Janeiro impulsiona preços no mercado do algodão

Preços recordes estão sendo observados no mercado brasileiro do algodão, mesmo após a colheita de uma safra também recorde no país, de 2,9 milhões de toneladas colhidas na temporada 2019/2020. “Alta no mercado internacional, valorização do câmbio e aumento da demanda em um momento que a oferta está reduzida”, estes são os principais fatores que influenciam neste cenário, segundo o presidente do Conselho de Administração da Bolsa Brasileira de Mercadorias, João Paulo Lefèvre.

O mesmo ocorreu nos mercados do milho e da soja em 2020. Mesmo com grandes volumes provenientes das lavouras brasileiras, os preços chegaram a patamares nunca antes vistos. Ontem (1º), o indicador de preços da Bolsa Brasileira de Mercadorias aponta para o valor acima de R$ 4,50 por libra peso na pluma (Posto São Paulo). Um mês atrás, o preço estava em R$ 3,84. 

A alta passou de 16% no acumulado de janeiro frente a dezembro e a produção da safra anterior já foi praticamente toda vendida. “Os produtores estão esperando terminar o benefício e as entregas dos contratos já feitos para ver o que e quanto vão poder oferecer agora”, explica Lefèvre, que é também um dos sócios da Lefèvre Corretora.

Na ponta compradora, a China segue sendo o principal destino dos embarques brasileiros e o apetite do país asiático também ajuda a dar suporte aos preços internos. Outro fator de alta dos preços no mercado futuro, que deverá ser sentido a partir de agosto, é que este ano, a área plantada no Brasil será 17% menor do que na temporada anterior, segundo projeções.

A redução é fruto de uma decisão tomada por produtores em um passado recente, quando os preços não estavam tão atrativos, pois a cadeia do algodão sofria os impactos de uma menor demanda causada pela pandemia de coronavírus. A área que não terá algodão este ano recebeu sementes de soja e milho.

“Isso, porque esses dois grãos estavam mais atrativos até poucos meses atrás, enquanto o algodão passava por um processo de redução de preços muito forte. Imagine todas as lojas e todos os shoppings centers de várias cidades do mundo fechadas por 30, 40 dias. Sem dúvida, foi um grande impacto para o setor”, explanou Jonas Nobre, da Laferlins, outra corretora de algodão associada à Bolsa. A recuperação do setor pôde ser sentida já no fim de 2020, quando mesmo com os receios da segunda onda de Covid-19 em diferentes países, o consumo recuperou patamares de pré-pandemia.

Segundo projeções da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) apresentadas na última reunião da Câmara Setorial realizada em dezembro, a expectativa para o consumo da pluma em 2021 é animadora. Se tudo se confirmar, o Brasil deve consumir 720 mil toneladas. Em uma expectativa mais otimista para um prazo mais longo, as entidades esperam que a indústria têxtil local volte a consumir um milhão de toneladas.

Fonte: Bolsa Brasileira de Mercadorias

Últimas notícias

Incaper lança revista sobre Indicações Geográficas e Certificação na Agropecuária Capixaba

O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) lançou a ...

Açúcar: demanda fraca pressiona cotação do cristal

Os preços do açúcar cristal recuaram no mercado paulista, enquanto as negociações estiveram ...

Brasil bate recorde histórico em exportação de frutas em 2021

A demanda internacional aquecida, o clima favorável para a produtividade, a qualidade dos ...

Café solúvel quebra de recordes em 2021 e exporta para 98 países

Em mais um ano marcado pelo agravamento da pandemia mundial da Covid-19, que ...

Produtores rurais afetados pela alta temperatura e estiagem recebem orientação em SP

A Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP) está ...