Pesquisa seleciona cultivares de brócolis com capacidade de resistência à podridão negra

A instalação de experimentos que avaliaram o comportamento de cultivares de brócolis com relação à doença podridão negra, causada pela bactéria Xanthomonas campestris pv campestris, contabilizam resultados bastante promissores para o cultivo da hortaliça na região do Distrito Federal. Considerada como um fator limitante da produção de brócolis, a podridão negra tem se mostrado relevante nos cultivos em verões quentes e chuvosos. 

“Se associada a cultivares que não sejam adaptadas a temperaturas acima de 30ºC, a ocorrência dessa e de outras doenças pode causar perdas de até 100% da produção”, explica o pesquisador Raphael Melo, que conduziu os experimentos na Embrapa Hortaliças (Brasília-DF) juntamente com a pesquisadora Alice Quezado. Nesse quesito, Melo chama a atenção para a inexistência de produtos de proteção fitossanitária, registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), específicos para esse alvo em brócolis ou outras brássicas. Segundo ele, isso reforça a necessidade da adoção de medidas pautadas na prevenção e no manejo.              

Na mesma linha de abordagem, Quezado assinala que muitas vezes a informação sobre o desempenho de uma cultivar – que já está no mercado – com relação a determinada doença não é conhecida. “Esse é o caso das variedades de brócolis disponíveis no mercado brasileiro e a podridão negra”, pontua a pesquisadora, que destaca o papel da FAPDF na obtenção dos resultados a partir da aprovação do projeto “Desenvolvimento de estratégias de manejo da podridão negra em cultivos no Distrito Federal” no Edital 03/2016.

BOLETIM DE P&D – O trabalho desenvolvido pelos dois pesquisadores é explicitado no Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 200, já disponível para download pelo link https://bit.ly/31I7yxd. A publicação registra que nesse processo foram avaliadas seis cultivares híbridas de brócolis de inflorescência única e dois híbridos experimentais quanto à reação para a podridão negra e à aptidão para comercialização no Distrito Federal.

Oito cultivares de brócolis foram avaliadas em casas de vegetação e em condições de campo, por meio de inoculação artificial da bactéria. Entre elas, mereceram destaque a Salinas e BC1691, “pela estabilidade dos índices de severidade da doença e pela capacidade produtiva para os cultivos de verão-outono na região”.

“O trabalho que resultou nesse Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento pode auxiliar na escolha de cultivares adaptadas e que apresentaram algum grau de resistência”, considera Melo, para quem “o foco nessa doença e nos períodos de cultivo como objetivos do projeto visam possibilitar maior rentabilidade aos agricultores”.

“O volume de produção de brócolis é menor e os preços pagos por kg são maiores nesse período de verão, ou seja, quem conseguiu uma produção de qualidade nos meses de verão pode vir a lucrar mais, portanto a escolha da cultivar é fundamental”, sentencia.

Fonte: Embrapa

Últimas notícias

Tratoraço reúne mais de dois mil veículos contra taxação do ICMS

Um tratoraço realizado na manhã de ontem (14), na Avenida Coronel Marcondes, em ...

Valor da Produção Agropecuária de 2020 é o maior da história

Foto: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil A carne bovina foi um ...

Conab vende mais de 140 mil toneladas de milho para pequenos criadores em 2020

A comercialização de milho dos estoques do governo federal pôde beneficiar mais de ...

Projeto faz reúso de água para produção de alimentos

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) ...

Idaf registra primeira agroindústria de 2021 em Ibitirama

Uma queijaria de Ibitirama foi o primeiro estabelecimento de 2021 registrado junto ao ...