No Dia Mundial da Água, entidade nacional destaca a prioridade em saneamento

Criado pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Dia Mundial da Água tem como intuito debater a importância da utilização sustentável desse recurso natural mais importante para a humanidade. E nada mais apropriado do que discutir uso, tratamento e reaproveitamento da água no Brasil, país que, segundo dados de 2019 do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), não trata esgoto de quase metade dos brasileiros e não atende com água potável 16,3% da população.

“Temos um caminho longo até a universalização dos serviços. São cerca de 40 milhões de brasileiros sem acesso à água tratada e quase 100 milhões que não contam com coleta de esgoto”, diz Paulo Engler, diretor-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Higiene, Limpeza e Saneantes de Uso Doméstico e de Uso Profissional (ABIPLA), entidade que reúne, entre seus associados, fabricantes de produtos de tratamento de água.

Continua após o anúncio

SAÚDE PÚBLICA – Entre as consequências da falta de saneamento, além da contaminação de rios e praias, preocupa a disseminação de doenças de veiculação hídrica, ou seja, enfermidades nas quais a água é o principal veículo de transmissão (amebíase, giardíase e cólera são alguns exemplos). Segundo dados do Painel Saneamento Brasil, do Instituto Trata Brasil, esse tipo de doença foi responsável pela internação de 233.880 pessoas em 2018. Do total, 2.180 perderam a vida.

As regiões mais afetadas foram Norte e Nordeste, justamente as que registram os piores índices de saneamento no país. Na região Norte, 43% da população não tem acesso à água tratada e 89,5% não tem coleta de esgoto. No Nordeste, os índices são, respectivamente, de 25,8% e 72%. “Os números são alarmantes, mas o Marco Legal do Saneamento, aprovado em 2020, pode mudar este cenário”, diz Engler.

MARCO LEGAL DO SANEAMENTO – O Marco Legal do Saneamento, estabelecido pela Lei nº 14.026/2020, visa atrair capital privado para o saneamento no Brasil, já que, atualmente, o setor público representa cerca de 94% das empresas de tratamento de água e esgoto do país, segundo dados do portal Senado Notícias. Estima-se que sejam necessários aportes de cerca de R$ 500 bilhões para que se atinja a universalização do sistema.

“É um grande investimento, mas é fundamental que se entenda o ganho social e econômico da universalização do tratamento de água e esgoto. Do lado social, a população brasileira será atendida de forma integral com um recurso fundamental para a vida. Doenças e mortes serão evitadas, o que acarreta menos pressão e gastos no sistema público de saúde. Além disso, as obras de infraestrutura vão contribuir com geração de empregos em todas as regiões, gerando ganho em diversas cadeias produtivas, como construção civil, equipamentos e produtos químicos”, analisa Engler.

Fonte: ABIPLA

Últimas notícias

Cadeia produtiva do café é homenageada na Assembleia Legislativa do ES

O jornalista, apresentador e diretor da Revista Negócio Rural, Bruno Faustino, foi um ...

Sementes de Palmeira Juçara serão lançadas por pilotos durante Voo Livre em Alfredo Chaves

Mais de 300 mil sementes de Palmeira Juçara foram doadas pelo Instituto Capixaba ...

Mapa registra mais 20 defensivos de controle biológico, incluindo produtos para uso na agricultura orgânica

Em 2022 já foram registrados 36 produtos de baixa toxicidade para o controle ...

Evento em Vitória destaca a importância da agricultura familiar capixaba

A agricultura familiar é uma das responsáveis por contribuir com os alimentos que ...

Avião caracterizado de abelha decola em homenagem aos maiores polinizadores do planeta

Piloto de aviões agrícolas há mais de 40 anos, José Paulo Garcia fez ...