Mercado da cachaça registra queda de 23,8% no consumo

O setor da cachaça, que segundo dados do Instituto Brasileiro da Cachaça (IBRAC), gera atualmente cerca de 600 mil empregos diretos e indiretos no país, registrou queda de 23,8% em 2020, sendo a maior redução registrada nos últimos cinco anos. Os dados da queda são do relatório anual da Euromonitor International, líder global no fornecimento de pesquisa de mercado. Segundo a Euromonitor International, em 2020 foram comercializados 399 milhões de litros da bebida tipicamente brasileira.

De acordo com Carlos Lima, diretor executivo do IBRAC, a queda é o resultado de vários fatores, em especial, o fechamento de bares e restaurantes em virtude da crise gerada pelo novo coronavírus e de outras restrições ao consumo de bebidas alcoólicas. Isso afetou diretamente o setor da cachaça, que tem nesses locais os seus principais canais de distribuição, uma vez que representam 70% das vendas da bebida. “Em 13 meses de pandemia (abril/20 a abril/21), os bares e pontos de dose de cachaça ficaram fechados em média 10 meses, com variações pontuais de cidade para cidade”, completa.

Lima pontua que a pandemia agravou um setor já castigado. Segundo ele, formado por micro, pequenas, médias e grandes empresas, o mercado produtor de cachaça já enfrentava dificuldades em função da alta carga tributária quando, em 2015, foi afetado consideravelmente por aumento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que resultou, em alguns casos, em um aumento superior a 200% só no valor do IPI pago.

“A cachaça é hoje um dos produtos mais taxados do Brasil. Considerando apenas os principais impostos (PIS, COFINS, ICMS e IPI) e, com base em alíquotas nominais, tendo como referência o estado de São Paulo, a carga direta do setor é de 59,25%. Considerados impostos diretos e indiretos esse número ultrapassa 80%”, explica.

“A categoria de cachaças no Brasil, apesar de representar a grande maioria dos destilados consumidos, ainda é muito dependente do consumo fora do lar, em bares e restaurantes, e vem sofrendo com a competição de novos produtos que entraram no mercado recentemente, como o gim e o aumento no consumo de uísque. Além disso, é uma categoria que opera com preços mais baixos, o que prejudica a margem e a faz sensível às mudanças drásticas do mercado, como foi o caso em 2020, com a pandemia”, afirma Rodrigo Mattos, analista de Alcoholic Drinks da Euromonitor International.

SETOR – Segundo a Euromonitor International, a cachaça representa mais de 72% (volume) do mercado de destilados no Brasil. O país registra aatualmente cerca de 1.086 estabelecimentos produtores de cachaça e aguardente, em 835 municípios brasileiros, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Segundo o IBRAC, a comparação dos dados do MAPA com os do Censo Agropecuário do IBGE de 2016 indica que a informalidade do setor é 90,15% em número de produtores. Essa diferença entre o mercado formal e informal de produção brasileira é também atribuída à alta carga tributária sofrida pelo setor.

Fonte: Upperpr

Últimas notícias

Revista Negócio Rural vence prêmio de jornalismo de Pernambuco

O cooperativismo conecta pessoas e também histórias. Que similaridade poderia haver entre as ...

Serenata Italiana será no próximo sábado (09) em Venda Nova do Imigrante

Relembrar os costumes dos primeiros imigrantes italianos que chegaram em Venda Nova do ...

Expoagro é uma das vitrines para o agronegócio de Mato Grosso

Mato Grosso é destaque internacional quando se trata de agronegócio. E a Capital ...

Colheita de uva é sucesso em Linhares

Ao menos de quatro mil pessoas passaram pelo parreiral de uva do Polo ...

Conheça o vencedor do 1º Concurso de Café Conilon de Jaguaré

O ganhador do 1º Concurso de Café Conilon de Jaguaré foi conhecido neste ...