Operação Expresso é realizada em municípios do Espírito Santo e do Paraná contra fraude na comercialização de café

A Polícia Civil do Espírito Santo (PCES) prestou apoio operacional, na manhã desta sexta-feira (04), na Operação Expresso, que tem como objeto a investigação para desmantelar um esquema criminoso de sonegação de impostos e creditação indevida do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na compra e venda de café em grão cru, decorrente de comercializações interestaduais.

No Espírito Santo, estão sendo cumpridos sete mandados de busca e apreensão, sendo quatro no município de Colatina e três no município de Guaçuí. Participam da operação no Espírito Santo 35 policiais civis da Delegacia de Repressão a Ações Criminosas Organizadas (Draco), Delegacia Especializada de Armas e Munições (Desarme), Delegacia de Crimes Contra a Ordem Tributária (DCCOT), Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), Delegacia de Guaçuí e da 15ª Delegacia Regional de Colatina.

Anúncio

A operação é realizada pela Polícia Civil do Paraná (PCPR), com o apoio da Polícia Civil do Espírito Santo (PCES), Polícia Científica, Receita Federal, Receita Estadual do Paraná e do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG).

Anúncio

Na manhã desta sexta-feira, foram cumpridas 15 ordens judiciais contra uma organização criminosa suspeita de praticar fraudes fiscais. Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Londrina, Porto Rico e Sertanópolis, no Paraná, e Colatina e Guaçuí, no Espírito Santo.

O ESQUEMA – De acordo com a força-tarefa, atacadistas e corretores de café de Londrina e região possibilitavam a diversas torrefações do Paraná a aquisição do café em grão cru, como se estivessem sendo comercializados apenas internamente no Paraná, acarretando no não recolhimento imediato do tributo, o ICMS.

Todavia, a mercadoria era oriunda de Minas Gerais e do Espírito Santo, comercializada por cooperativas e produtores rurais desses estados, sendo as notas fiscais destinadas a empresas de fachada, as chamadas “noteiras”, que, por sua vez, emitiam notas fiscais inidôneas para os atacadistas paranaenses, possibilitando a estas a creditação indevida de ICMS no Paraná.

Nas aquisições irregulares do café em grão cru, os destinatários do Paraná se beneficiavam com o crédito de milhões de reais em ICMS de operações interestaduais fraudulentas que nunca foram pagos.

Entre janeiro de 2018 e agosto de 2022, o grupo empresarial paranaense creditou-se indevidamente de, aproximadamente, R$ 18 milhões em ICMS decorrentes de operações fraudulentas.

Fonte: Polícia Civil

Anúncio

Anúncio

Últimas notícias

Nater Coop anuncia investimento de 8 milhões em novas estruturas de armazém de café no ES

Foto: Divulgação O volume de movimentação chegará a aproximadamente 75 mil sacas por ...

Agronegócio bate recorde de exportações em abril, com US$ 15,24 bilhões

O resultado correspondeu a 49,3% das exportações totais do Brasil Com valor recorde, ...

Sicoob inova experiência com cashback no Super App 

O Sicoob lançou a nova funcionalidade de cashback no Super App. Através do ...

Exportação de café em abril rende a maior receita da história registrada em um mês

Foto: Julio Huber O Brasil exportou 4,222 milhões de sacas de 60 kg ...

Socol pode se tornar patrimônio cultural no Espírito Santo

Foto: Gabriel Lordelo/Divulgação O socol, produto embutido exclusivo de Venda Nova do Imigrante, ...