Pesquisadores desenvolvem primeiro sistema orgânico de manga do País

Para evitar prejuízos, é necessário cuidado especial na escolha das variedades que serão utilizadas no pomar

Especialistas da Embrapa e parceiros desenvolveram mais um sistema orgânico de produção de frutas. A cultura da vez é a manga. O primeiro sistema orgânico do País para a produção de manga foi elaborado com base nos experimentos realizados em Lençóis, na Chapada Diamantina (BA), e também em estudos já existentes gerados por outras instituições e unidades da Embrapa. A média de produtividade se mostrou pouco superior aos valores registrados no sistema convencional no estado da Bahia: 20 toneladas por hectare (t/ha), com previsão de chegar a 25 t/ha no próximo ciclo, contra 15,6 t/ha em média — a diferença poderia ser maior, caso tivesse sido utilizado um espaçamento mais adensado (mais plantas por hectare) nos experimentos. Mesmo assim, o resultado foi comemorado pela equipe de pesquisa porque é mais um incentivo ao cultivo orgânico e à sustentabilidade da agricultura brasileira.

Além disso, há um fator que deve ser ponderado quando se compara o cultivo sob manejo orgânico ao convencional: a não utilização de produtos químicos, que facilitam a produção. Por enquanto, o sistema está restrito a essa região, mas a proposta é que sirva de modelo e possa ser ajustado para outros polos produtivos do País, já que contempla os princípios básicos da produção orgânica.

Esse é mais um resultado do projeto “Desenvolvimento de sistemas orgânicos de produção para fruteiras de clima tropical”, conduzido em parceria entre a Embrapa e a empresa Bioenergia Orgânicos desde 2011 — já foram lançados sistemas orgânicos de produção para abacaxi e maracujá. A publicação reúne recomendações técnicas relacionadas a aspectos socioeconômicos, exigências climáticas, preparo e manejo do solo, calagem e adubação, variedades, produção de mudas, implantação do pomar, irrigação, práticas culturais, manejo de pragas (doenças e insetos), colheita e pós-colheita, mercado e comercialização, coeficientes técnicos e rentabilidade.

Manga majoritariamente nordestina
No Brasil, o Nordeste se destaca pela produção de manga praticamente o ano todo — a região responde por 76,3% da produção nacional, de acordo com dados de 2018 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A Bahia tem a liderança em área colhida (24.200 hectares, o que representa 36,9% da área colhida de manga em todo o País), ficando em segundo lugar, atrás de Pernambuco, em quantidade produzida (378.362 toneladas contra 496.937 toneladas) e produtividade média (15,6 t/ha contra 41,3 t/ha). Essa diferença se explica pelo fato de Pernambuco utilizar um espaçamento mais adensado e abarcar grandes produtores tecnificados, além de variedades mais produtivas visando à exportação, enquanto na Bahia a produção de manga envolve pequenos agricultores familiares e responde por, aproximadamente, 29% da produção nacional.

Preparo e manejo do solo

A base do sucesso da produção em sistema orgânico é o preparo do solo, o qual deve ser revolvido o mínimo possível. A publicação enumera as principais exigências da mangueira, fruteira tropical adaptada a diversos tipos de solo, desenvolvendo-se melhor em solos profundos, bem drenados e sem problemas de salinidade. 

“Iniciamos a implantação do sistema em 2011 com o preparo do solo, que levou cerca de um ano. Em Lençóis, o solo é extremamente pobre. O chamado Latossolo Vermelho Amarelo distrófico apresenta alto teor de alumínio trocável e baixos teores de cálcio, magnésio e outros nutrientes. Nossa primeira prática após as análises química e granulométrica foi a aplicação de calcário dolomítico e gesso mineral [gipsita] para neutralizar o alumínio e fornecer cálcio e magnésio. Depois disso, entramos com as plantas melhoradoras”, explica a pesquisadora. 

O cultivo de plantas melhoradoras é uma das formas de se garantir a cobertura vegetal do solo. De acordo com o descrito no sistema de produção, o uso das coberturas vegetais tem por finalidade aumentar a eficiência do uso da água, diminuir a erosão e a salinização, promover a ciclagem de nutrientes, adicionar nitrogênio, aumentar o estoque de carbono armazenado no sistema e, consequentemente, a qualidade do solo no que se refere aos atributos físicos, químicos e biológicos.

“Nos experimentos em Lençóis, utilizamos um coquetel vegetal, misturando sementes de leguminosas e gramíneas. De leguminosas, usamos feijão-de-porco e mucuna-preta e, de gramínea, sorgo e milheto. E é muito interessante o uso do coquetel porque assim temos espécies com composição de nutrientes e taxa de decomposição diferentes. As leguminosas têm mais nitrogênio, mas decompõem-se mais rápido. E as gramíneas têm menos nitrogênio, porém decompõem-se mais lentamente. Isso levando em consideração a parte aérea, mas não podemos desconsiderar a parte vegetal das raízes, que tem uma quantidade também de nutrientes e acumula carbono no solo, além de as leguminosas ciclarem principalmente potássio, cálcio, magnésio e fósforo para as camadas superficiais do solo, e as gramíneas contribuírem para a agregação do solo”, exemplifica Ana Lúcia.  

