Janeiro impulsiona preços no mercado do algodão

Preços recordes estão sendo observados no mercado brasileiro do algodão, mesmo após a colheita de uma safra também recorde no país, de 2,9 milhões de toneladas colhidas na temporada 2019/2020. “Alta no mercado internacional, valorização do câmbio e aumento da demanda em um momento que a oferta está reduzida”, estes são os principais fatores que influenciam neste cenário, segundo o presidente do Conselho de Administração da Bolsa Brasileira de Mercadorias, João Paulo Lefèvre.

O mesmo ocorreu nos mercados do milho e da soja em 2020. Mesmo com grandes volumes provenientes das lavouras brasileiras, os preços chegaram a patamares nunca antes vistos. Ontem (1º), o indicador de preços da Bolsa Brasileira de Mercadorias aponta para o valor acima de R$ 4,50 por libra peso na pluma (Posto São Paulo). Um mês atrás, o preço estava em R$ 3,84. 

A alta passou de 16% no acumulado de janeiro frente a dezembro e a produção da safra anterior já foi praticamente toda vendida. “Os produtores estão esperando terminar o benefício e as entregas dos contratos já feitos para ver o que e quanto vão poder oferecer agora”, explica Lefèvre, que é também um dos sócios da Lefèvre Corretora.

Na ponta compradora, a China segue sendo o principal destino dos embarques brasileiros e o apetite do país asiático também ajuda a dar suporte aos preços internos. Outro fator de alta dos preços no mercado futuro, que deverá ser sentido a partir de agosto, é que este ano, a área plantada no Brasil será 17% menor do que na temporada anterior, segundo projeções.

A redução é fruto de uma decisão tomada por produtores em um passado recente, quando os preços não estavam tão atrativos, pois a cadeia do algodão sofria os impactos de uma menor demanda causada pela pandemia de coronavírus. A área que não terá algodão este ano recebeu sementes de soja e milho.

“Isso, porque esses dois grãos estavam mais atrativos até poucos meses atrás, enquanto o algodão passava por um processo de redução de preços muito forte. Imagine todas as lojas e todos os shoppings centers de várias cidades do mundo fechadas por 30, 40 dias. Sem dúvida, foi um grande impacto para o setor”, explanou Jonas Nobre, da Laferlins, outra corretora de algodão associada à Bolsa. A recuperação do setor pôde ser sentida já no fim de 2020, quando mesmo com os receios da segunda onda de Covid-19 em diferentes países, o consumo recuperou patamares de pré-pandemia.

Segundo projeções da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) apresentadas na última reunião da Câmara Setorial realizada em dezembro, a expectativa para o consumo da pluma em 2021 é animadora. Se tudo se confirmar, o Brasil deve consumir 720 mil toneladas. Em uma expectativa mais otimista para um prazo mais longo, as entidades esperam que a indústria têxtil local volte a consumir um milhão de toneladas.

Fonte: Bolsa Brasileira de Mercadorias

Últimas notícias

Definidas condições para liberação de linha de crédito para cafeicultores atingidos por geadas

O Voto será submetido ao Conselho Monetário Nacional, para em seguida disponibilizar essa ...

Congresso das Mulheres do Agronegócio terá debate sobre “Bioeconomia” e a relação entre o progresso econômico e o meio-ambiente

Mesa-redonda reunirá representantes de diferentes elos da cadeia produtiva para discutir os melhores ...

Exportações do agronegócio batem recorde para setembro, com US$ 10,1 bilhões

O complexo soja e as carnes foram destaques nas exportações do mês, registrando ...

Lançadas as primeiras variedades de batata coloridas do Brasil

Chegam ao mercado nacional as primeiras variedades de batata coloridas desenvolvidas no Brasil ...

Cooperativa lança plataforma com o maior acervo digital do agro

A Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) coloca no ar hoje (15), a maior ...