Juro alto prejudica produtores no crédito rural

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP), Fábio de Salles Meirelles, ao comentar a reunião do Copom que começou ontem (26) e termina hoje (27), na qual se estabelece a Selic para os próximos 45 dias, diz entender a elevação prevista – o mercado estima em até 1,5 ponto percentual – como esforço do Banco Central para conter a inflação, mas alerta que os juros maiores prejudicam os produtores rurais num momento em que o crédito agrícola é decisivo.

“Seca, geadas, crise hidroenergética, embargo à carne brasileira na China e a pandemia prejudicaram demais a agropecuária em 2021. Por isso, aumentar o custo financeiro dos custeios e investimentos é um agravante”, diz Meirelles. Segundo ele, a grande preocupação é que parece que a escalada das taxas de juros tem tido efeito limitado na correção das expectativas e limitação da inflação.

“Há componentes externos e estruturais impactando os custos, fatores que neutralizam os resultados esperados pela elevação da taxa básica de juro. E, por outro lado, as taxas de juros mais elevadas aumentam o endividamento das empresas, o custo da dívida pública e desenham um cenário de menor crescimento para economia brasileira nos próximos anos”, complementa.

Muitos produtores têm de recorrer ao mercado financeiro, pois os recursos do Plano Safra, com linhas especiais e taxas menores, não são suficientes para atender todos. Por essa razão, a FAESP se dirigiu às autoridades federais e estaduais, bem como às instituições financeiras, solicitando atenção aos pedidos de prorrogação de contratos realizados por parte dos produtores paulistas e que estejam próximos do vencimento. Meirelles informa ter também pedido, inclusive aos bancos oficiais e ao governo, algumas providências, conforme abaixo:

Apuração, caso a caso, com a realização dos respectivos levantamentos técnicos e periciais, das perdas decorrentes dos fatores climáticos acima noticiados, nos termos do Manual de Crédito Rural do Banco Central do Brasil (MCR), de maneira a conceder condições, prazos, carência e prorrogação dos contratos firmados.

Linha de crédito de recuperação de cafezais danificados, disponibilizada com recursos do Funcafé, que conta com reserva de R$ 1,30 bilhão e será em breve disponibilizada para acesso pelas instituições financeiras. A demanda é para o uso efetivo dessa linha para auxiliar os cafeicultores paulistas.

Criação de linha de crédito especial, com prazo de reembolso e condições facilitadas, para viabilizar a recuperação da estrutura produtiva e manutenção das atividades agropecuárias atingidas pela geada, seca e vendavais, dentre outras ocorrências climáticas.

Que, ao menos neste momento, seja evitada a prática de inserção do nome do produtor como inadimplente nos órgãos de restrição ao crédito, como SPC e SERASA, impedindo assim o agravamento da situação, já bastante dramática para o setor agropecuário.

“O crédito rural é um importante instrumento de política pública, que propicia aos produtores rurais a possibilidade de adoção de novas tecnologias no campo, de modernização da agropecuária e elevação dos volumes produzidos”, reitera Meirelles. Os ofícios ao setor financeiro foram enviados ao Bradesco, Itaú, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Mercantil do Brasil, Sicoob/Bancoob, Safra e Santander, além da Federação Nacional dos Bancos (Febraban).

Ao Governo de São Paulo, a FAESP solicitou a prorrogação das parcelas dos financiamentos vigentes com recursos do FEAP (Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista), com a transferência de prestações vincendas para um ano após a última prestação prevista em contrato; e criação de linha de crédito emergencial, com recursos do FEAP, para recuperação da estrutura produtiva e manutenção das atividades agropecuárias atingidas pelas geadas.

Para o Governo Federal, a entidade pediu, em ofício ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e ao das Relações Exteriores, maior esforço diplomático para reverter o embargo mantido pelo governo chinês à importação de carne bovina brasileira. O documento, assinado por Meirelles, ressalta o grande impacto negativo para os pecuaristas.

Fonte: Ricardo Viveiros & Associados – Oficina de Comunicação

Últimas notícias

Valor da contribuição mensal do MEI vai aumentar em fevereiro

Os microempreendedores individuais devem ficar atentos ao reajuste na contribuição mensal, que passa ...

Impacto ambiental urbano pode ser maior que do agro

O Brasil teve um ano de destaque no direito ambiental e terá que ...

Produção de café deve atingir 55,7 milhões de sacas na safra de 2022

Os produtores de café deverão colher a terceira maior safra do grão neste ...

Produtores celebram colheita e resultados da primeira safra de Uvas em Guarapari

Sandra Butke, em suas parreiras no início da produção. Para diversos produtores rurais ...

Ceasa-ES orienta produtores sobre armazenamento adequado de alimentos

A ação, que teve início na última quinta-feira (13) e tem previsão de ...