços de Caldas investe em marca coletiva de café vulcânico

Poços de Caldas, no Sul de Minas, é destino de muitos turistas atraídos ...

Marco Legal das Startups é aprovado no Senado

Em 2021, a relação entre cooperativas e startups pode ser ainda mais estimulada ...