Nuvem de gafanhotos devoradores pode chegar ao Brasil nos próximos dias

Foto: Governo de Córdoba

Julio Huber

Uma nuvem de gafanhotos que está devorando plantações agrícolas na Argentina deve chegar ao Brasil nos próximos dias. Autoridades do governo brasileiro estão em alerta e monitorando o caso. Pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e do Ministério da Agricultura estão conversando sobre medidas a serem adotadas caso os insetos cheguem ao Brasil.

De acordo com o engenheiro agrônomo argentino Héctor Medina, em aproximadamente um quilômetro quadrado pode ter até 40 milhões de insetos, que podem consumir, em um dia, a quantidade de pasto equivalente ao que duas mil vacas comem, ou o alimento de 350 mil pessoas. Os insetos vieram do Paraguai e, por lá, destruíram lavouras de milho. Agora, a praga avança no território argentino que faz fronteira com o Brasil e com o Uruguai.

A expectativa é de que a praga pode chegar ao oeste do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, oferecendo riscos às lavouras desses estados. As principais regiões atingidas na Argentina são as províncias de Santa Fé, Formosa e Chaco, onde existe produção de cana-de-açúcar e mandioca e a condição climática é favorável.

Mapa de alerta divulgado pelo Senasa mostra que a fronteira com o Brasil está em vermelho

O Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa) da Argentina publicou um mapa com alerta da praga em que é possível ver uma faixa vermelha que representa ‘perigo’. Regiões da fronteira oeste do Rio Grande do Sul estão no alerta dos argentinos.

Ontem (22), o governo da província de Córdoba, na Argentina, também alertou para a passagem dos gafanhotos na região. “O Ministério da Agricultura de Córdoba e o Senasa monitoram a situação. Em Córdoba, ambas as propriedades possuem protocolos de trabalho para serem ativados em caso de entrada da praga”, disse por meio do Twitter.

Em outra postagem, o Senasa mostra o prejuízo causado pela nuvem de gafanhotos em lavouras de milho e mandioca. “Notamos a presença de uma nuvem de gafanhoto do Paraguai, em Colonia Santo Domingo, na cidade do General Manuel Belgrano, Formosa. Vamos avaliar a densidade da população da peste e os danos causados ao milho e mandioca”.

Em uma foto publicada pelo Senasa mostra a destruição em lavouras de milho

Nas redes sociais, o engenheiro agrônomo e chefe do Programa Nacional de Gafanhotos do Senasa, Hector Emilio Medina, postou imagens impressionantes do seu trabalho. Em uma postagem, ele comenta que esta é a primeira vez que em muitos anos o Brasil e o Uruguai aparecem no mapa de alerta da praga.

Em entrevista ao Canal Rural, o presidente do Sindicato Rural de Alegrete, no Rio Grande do Sul, Luiz Plastina Gomes, falou sobre a preocupação com a possível chegada dos insetos ao estado gaúcho. “Estamos saindo de uma seca muito grande, e nos preocupa uma influência negativa se chegar até aqui essa nuvem de gafanhotos. As últimas nuvens de insetos que temos registro na região ocorreram dos anos de 1920 e 1930, o que era comuns em épocas de estiagem e traziam grandes prejuízos”, informou.

O governo argentino afirma que os insetos podem passar por vilas e cidades, mas não causam danos diretos aos seres humanos, apenas causam riscos a plantações e pastagens.

Últimas notícias

Força tarefa do agro vai ajudar produtores com prejuízos da chuva de granizo

As recentes chuvas de granizo atingiram municípios do interior do Espírito Santo no ...

Mudas de café conilon clonal são produzidas e plantadas nas montanhas

Santa Maria de Jetibá, conhecida como a cidade que mais produz ovos no ...

A importância do tratamento homeopático em animais

Low angle portrait of cute dog resting on rug and looking forward with ...

BSCA E Apex-Brasil renovam projeto de promoção internacional dos cafés especiais

Estruturado sobre os pilares de inteligência mercadológica, promoção interna e externa e consolidação ...

Exportações de carne suína registram maior volume mensal da história

As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) ...