Pele de tilápia brasileira será usada no tratamento de queimados no Líbano

Foto: Viktor Braga/UFC

O Projeto Pele de Tilápia, vinculado ao Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM) da Universidade Federal do Ceará (UFC), está em condições de enviar todo o estoque de 40 mil centímetros quadrados de pele de tilápia para ajudar no tratamento dos queimados vítimas da explosão no porto de Beirute, no Líbano. O Incidente deixou cerca de 5 mil feridos e mais de 100 mortos na última terça-feira (4). Pesquisadores do projeto já se mobilizam para viabilizar a doação.

“Sem dúvida se trata de uma ação humanitária da UFC. É a Universidade fazendo valer seus estudos para colocar à disposição da sociedade, transformando a pesquisa que é feita dentro da Universidade em bem social”, afirma o professor Odorico de Moraes, coordenador do NPDM. Agora a doação só depende dos trâmites burocráticos envolvendo autoridades brasileiras e libanesas.

O professor informou que o núcleo terá a capacidade também de preparar duas mil peles de tilápia. Essa meta é planejada para o início do próximo ano e o material poderá servir em casos futuros de vítimas de queimaduras em grandes desastres, como o do Líbano, conforme esclarece o coordenador do Projeto Pele de Tilápia e pesquisador do NPDM, o médico Edmar Maciel. Segundo ele, essas duas mil peles equivalerão a curativos de 8 a 15 centímetros e de 10 a 20 centímetros, o que representarão, no total, em torno de 250 mil a 300 mil centímetros quadrados de pele de tilápia.

Pesquisadores do projeto estão mobilizados para viabilizar a doação da pele de tilápia já em estoque. “Temos as peles que estão esterilizadas e queremos doar”, reforça o médico Edmar Maciel. Mas, para concretizar essa ação solidária da UFC, ele reitera que cabe às autoridades brasileiras resolver os trâmites legais e burocráticos envolvendo os dois países.

O tratamento de queimados com pele de tilápia tem tido muitos êxitos, desde seu início em 2015, com o uso em pacientes do Instituto Dr. José Frota (IJF). Além de ser utilizada em queimaduras, a pele de tilápia, como biomaterial, tem aplicação em feridas, cirurgias ginecológicas e medicina regenerativa.

Fonte: UFC

Últimas notícias

Menor oferta mundial de café impulsiona valores futuros

Os contratos futuros do café arábica tiveram desempenho positivo nesta semana, voltando a ...

Doze municípios do Espírito Santo passam para risco baixo de contaminação da Covid-19

O Governo do Estado anunciou, nesta sexta-feira (07), o 54º Mapa de Risco ...

Seminário discute déficit de armazenagem para grãos e aponta soluções emergenciais

A constatação da necessidade de aumentar o espaço para armazenar grãos nas principais ...

Conquistas no campo são alcançadas com o auxílio da Contribuição Sindical Rural

A Contribuição Sindical Rural (CSR) fortalece a categoria rural, e, é através dela ...

Ceasa-ES inicia coleta de culturas de produtos do mercado para análise

Ação vem sendo realizada em parceria com o MPES e a Vigilância Sanitária ...