Iniciada pesquisa para produzir diesel verde a partir da carcaça de aves

Foto: Ubrabio

Diesel verde poderá ser criado a partir de carcaça de aves

A Embrapa Agroenergia, em parceria com a empresa Haka Bioprocessos, sediada em Catanduva (SP), inicia neste mês de outubro pesquisa que poderá resultar em um diesel verde obtido a partir da hidrogenação do bio-óleo de resíduos ósseos de aves. 

A unidade fará a caracterização dos componentes químicos da matéria-prima (bio-óleo), o pré-tratamento, a hidrogenação e a caracterização do produto final. A pesquisadora da Embrapa Itânia Soares, líder da pesquisa, conta que o objetivo do projeto, cuja duração é de dois anos, é chegar a uma composição próxima à do diesel petróleo, a partir da agregação de valor a um tipo de matéria-prima que usualmente não é utilizada na produção de diesel renovável.

“Utilizaremos o processo de hidrogenação para gerar hidrocarbonetos parafínicos com propriedades similares ao diesel de fonte fóssil e que se diferenciam do biodiesel, que é uma mistura de ésteres de ácidos graxos, por apresentarem maior estabilidade e maior poder calorífico”, explica Itânia. Além dela, fazem parte da equipe os pesquisadores Rossano Gambetta, Leonardo Valadares, Dasciana Rodrigues e Diogo Nakai, todos da Embrapa Agroenergia. 

O processo de hidrogenação é semelhante ao que a Embrapa Agroenergia já fez com o óleo de palma, conhecido por sua elevada acidez. A caracterização final do produto incluirá a análise da composição química e também das suas características físico-químicas, tais como poder calorífico, densidade e viscosidade. “Achamos o projeto bastante visionário por parte da empresa, que pretende agregar valor a um resíduo que já produz e encontrar uma nova solução verde e sustentável para a matriz energética brasileira”, afirma Itânia. 

DIESEL VERDE – O diesel verde ou diesel renovável, definido como combustível renovável para motores a combustão de ciclo diesel produzido a partir de matérias-primas renováveis, ainda não faz parte da matriz energética brasileira. No dia 17 de setembro, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) promoveu uma audiência pública com duração de cinco horas sobre a regulamentação de qualidade e a comercialização no País desse biocombustível.

“Com a produção de diesel verde a partir de ossos, estaremos inserindo a cadeia de proteína animal como importante agente na transição energética para uma economia de baixo carbono, oferencendo combustíveis e insumos renováveis para a agricultura e promovendo a economia circular para a descarbonização das suas atividades”, afirma o fundador e CEO da Haka Bioprocessos, Cyro Calixto. 

Após a regulamentação para comercialização em território nacional, o diesel verde deverá ser adicionado ao diesel de origem fóssil, que já possui obrigatoriamente 12% de biodiesel em sua composição. O resultado será uma mistura ternária, ou seja, um combustível composto por três diferentes produtos. 

“Esse projeto será um legado de longo prazo para o agronegócio brasileiro. Nossa expectativa é também levar essa tecnologia para os principais produtores de proteína animal como Europa e EUA, colocando essa solução na pauta de exportações nacionais, consolidando a vocação brasileira para a inovação tecnológica no campo”, prevê Calixto. 

A proposta de regulamentação do diesel verde está alinhada com a Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), que visa à expansão do uso de biocombustíveis na matriz energética brasileira com vistas à segurança energética, previsibilidade para a participação competitiva dos diversos biocombustíveis no mercado nacional e mitigação das emissões dos gases geradores do efeito estufa. 

Em outros países o diesel verde já é realidade e compõe os aumentos de percentuais de mistura com o biodiesel, justamente em função de ser um combustível de melhor qualidade, menos poluente e mais eficiente para os veículos. Na Europa, o biodiesel é permitido no teor máximo de 7% e nos Estados Unidos, o limite é de 5%.

A  regulamentação do diesel verde também poderá viabilizar a produção e comercialização do bioquerosene de aviação, já regulamentado pela ANP, uma vez que a produção de biocombustíveis no contexto de biorrefinaria gera diferentes bioprodutos em um mesmo processo.

Fonte: Embrapa

Últimas notícias

Senar lança cursos gratuitos de drones e inseminação artificial. Inscreva-se!

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) lançou três cursos de curta duração, ...

Especialistas do Brasil e exterior debatem mercado halal

O fórum de negócios Global Halal Brazil ocorre na próxima semana e terá ...

Estados Unidos mudam regras para ingresso de cães procedentes do Brasil

Os animais que chegam de países classificados como de alto risco para raiva, ...

Entidades afirmam que caso das búfalas de Brotas foge à regra dos produtores

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) publicou ...

Cadeia produtiva do leite é destaque em novo Boletim da Agricultura Familiar da Conab

Já está disponível, no site da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a publicação ...