Manguezais podem ajudar Brasil a reduzir emissão de carbono, aponta pesquisa

Foto: Pablo Albarenga/National Geographic

O aumento da proteção dos manguezais do Brasil pode ajudar o país a cumprir as metas de redução de emissões de carbono. É o que revela uma nova pesquisa da National Geographic e da Expedição Perpetual Planet Amazônia da Rolex publicada nesta semana na revista científica Nature Communications. Intitulado A inclusão dos manguezais da Amazônia no programa REDD+ do Brasil, o estudo tem a participação do professor do Departamento de Oceanografia da Ufes e explorador da National Geographic Angelo Bernardino.

Anúncio

A pesquisa sugere que os manguezais do Brasil possuem um potencial inexplorado de mitigação climática, sequestrando cerca de 468,3 toneladas de carbono por hectare – uma capacidade aproximadamente três a 20 vezes maior que a dos biomas de terras altas brasileiros. O estudo propõe que é essencial que os manguezais do Brasil sejam incluídos nas Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs) do país como parte do Acordo de Paris e que possam ser posteriormente utilizados no sistema voluntário de crédito de carbono para financiar a preservação de florestas por meio da iniciativa REDD+ (incentivo desenvolvido no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima – UNFCCC para recompensar financeiramente países em desenvolvimento por seus resultados de redução de emissões de gases de efeito estufa provenientes do desmatamento e da degradação florestal).

Anúncio

O Brasil abrange o segundo maior repositório de manguezais do mundo, mas a estratégia nacional do REDD+ no país atualmente não inclui a mitigação do desmatamento de manguezais no contexto de pagamentos baseados em resultados visando à redução de emissões no âmbito da UNFCCC.

A fim de entender melhor seu impacto potencial e defender esses ecossistemas costeiros cruciais, Bernardino e uma equipe de pesquisadores analisaram 900 amostras de solo e medições de árvores de mais de 190 lotes florestais para determinar os níveis de emissão de manguezais em áreas intocadas e desmatadas perto da foz do Rio Amazônia, incluindo Sucuriju, Araguari e Bailique, e a leste, incluindo Curuçá, Maracanã e Bragança.

“As atuais metas de redução de emissões do governo brasileiro não enfatizam os benefícios climáticos dos manguezais na Amazônia”, diz Bernardino, principal autor do estudo. “As nossas descobertas sugerem que, ao mitigar a perda de apenas um hectare de manguezais, chegamos a proteger o equivalente a mais de 100 hectares de florestas secundárias de terras altas, em termos de emissões de carbono evitadas. Interromper o desmatamento de manguezais no bioma da Amazônia brasileira evitaria emissões equivalentes àquelas emitidas por mais de 200 mil carros movidos a gasolina todos os anos. Temos uma oportunidade única de abordar essa lacuna para aprimorar os esforços de conservação do Brasil no bioma Amazônia”, destaca o professor.

Fonte: Ufes, com informações da National Geographic

Anúncio

Anúncio

Últimas notícias

Campeonato Brasileiro de Blends de Café será realizado no São Paulo Coffee Festival

Foto: Freepik A Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) realizará a etapa ...

Equipes coletam dados para nova pesquisa da Conab da safra brasileira de grãos

Foto: iStock Farmer handful of harvested corn kernels from the heap loaded into ...

Comidas típicas da festa junina contam com 36% de impostos no preço final

Foto: Julio Huber A chegada das festas juninas costuma ser motivo de alegria ...

Capixaba é eleito o melhor criador e expositor na Megaleite 2024 na categoria CCG 1/2 Hol + 1/2 Gir

Encerrada a 19ª edição da Megaleite no último sábado (15), a Associação Brasileira ...

Equipamento promete secagem de cafés especiais em menos de 24 horas

Tecnologia desenvolvida pela Dryeration, foi testada e aprovada por produtores da Alta Mogiana ...