Madrugada gelada com geada e temperatura próxima de 0ºC colocam plantações em risco

Foto: Nelson Pacheco

Monte Verde, distrito de Camanducaia, é conhecida pelas baixas temperaturas

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) prevê para a madrugada desta quarta-feira (26) temperaturas próximas de 0ºC que podem atingir pelo menos 75 cidades de Minas Gerais, nas regiões Sul e Sudoeste. As baixas temperaturas tardias, apesar de ainda estarmos no inverno, colocam plantações de pêssego, café, uva, dentre outras, em risco.

De acordo com o aviso, os termômetros podem fica entre 3ºC e 0ºC a partir das 4h e são o sinal de que a frente fria que chegou ao Estado no último final de semana ainda não perdeu força.

“Essa onda de frio que avançou pela região Centro-Sul no Brasil já provocou temperaturas próximas a 0 °C e ocorrência de geadas, principalmente próximo à Serra da Mantiqueira. Essas baixas temperaturas com a formação de geada previstas para amanhã, estão ocorrendo desde domingo (23), explicou o engenheiro agrônomo do Campo Experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), em Maria da Fé, Pedro Moura.

Ele explica que o frio intenso atrapalham a essa altura do ano, já que as temperaturas baixas necessárias no período já ultrapassaram o mínimo necessário das 300 horas.

“As estações meteorológicas automáticas em Maria da Fé já registraram acima de 1.400 horas de frio abaixo de 12º. E quando ocorre a geada, a camada de gelo que se forma sobre as plantas, quando chega a congelar suas partes, provoca danos nesses tecidos vegetais. Eles vão ser mais severos ou não dependendo da intensidade do frio e da geada, também da espécie cultivada e da fase de desenvolvimento em que essas plantas estão”, continuou Moura.

Ele ressalta que como as oliveiras já começaram a florir no município, um dos que pode receber geada nesta madrugada, as plantas podem ficar danificadas, mas de forma mais branda.

“Os impactos tendem a ser menores, pois as frutíferas e as oliveiras são árvores que tendem a tolerar mais o frio. E geralmente essas plantas são cultivadas em áreas mais altas no terreno, sendo que as geadas costumam ocorrer de forma mais intensa nas partes baixas”, afirmou.

“Já alguns produtores de grãos como feijão e soja, por exemplo, ou de hortaliças, tendem a ter maiores prejuízos, visto que essas culturas são mais sensíveis”, completou.

MAIS ESTRAGOS – A chuva de granizo que atingiu a região de Andradas na última semana deixou estragos nas plantações de uva. De acordo com a Epamig, apenas um produtor de vinhos de inverno na região não havia efetuado a colheita antes do fenômeno.

“Nesse caso, a tela de proteção dos cachos preservou os frutos e as gemas dos ramos dos danos da chuva”, disse o pesquisador Francisco Mickael Câmara.

Porém, aqueles que já haviam feito a poda pensando na colheita de verão para a fabricação de espumantes ficaram prejudicados. “Alguns produtores já haviam realizado a poda, entre meados e fim de julho, e a chuva coincidiu com a florada”, completou.

Fonte: O Tempo

Últimas notícias

Rastreabilidade do gado atende às exigências do mercado europeu e proporciona maior rentabilidade aos pecuaristas

O mercado internacional de carne bovina está em crescimento. Segundo o USDA, serão ...

Cinco plantas para melhorar a energia do lar

Elas servem para perfumar, embelezar e até mesmo para alimentar. Mas o que ...

Oeste da Bahia vai ampliar cultivo de cereais e pode ajudar autossuficiência do Brasil

A triticultura da região oeste da Bahia pode contribuir na busca por autossuficiência ...

Mundo digital é uma oportunidade de negócios no agro

O agronegócio avançou fortemente em termos de digitalização durante a pandemia do novo ...

Estudantes realizam ação de reflorestamento em Colatina

A atividade foi coordenada pelo Núcleo de Educação Ambiental e Agroecologia Estudantes e ...