Livro gratuito expõe os prejuízos econômicos da mudança climática

Junho, mês em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente (último dia 5), é momento de fazer as contas e amargar um prejuízo: o mundo já está perdendo dinheiro com a mudança climática, um rombo que recai sobre setores tão diversos como agricultura, energia e saúde, com impacto ainda mais pesado em regiões como a da América Latina. É o alerta do livro Mudanças do clima – tudo o que você queria e não queria saber, de Sergio Margulis, que tem distribuição gratuita no site www.mudancasdoclima.com.br. A obra é editada pela Fundação Konrad Adenauer, em parceria com o Instituto Clima e Sociedade.

“Hoje o prejuízo da mudança climática é três vezes o prejuízo que a economia tem com a pandemia do novo coronavírus. Não é à toa que, em meio à pandemia do novo coronavírus, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, convocou chefes de 40 países para discutir mudança climática. Os EUA querem liderar a questão, que é chave para o desenvolvimento econômico mundial”, afirma o autor.

Com atuação como economista de meio ambiente do Banco Mundial, onde trabalhou por duas décadas, Margulis apresenta uma abordagem didática do desastre ambiental pelo ponto de vista econômico, baseado nos dados mais recentes sobre o aquecimento global. “O objetivo é massificar o assunto para chegar a todas as classes socioeconômicas. Às lideranças empresariais e governamentais para que tomem medidas que não sejam ‘para inglês ver’ e à população para que tome consciência e reivindique”, declara.

O texto discute quem são os responsáveis pela mudança climática, incluindo setores econômicos e classes de renda, geração e consumo de energia, o consumo como causa subjacente; negociações globais; adaptação e pobreza; redução de emissões e o papel do Brasil no contexto mundial, incluindo o controle do desmatamento, entre outros tópicos que abrangem das causas à solução.

A mudança climática exige transformação contundente e imediata da economia, por sobrevivência dos mercados e das pessoas, pontua Margulis. A grande causa do aquecimento global é o consumo realizado pelos países e indivíduos mais ricos. O prejuízo, no entanto, recai principalmente sobre os mais pobres, que têm menor capacidade de se adaptar e lidar com as novas condições climáticas.

“O carbono terá que ser precificado e nosso modelo de consumo terá que se ajustar, a fim de viabilizar as medidas de redução de emissão de CO2 para uma recuperação ambiental que resguarde a continuidade dos mercados”, destaca.

Os acordos mundiais ainda não foram efetivos nesse sentido, diz. “Os limites de emissão de gases poluentes para o mundo não aquecer acima de 2 graus são conhecidos. Eles deveriam ser o ponto de partida para as negociações globais do clima”, comenta Margulis, em crítica sobre Acordo de Paris, que terá seu aguardado terceiro encontro de signatários em novembro, na COP26, na Escócia.

Fonte: Fleishman Hillard do Brasil

Últimas notícias

Cooperativas capixabas podem usar Funsaf para modernização da produção agrícola

A economia colaborativa é realidade no Espírito Santo há anos. No mundo agropecuário, ...

Recuperação de nascentes beneficia comunidade rural

Uma parceria firmada entre Emater-MG, prefeitura, Copasa e produtores rurais permitiu a criação ...

Faculdade CNA está com inscrições abertas para o vestibular

A Faculdade CNA está com inscrições abertas até o dia 23 de fevereiro ...

Inscrições para coordenação de pesquisa sobre peixes começam na segunda-feira (24)

As inscrições para a seleção de coordenador de projeto de pesquisa do Instituto ...

Venda Nova do Imigrante é destaque em projeto de qualificação do turismo rural

A rota de Agroturismo em Venda Nova do Imigrante foi validado pelo Ministério ...