ONGs incentivam mudança no prato para sistema alimentar mais sustentável

Criado para refletir sobre a realidade da fome, da segurança alimentar e nutricional e da necessidade de refeições saudáveis, o Dia Mundial da Alimentação, comemorado amanhã (16), está na pauta de ONGs nacionais e internacionais que defendem a mudança para um prato sem produtos de origem animal como forma de tornar o sistema alimentar mais sustentável.

Neste ano, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), responsável pela criação da data, aposta em uma campanha com o tema enfatizando que “as nossas ações são o nosso futuro”, algo que vai ao encontro do que defendem a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), a ONG Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal, a Sinergia Animal Brasil, a Million Dollar Vegan e o movimento Plant Based Treaty.

“Repensar as cadeias de produção de alimentos e nossas escolhas alimentares diárias é o primeiro e importante passo para a transformação dos sistemas alimentares atuais em sistemas mais eficientes que utilizem menos recursos naturais, produzindo mais calorias e nutrientes que garantam segurança alimentar. Acreditamos que a mudança de protagonismo da base proteica animal para a vegetal é o primeiro grande passo para que isso aconteça”, destaca a nutricionista e diretora de campanhas da SVB, Alessandra Luglio.

Para as ONGs representantes da defesa animal, a agricultura próspera, inclusiva, sustentável e com baixas emissões, como deseja a FAO, só será alcançada quando a indústria tornar sua produção condizente com as necessidades do planeta.

“Estima-se que a produção mundial de carne aumente acompanhando o crescimento populacional e, para acompanhar essa demanda, a terra é desmatada. Mais de 50 mil hectares de florestas são desmatados por agricultores e madeireiros por dia no mundo todo, uma área que equivale a mais de 10 mil campos de futebol é destruída a cada dia só na bacia amazônica. Este desmatamento intenso resulta na perda de habitat para os animais, amplificação dos gases de efeito estufa e interrupção dos ciclos da água”, alerta o gerente de campanhas do Fórum Animal, Taylison Santos.

Só no Brasil, a FAO estima que quase 50 milhões de pessoas vivem em situação de insegurança alimentar grave ou moderada. A situação é agravada pela pandemia e ocorre ao mesmo tempo em que a produção de carnes no país é gigantesca – segundo o IBGE, só em 2020, a indústria abateu 29,7 milhões de bois, 49,3 milhões de suínos e 6 bilhões frangos no país. A diretora de campanhas da SVB observa que a conta não está fechando e que é urgente a necessidade de mudança dos hábitos alimentares de consumo.

Ao advertir que a produção de carne e derivados de origem animal provoca emissões de dióxido de carbono, metano e óxido nitroso, os três principais gases do efeito estufa, a rede global de grupos de ativistas The Save Movement criou o Plant Based Treaty, um tratado que incentiva as dietas a base de plantas, consideradas mais saudáveis e sustentáveis.

Audacioso, o tratado investe na ideia de acabar com a alteração do uso da terra, degradação de ecossistemas ou desmatamento para fins de exploração animal; fazer uma transição ativa dos sistemas agrícolas de base animal para sistemas alimentares estritamente de vegetais; e recuperar ecossistemas e reflorestar a terra danificada. Para os influenciadores e pessoas que endossam o tratado via site da campanha, essa é a principal forma de frear o problema e evitar aumentos de temperatura acima de 1,5°C, como busca o Acordo de Paris firmado em 2015. 

A ONG Sinergia Animal Brasil afirma que a produção atual de alimentos de origem animal é insustentável, pois está entre as que mais emitem gases de estufa. Inserida em um ciclo perigoso, onde as mudanças climáticas comprometerão a capacidade de produzir alimentos, ela exacerba ainda mais a insegurança alimentar.

A ONG Million Dollar Vegan lembra que, segundo pesquisadores da Universidade de Oxford, a pecuária ocupa cerca de 83% das terras agrícolas e fornece apenas 18% das calorias no mundo todo. Além disso, a ONG destaca os impactos com desmatamento de florestas para criar áreas de pastagem para o gado e a alta incidência de casos de trabalho escravo no setor.

“A pecuária é a indústria que mais desmata no Brasil, segundo a ONU, e o setor que registrou mais da metade dos casos de trabalho escravo no país entre 1995 e 2020, de acordo com dados do Governo Federal sistematizados pela Comissão Pastoral da Terra. Para construir um futuro com um sistema alimentar justo, precisamos escolher alimentos que não causem tantos danos ambientais e sociais” afirma Isabel Siano, gerente de campanha da Million Dollar Vegan”, alerta.

Fonte: Valle da Mídia

Últimas notícias

Senar lança cursos gratuitos de drones e inseminação artificial. Inscreva-se!

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) lançou três cursos de curta duração, ...

Especialistas do Brasil e exterior debatem mercado halal

O fórum de negócios Global Halal Brazil ocorre na próxima semana e terá ...

Estados Unidos mudam regras para ingresso de cães procedentes do Brasil

Os animais que chegam de países classificados como de alto risco para raiva, ...

Entidades afirmam que caso das búfalas de Brotas foge à regra dos produtores

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) publicou ...

Cadeia produtiva do leite é destaque em novo Boletim da Agricultura Familiar da Conab

Já está disponível, no site da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a publicação ...