Organizações Fairtrade do Brasil participam de treinamentos sobre produção de cafés especiais orgânicos e melhorias do solo

Julio Huber

Representantes de organizações de pequenos produtores de café certificado Fairtrade, arábica e robusta, de São Paulo, Minas Gerais e Espirito Santo, participaram do workshop “Qualidade de processos com ênfase em degradação anaeróbia e experiência na formação de biofábricas para cafeicultura orgânica”. No workshop, os métodos e técnicas apresentados demonstraram como é possível fazer a transição da cafeicultura tradicional para a orgânica, melhorar a qualidade do solo e preservar o meio ambiente.

O evento contou com três dias de programação, e foi realizado no Sitio Barba Negra, em Poço Fundo (MG), entre os últimos dias 25 e 28 de julho. O treinamento foi realizado pela Coordenadora Latino-Americana e do Caribe de Pequenos Produtores e Trabalhadores do Comércio Justo (CLAC), em parceria com a Associação das Organizações de Produtores Fairtrade do Brasil (BRFAIR).

O treinamento foi ministrado pelo engenheiro agrônomo José Francisco Díaz Rocca, que é enlace Café da CLAC e especialista em produção sustentável. Participaram engenheiros agrônomos, técnicos agrícolas e especialistas que atuam nas associações e cooperativas Fairtrade no Brasil.

De acordo com o secretário executivo da BRFAIR, Bruno Aguiar, o objetivo foi o planejamento e execução de ações de transferência de tecnologia para fortalecimento de capacidades técnicas na cafeicultura Fairtrade, com o foco na produção de cafés especiais e na recuperação e preservação dos solos e ecossistema. Além disso, contribuiu para o acompanhamento e assistência às Organizações de Pequenos Produtores (OPPs) certificadas, com ênfase nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

“Esses treinamentos têm como foco principal a transição da cafeicultura tradicional para a orgânica e são muito importantes, já que visamos buscar sempre a promoção do desenvolvimento sustentável. Foram aplicadas técnicas que reduzem o impacto sobre o meio ambiente e o solo e técnicas de recuperação do solo”, contou Bruno.

Segundo ele, a CLAC e a BRFAIR buscam mostrar novos processos de qualidade para os cafeicultores Fairtrade brasileiros, e incentivá-los a produzirem cafés de qualidade e focados na sustentabilidade. “É preciso trabalhar em busca da mitigação do uso de agroquímicos, cuidando da saúde do solo e das pessoas que vivem e trabalham no campo. Estimular a produção de micro-organismos na terra é muito importante. Temos um grande desafio, que é de promover essas novas técnicas, mas como os cafeicultores Fairtrade são inovadores e persistentes, a cada dia traremos mais impactos positivos na preservação e recuperação do meio ambiente”, afirmou.

A gestora da CLAC no Brasil, Gisele Sampaio Marcilio, enfatizou a importância de levar conhecimento aos representes das organizações brasileiras. “O espaço foi importante para fomentar a troca de experiências entre as organizações de diversas regiões produtoras de café e nivelar o conhecimento das equipes técnicas, além de inserção de práticas que ainda não conhecíamos aqui no Brasil”, reforçou.

Últimas notícias

Concurso de Qualidade de Amêndoas de Cacau Capixaba chega à etapa de visita das propriedades

As visitas às 12 propriedades classificadas na 6ª edição do Concurso de Qualidade ...

Festival Aracruz Sabores começa nesta quinta-feira (11)

Foto: Arquivo Secom / Aracruz O evento vai reunir sabores, cerveja artesanal, vinhos, ...

Método simples e barato monitora qualidade da água em viveiros de tilápias

Photo: Gabriel Pupo Nogueira Cientistas utilizam bentônicos, organismos invertebrados indicadores de qualidade da ...

Produção de cacau volta a crescer no Brasil, após controle de vassoura-de-bruxa e outras doenças

Foto: Shutterstock Composition with cocoa pod and products on wooden background, top view ...

Setor de distribuição de insumos está apreensivo com os desafios deste ano

Foto: iStock “O setor de distribuição de insumos agrícolas, que comemorou um 2021 ...