Variedades avaliadas

Foto: Carlos Umberto de Souza

Para evitar prejuízos, é necessário cuidado especial na escolha das variedades que serão utilizadas no pomar. No caso dos experimentos em Lençóis, a Embrapa levou 23 variedades para serem avaliadas — parte delas oriunda do programa de melhoramento genético de manga da Embrapa Cerrados (DF). Observaram-se principalmente as características necessárias para processamento, já que o objetivo da Bioenergia Orgânicos é utilizar a maior parte da produção em sua indústria de processamento de polpa integral, ainda a ser instalada. “As variedades Ubá e Palmer adaptaram-se bem à região, com produção de frutos de alta qualidade no sistema orgânico, e estão sendo recomendadas”, conta o pesquisador da Embrapa Mandioca e Fruticultura Nelson Fonseca (foto acima).

O sistema orgânico de produção fornece detalhes sobre as características das duas variedades selecionadas. A manga Ubá é originária da cidade mineira de Ubá, sendo uma planta vigorosa, de copa arredondada e densa. Em Lençóis, apresentou produção regular, acima de 18 t/ha no quinto ano de cultivo, com espaçamento de 8 m x 8 m (156 plantas por ha). O fruto tem casca amarela quando maduro, e a polpa também é amarela e saborosa, com fibras curtas e macias. Pode ser consumido in natura, mas é muito utilizado para produção de suco.

Já a manga Palmer originou-se na Flórida (EUA), tendo sido introduzida no Brasil em 1960. A planta apresentou produção em torno de 20 t/ha no quinto ano de cultivo, também com espaçamento de 8 m x 8 m (156 plantas por ha). O fruto é alongado, com a casca de tom avermelhado-escuro quando maduro. A polpa é amarela, firme, saborosa e sem fibras. Geralmente é consumido como fruto de mesa, mas tem potencial para processamento. É uma das principais variedades de manga produzidas no País, bastante presente nas gôndolas dos mercados. 

“O interessante é que uma das variedades recomendadas é mais precoce e a outra mais tardia, o que dá uma maior amplitude de safra. Para você ter uma ideia, a manga Ubá, da abertura das flores até a colheita do fruto maduro, leva em torno de 120, 125 dias. Já a Palmer leva em torno de 150 dias. Então são cerca de 30 dias a mais. Vamos supor que a Ubá tenha um pico de produção lá para dezembro até janeiro, e a manga Palmer tenha um pico de produção de fevereiro até março. Então, aumenta a amplitude da safra com essas duas variedades”, pontua Fonseca. 

Em relação à produtividade, o pesquisador destaca que não há muita diferença quando comparada à do cultivo convencional, o que, segundo sua avaliação, é um resultado muito positivo. “No convencional, você pode usar adubo químico solúvel, reguladores de crescimento, alternativas para indução floral, e por aí vai, o que facilita muito a produção. Então, conseguir uma produtividade semelhante no orgânico é um grande feito. Além do mais, os frutos se apresentam muito vigorosos, sadios e saborosos”, salienta. 

De acordo com Fonseca, a equipe busca alternativas para aperfeiçoar a indução floral, que é um ponto de melhoria destacado também pelo sócio da Bioenergia Orgânicos Osvaldo Araújo. “Continuamos a pesquisa em conjunto com a Embrapa para encontrar uma solução de indução floral para que possamos ter a manga orgânica durante todo o ano”, afirma Araújo.

Foto: Nelson Fonseca

Agricultura cada vez mais sustentável
Não há informações oficiais sobre a quantidade da produção orgânica de manga no Brasil — para ser considerado orgânico, o produtor deve usar técnicas ambientalmente sustentáveis e não pode utilizar agrotóxicos nem adubos químicos solúveis, seguindo as instruções normativas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). 
Em todo o mundo, de acordo com dados de 2018 da Federação Internacional dos Movimentos de Agricultura Orgânica (Ifoam), a área produzida de manga sob manejo orgânico é de 18.632 hectares, o que equivale a 0,43% da área cultivada de manga no mundo. Considerando esse percentual, a estimativa, segundo a pesquisadora da Embrapa Mandioca e Fruticultura (BA) Ana Lúcia Borges, é que no Brasil sejam 282 hectares de manga em sistema orgânico e, no estado da Bahia, seja algo próximo a 104 hectares. 
“É pouco? É. Mas o objetivo com a elaboração desse sistema de produção é justamente contribuir para o crescimento do cultivo orgânico da mangueira na região e, ao mesmo tempo, influenciar outras regiões brasileiras. Faz parte do conjunto de ações da Empresa para melhorar a sustentabilidade da agricultura do País”, afirma Ana Lúcia, que representa a Embrapa na Comissão de Produção Orgânica da Bahia, fórum composto por membros de entidades governamentais e não governamentais. Ela é a editora técnica da publicação, junto com o pesquisador aposentado da Embrapa Zilton Cordeiro — 20 autores assinam o documento, envolvendo pesquisadores da Embrapa Mandioca e Fruticultura e da Embrapa Semiárido (PE), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), representante da Bioenergia Orgânicos e bolsistas.  

Controle de pragas: melhor prevenir para não precisar remediar

Foto: Nelson Fonseca

Pela não possibilidade de utilização de insumos químicos sintéticos, o controle de insetos-praga é o grande desafio em qualquer cultivo orgânico. É preciso haver o manejo da vegetação natural do pomar, o manejo nutricional e o monitoramento populacional das pragas e dos inimigos naturais. A publicação traz os principais insetos-praga da cultura e suas formas de controle. “No sistema orgânico, é necessário usar muitos métodos preventivos. São necessárias vistorias frequentes na área, para que o inseto possa ser retirado assim que apareça. É o manejo integrado, que envolve prevenção, monitoramento e intervenção”, explica o fitopatologista Aristoteles Matos, pesquisador da Embrapa Mandioca e Fruticultura. 

Ele acrescenta que o trabalho em Lençóis seguiu esse padrão e focou primeiro na prevenção. “Para evitar a entrada de pragas e doenças no pomar, nosso primeiro passo foi a produção de mudas sadias. A Bioenergia tem um viveiro, no padrão estabelecido pelo Mapa para a produção das mudas das variedades de mangueira que foram trabalhadas e que hoje já são mudas orgânicas certificadas. Transportamos as mudas desse viveiro para a fazenda onde foi instalado o pomar”, conta Matos. O sistema orgânico de produção reúne, inclusive, orientações sobre a construção de viveiros de mudas.

Na sequência, o pesquisador elencou uma série de medidas adotadas que garantiram a boa condução do pomar, como o manejo da vegetação natural com roçagem para diminuir a umidade na plantação e as podas. Com o monitoramento constante da área, na ocorrência de pragas e doenças eram imediatamente removidas as partes doentes para baixar o máximo possível o nível do problema dentro do pomar. Outro fator importante destacado por Matos foi o manejo da irrigação. “Sempre foi feita a irrigação que chamamos de subcopa para evitar a molhação das folhas e dos frutos e, assim, o consequente ataque de fungos e doenças. Agora, na ocorrência de pragas ou doenças, aplicamos caldas permitidas na agricultura orgânica, como a calda bordalesa”, conta o pesquisador.

Cuidado com as formigas

Segundo ele, a maior dor de cabeça no manejo de pragas ao longo desses anos nos experimentos em Lençóis foram as formigas cortadeiras. O combate às formigas foi apontado também por Osvaldo Araújo como o maior desafio fitossanitário no plantio da manga orgânica. “Na realidade, a manga é um cultivo interessante e de fácil manejo para o sistema orgânico. A grande dificuldade foi no combate às formigas. Mas encontramos um produto orgânico disponível no mercado e obtivemos excelentes resultados”, informa o sócio da Bioenergia. As formigas foram controladas com uma isca granulada à base de extrato natural de Tefrosia cândida.

O sistema orgânico de produção traz informações sobre outros insetos que atacam a cultura e suas formas de controle (moscas-das-frutas, besouro-amarelo, lagarta-de-fogo, cigarrinha-das-frutíferas e tripes) e também das doenças mais comuns, com a descrição dos sintomas e controle (antracnose, oídio, malformação-floral, malformação-vegetativa, morte-descendente, podridão-seca e mancha-angular). 

Fonte: Embrapa

Últimas notícias

Preço do leite ao produtor sobe, mas custos de produção reduzem margens

O preço do leite recebido pelo produtor manteve a tendência de alta no ...

Estimativa de safra de café é reduzida pela Conab e próxima colheita preocupa

Foto: Julio Huber O país deverá produzir aproximadamente 46,9 milhões de sacas de ...

Deflagrada nova edição da Operação Mata Atlântica em Pé

Teve início ontem (20), a Operação Mata Atlântica em Pé, iniciativa voltada ao ...

Cursos de tratorista e cultivo de cacau exclusivos para mulheres

Registro de ação do projeto “Mulheres do Cacau” com produtoras rurais As mulheres estão ...

Mapa destrói 58 mil garrafas de azeite de oliva fraudado

Foi a maior apreensão já realizada pelo Ministério da Agricultura no país desde ...